Vice-embaixador do Irã comenta sobre embargo econômico dos Estados Unidos e desejo de ampliar as relações comercial e cultural com o Brasil

Carlos Augusto e Mahdi Rounagh (Vice-Embaixador do Irã). Embaixador entrega obra literária sobre o patrimônio humanitário no Irã.
Carlos Augusto e Mahdi Rounagh (Vice-Embaixador do Irã). Embaixador entrega obra literária sobre o patrimônio humanitário no Irã.
Carlos Augusto e Mahdi Rounagh (Vice-Embaixador do Irã). Embaixador entrega obra literária sobre o patrimônio humanitário no Irã.
Carlos Augusto e Mahdi Rounagh (Vice-Embaixador do Irã). Embaixador entrega obra literária sobre o patrimônio humanitário no Irã.
Carlos Augusto e Mahdi Rounagh (Vice-Embaixador do Irã). Diálogo sobre geopolítica e as relações Irã e Brasil.
Carlos Augusto e Mahdi Rounagh (Vice-Embaixador do Irã). Diálogo sobre geopolítica e as relações Irã e Brasil.
Carlos Augusto, Mahdi Rounagh (Vice-Embaixador do Irã) e Dr. Rafi Moussavi Panah (tradutor e intérprete).
Carlos Augusto, Mahdi Rounagh (Vice-Embaixador do Irã) e Dr. Rafi Moussavi Panah (tradutor e intérprete).
Sérgio Jones, Mahdi Rounagh (Vice-Embaixador do Irã), Valter Xéu e Carlos Augusto.
Sérgio Jones, Mahdi Rounagh (Vice-Embaixador do Irã), Valter Xéu e Carlos Augusto.

Mahdi Rounagh, Vice-chefe da Missão do Irã no Brasil (Vice-Embaixador), acompanhado do Dr. Rafi Moussavi Panah, tradutor e intérprete, receberam o jornalista e cientista social Carlos Augusto na embaixada do Irã no dia 5 de dezembro de 2014, oportunidade em que discorreu sobre o embargo econômico dos Estados Unidos da América, o desejo de aumentar as relações comerciais e culturais com o Brasil, e comentou sobre os valores que aproximam as culturas iraniana e brasileira.

Com voz tranquila e gestos suaves, Mahdi Rounagh iniciou o diálogo comentando sobre o processo de autodeterminação do povo iraniano, retomado em 1979 com a fundação da República Islâmica do Irã, através da liderança do aiatolá Ruhollah Musavi Khomeini (24 de setembro de 1902 – 3 de junho de 1989), observando que governo de Khomeini durou de 1979 a 1989, sendo sucedido pelo aiatolá Ali Khamenei, atual Líder Supremo.

O Vice-embaixador avalia que o embargo econômico dos Estados Unidos ao Irã é uma forma externa de interferir na autodeterminação do povo iraniano, de tentar impor uma visão exterior de sociedade a um povo milenar, cujos princípios estão assentados nos valores do islamismo e da família. Neste aspecto, citou o cinema iraniano como exemplo dos valores reificados, diferente do cinema americano, cujas temáticas destruição e assassinato de pessoas são centrais nas narrativas, o cinema iraniano busca transmitir valores como amor ao próximo, ajuda humanitária e respeito à diversidade religiosa de outros povos.

Mahdi Rounagh lembrou que o islamismo, historicamente, foi marcado pela tolerância religiosa, e que o Irã preserva importantes sítios cristãos, a exemplo dos ‘Conjuntos Monásticos Armênios’ formados pelas igrejas cristãs do século VII: Monastério de São Judas Tadeu, Catedral de São Stepanous, e a Capela de Dzordzor. Ele citou este passado cristão como elemento que aproxima as culturas do Brasil e Irã, expressando o desejo de ampliar o intercâmbio comercial entre os povos e de receber mais brasileiros no país, para estudar e como turistas.

Na visão de Mahdi Rounagh o embargo econômico dos Estados Unidos termina por desenvolver uma visão preconceituosa, preconcebida do ocidente sobre o Estado e o povo iraniano, e que diferente da máquina de propaganda estadunidense divulga, o Irã possui um povo pacífico, democrático e religioso, um povo aberto ao intercâmbio comercial e cultural com outras nações, mas que defende o direito de se organizar como uma república islâmica.

Presentes

Ao final do encontro, Mahdi Rounagh entregou um livro sobre a preservação de importantes sítios arqueológicos do Irã, destacados como patrimônios da humanidade, além de duas outras lembranças motivos persas.

Acompanhando Carlos Augusto, diretor e editor do Jornal Grande Bahia (JGB), estiveram presentes Valter Xéu, diretor e editor do Jornal Pátria Latina; e Sérgio Jones, colaborador do JGB.

Sobre o Irã

A República Islâmica do Irã é a segunda maior nação do Oriente Médio, a 18ª maior do mundo, e a 17º país mais populoso do mundo, com mais cerca de 77 milhões de habitantes.

O Irã é uma república teocrática baseada no islamismo. O Líder Supremo do país é eleito pela ‘Assembleia dos Peritos’ para um mandato vitalício. As principais atribuições são a de comandante-em-chefe das Forças Armadas, nomeação do chefe do poder judiciário, do chefe da segurança interna, dos líderes das orações além de seis dos doze membros do Conselho dos Guardiães. Ele pode demitir o presidente do Irã caso considere que este não governa de acordo com a constituição.

A participação popular na gestão do país é garantida através do sufrágio universal, com a escolha do presidente e dos membros da Assembleia Consultiva Islâmica (parlamento unicameral).

Compete ao presidente, segunda figura do Estado após o Guia Supremo, nomear e supervisionar o Conselho de Ministros e coordenar as decisões governamentais. O poder do presidente encontra-se limitado pelo Guia Supremo. Os candidatos a presidente devem ser iranianos xiitas, e os nomes que concorrem ao cargo são previamente aprovados pelo Conselho dos Guardiães.

O atual presidente Irã, Hassan Rohani, foi eleito o 7º presidente do Irã, e o governo teve início em 3 de agosto de 2013.

Leia +

Em Brasília, representações diplomáticas do Irã, Coreia, Bolívia, Rússia e Síria são entrevistadas pelo Jornal Grande Bahia

Vice-embaixador do Irã comenta sobre embargo econômico dos Estados Unidos e desejo de ampliar as relações comercial e cultural com o Brasil

Sobre Carlos Augusto 9707 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).