Em pareceres enviados ao STF, Augusto Aras defende liberdade de culto como direito fundamental, sendo desproporcional o fechamento dos templos. Tese demonstra despreparo, desinteligência e adesão ao culto da morte liderado pelo extremista Jair Bolsonaro.
Sistema Judicial

Necropoder: Procurador-geral Augusto Aras demonstra despreparo, desinteligência e adesão ao culto da morte liderado pelo extremista Jair Bolsonaro, ao apresentar tese de abertura de templos religiosos em meio à pandemia

Observados os protocolos setoriais relativos a cada matriz religiosa e atendidas as medidas sanitárias definidas pelo Ministério da Saúde, há de ser assegurada a realização de cultos, missas e demais atividades religiosas de caráter coletivo,

Ao decidir pela liberação de cultos religiosos, ministro do STF Kássio Nunes Marques demonstra despreparo, desinteligência, cumulado com abuso de autoridade, em meio ao agravamento da pandemia no Brasil. Pupilo do bolsonarismo adere ao culto da morte.
Sistema Judicial

Necropoder: Ministro do STF Kassio Nunes Marques demonstra despreparo, desinteligência e adesão ao culto da morte liderado pelo extremista Jair Bolsonaro e os néscios que ocupam o poder da República

Reportagem de Matheus Teixeira revela que a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Kassio Nunes Marques de liberar missas, cultos e atividades religiosas coletivas incomodou colegas da Corte de Justiça. Juristas avaliam que

Revista Veja antecipou posição do desqualifica ministro do STF Kassio Nunes Marques como “100%” alinhado com os interesses do extremista Jair Bolsonaro.
Manchete

Ministro do STF Nunes Marques paga cargo concedido por Jair Bolsonaro com voto contra suspeição de Sérgio Moro em processos do ex-presidente Lula; Ex-ministro foi condenado como juiz parcial que promoveu atos persecutórios

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Kássio Nunes Marques votou neta terça-feira (23/03/2021) contra a tese da suspeição do, à época, juiz Sergio Moro nos processos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.