“Trabalho de jornalistas em expor atrocidades é mais crucial que nunca”, diz Michelle Bachelet

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
No Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, alta comissária da ONU para os Direitos Humanos discursa ao lado dos jornalistas e Prêmios Nobel da Paz, Maria Ressa e Dmitry Muratov.
No Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, alta comissária da ONU para os Direitos Humanos discursa ao lado dos jornalistas e Prêmios Nobel da Paz, Maria Ressa e Dmitry Muratov.

Para celebrar o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, nesta terça-feira (03/05/2022), a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos participou de um evento em Genebra, ao lado dos ganhadores do Prêmio Nobel da Paz 2021: os jornalistas Maria Ressa, das Filipinas, e Dmitry Muratov, da Rússia.

Michelle Bachelet destacou que os dois profissionais já enfrentaram “uma montanha de desafios em nome da preservação da liberdade de expressão em seus países.”

Intimidações e assédio

A alta comissária destacou que o “simbolismo do Nobel da Paz” de 2021 não poderia ser mais pertinente, com a intensificação de conflitos que não respeitam os direitos humanos. Por isso, Bachelet acredita que “o trabalho dos jornalistas em expor atrocidades é mais crucial do que nunca.”

Bachelet destacou que o 3 de maio é uma data para homenagear os profissionais “que trabalham em meio a assédios, intimidações, vigilância e riscos”, para que todas as pessoas tenham acesso a informações gratuitas, precisas e independentes.

Apesar do papel crucial que têm para as sociedades, Bachelet lembra que os “jornalistas continuam atuando sob grandes ameaças”, seja em zonas de conflito ou em países com espaço cívico restrito e altos níveis de crime organizado.

Profissionais assassinados

A alta comissária citou casos de jornalistas assassinados ao redor do mundo. De acordo com a Unesco, foram 55 profissionais mortos no ano passado, sendo que a impunidade permanece: 87% dos crimes ocorridos desde 2006 ainda não foram elucidados. Somente desde o fim de fevereiro, 12 jornalistas já foram assassinados nos ataques da Rússia à Ucrânia.

No Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, Michelle Bachelet falou também sobre o uso de softwares espiões Pegasus e Candiru, que segundo ela, “são uma afronta ao direito à privacidade e uma obstrução à liberdade de expressão.”

Combate à desinformação

A alta comissária afirmou que o Pegasus é usado em pelo menos 45 países, na maior parte das vezes de forma secreta.

Bachelet afirma que essas nações estão falhando para com os jornalistas ao forçar o uso desses sistemas e por isso, ela já pediu uma moratória na utilização desses programas.

A alta comissária para os Direitos Humanos ressaltou a importância de se promover uma imprensa livre e independente e assim, combater a desinformação, construir confiança pública e proteger os direitos humanos.

Aos jornalistas de todo o mundo, Bachelet ressaltou a “coragem e o compromisso destemido em nos trazer a verdade”.

*Com informações da ONU News.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 121831 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.