Deputado Rosemberg Pinto quer ação nacionalizada de segurança pública; Escalada da violência atinge população de Salvador

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Investimentos contínuos em segurança pública não impediram escalada da violência em Salvador.
Investimentos contínuos em segurança pública não impediram escalada da violência em Salvador.

Uma onda de violência domina os noticiários de Salvador e mobiliza o Legislativo baiano. Na última semana, o deputado e sociólogo Rosemberg Pinto (PT) usou a tribuna para expressar o seu luto com a morte de policiais e defender a política estadual de força e inteligência para combater a criminalidade.

Para o parlamentar, é preciso discutir a violência e encontrar um formato de defesa pública a partir de uma ação nacionalizada. “Não vamos resolver o problema como ilha, os municípios e os Estados, isoladamente. A política de Segurança Pública deveria ser direcionada pelo Governo Federal e estamos diante de um cenário desfavorável, com um presidente que não é sensível ao problema, que não cria mecanismos necessários de defesa no Brasil e ainda incita a violência, o ódio e o armamento”, justifica.

O líder governista ainda destacou que, mesmo assim, a Bahia realizou o maior investimento da história na área, equipando e trazendo novos recursos humanos para área da Polícia Militar, garantindo as melhores condições de enfrentamento da violência. Dados oficiais revelam que o Governo do Estado já investiu mais de R$ 665 milhões na expansão do sistema de reconhecimento facial; mais de R$270 milhões para construir e melhorar a estrutura de delegacias da polícia civil e unidades da polícia militar, além de novas viaturas e mais armamentos; e destinou R$ 255 milhões em prêmios por desempenho policial. O Governo do Estado também fez mais um concurso público e, nesta semana, 917 novos policiais ingressaram na corporação.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 10032 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).