Durante depoimento ao Senado, Alexey Labetskiy comenta sobre nazistas ucranianos combatidos pela Rússia; Embaixador afirma que Operação Especial é para garantir paz na fronteira com a Ucrânia

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
O embaixador da Rússia no Brasil, Alexey Kazimirovitch Labetskiy, falou na CRE, presidida pela senadora Kátia Abreu (PP-TO).
O embaixador da Rússia no Brasil, Alexey Kazimirovitch Labetskiy, falou na CRE, presidida pela senadora Kátia Abreu (PP-TO).

Durante a audiência pública com o embaixador da Rússia no Brasil, nesta terça-feira (05/04/2022), a presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), senadora Kátia Abreu (PP-TO), afirmou que o Brasil defende “cessar-fogo imediato na guerra na Ucrânia”. Por sua vez, o diplomata russo Alexey Kazimirovitch Labetskiy chamou a guerra de “operação especial no território da Ucrânia” e apresentou argumentos do governo russo sobre o conflito.

— A não suspensão imediata das hostilidades pode, a cada dia, aumentar o número de mortos em populações civis indefesas e aprofundar a grande crise humanitária decorrente do maior fluxo de refugiados em solo europeu desde a Segunda Guerra Mundial. (…) O Brasil tem marcado posição em defesa do cessar-fogo imediato e de negociações que conduzam a uma paz duradoura e sustentável — afirmou Kátia Abreu.

O diplomata disse que a crise na região começou em fevereiro de 2014, quando houve um golpe de estado na Ucrânia que derrubou o então governo eleito. Segundo ele, o golpe foi feito por “nacionalistas, direitistas e nazifascistas” ucranianos, com apoio de países do Ocidente.

Alexey afirmou também que, depois de 2014, regiões como Donetsk e Lugansk passaram a querer independência e assinaram acordos com a Ucrânia. Entretanto, ele disse que o governo ucraniano nunca respeitou esses tratados e passou a oprimir as populações das regiões separatistas.

Tumor nazista

De acordo com o embaixador russo, neofascistas e nacionalistas ucranianos “queimaram 50 pessoas em Odessa” em maio de 2014. Ele acusou grupos e batalhões vinculados a esses movimentos de usarem símbolos nazistas. E declarou que a Rússia apoia as populações desses territórios que proclamaram independência.

— Não podemos tolerar o surgimento de um tumor nazista na nossa fronteira. (…) O tumor nazista precisa ser aniquilado para sempre.

Alexey ressaltou que a Rússia é crítica da expansão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) nas últimas décadas. Para ele, o alargamento da Otan é considerado uma ameaça para a Federação Russa.

O embaixador argumentou que a “operação especial na Ucrânia” foi iniciada “quando ficou claro” que a população russa que morava nas regiões separatistas “corria risco de vida”. Entretanto, ele elogiou as negociações de paz, que estão em andamento com reuniões diárias.

Nada justifica a guerra

O senador Marcos do Val (Podemos-ES) destacou que o Brasil tem um histórico como país pacífico. Ele questionou o embaixador sobre supostos excessos cometidos pelo exército russo contra a população civil ucraniana.

— Nada que o senhor possa colocar aqui vai justificar uma vida que foi perdida lá — disse Marcos do Val ao condenar a guerra.

Comércio bilateral

O senador Zequinha Marinho (PL-PA) registrou que a Rússia é um importante parceiro comercial do Brasil. Ele citou o exemplo da venda de fertilizantes russos para a agricultura brasileira.

Zequinha pediu ao embaixador informações sobre os contratos de compra de nitrogênio e fertilizantes pelo Brasil frente às sanções internacionais contra o sistema econômico russo.

Alexey respondeu que o Brasil é o maior parceiro econômico da Federação Russa na América Latina. A Rússia exporta principalmente fertilizantes para o Brasil, que, por sua vez, vende àquele país produtos agroindustriais.

O embaixador afirmou que o governo russo deseja aumentar a cooperação entre ambas as nações e garantiu a continuidade do fornecimento de fertilizantes, mesmo com o bloqueio econômico enfrentado pela Rússia, que ele chamou de “sanções ilegítimas”.

— Queremos continuar fornecendo fertilizantes para o Brasil. (…) o nosso mercado está aberto para os produtos finais da agroindústria brasileira — frisou Alexey.

Invasão

O senador Esperidião Amin (PP-SC) afirmou que, para os brasileiros, a operação da Rússia na Ucrânia é uma invasão e vai acabar por fortalecer a Otan.

— Para nós é uma invasão, porque é no território do outro — disse o senador.

Alexey reiterou que a Rússia considera inaceitável a entrada da Ucrânia na organização militar ocidental.

O senador Chico Rodrigues (DEM-RR) quis saber do embaixador se há possibilidade de guerra entre Rússia e Otan ou se as negociações de paz vão prosperar.

— A guerra não é o melhor caminho — pontuou Chico Rodrigues.

O embaixador respondeu que não pode prever o que acontecerá daqui em diante, mas garantiu que a “operação especial” um dia terá fim.

*Com informações da Agência Senado.

Confira vídeo

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 123118 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.