Brasil não apoia sistema de pagamento próprio do Brics, diz Ministério da Economia

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Secretário de Assuntos Econômicos Internacionais do Ministério da Economia, Erivaldo Alfredo Gomes.
Secretário de Assuntos Econômicos Internacionais do Ministério da Economia, Erivaldo Alfredo Gomes.

A proposta da Rússia de constituir um sistema de pagamentos específico para o Brics – bloco composto por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – não tem o apoio do governo brasileiro, disse na quinta-feira (14/04/2022) o secretário de Assuntos Econômicos Internacionais do Ministério da Economia, Erivaldo Alfredo Gomes. A sugestão foi apresentada há algumas semanas pelo ministro das Finanças russo, Anton Siluanov.

“Este não é um tema de trabalho, não está na agenda do Brasil”, disse o secretário em entrevista à imprensa. Ele informou que a sugestão foi apresentada pela Rússia em reunião recente do Brics, mas não é consenso entre os países do grupo.

De acordo com o secretário do Ministério da Economia, o Brasil defende um sistema mais ágil que a plataforma Swift, usada há cerca de 40 anos. Segundo Gomes, o governo brasileiro entende que a elaboração de um novo sistema de pagamentos, que permita a compensação de transações internacionais no mesmo dia, deve ser discutida de forma global, sem ser restrita a um grupo de países.

“Faz sentido a gente ter uma discussão sobre como estabelecer uma nova plataforma. O Brasil entende que isso deve ser em âmbito multilateral, global. Não uma solução específica de alguns países. Até para evitar a fragmentação”, justificou o secretário.

De acordo com Gomes, a existência de vários sistemas de pagamentos simultâneos levaria à ineficiência em escala internacional. “Já imaginou fazer um Pix para a mãe e usar outro sistema de pagamentos para transferir dinheiro para o irmão? Essa fragmentação não é boa”, explicou.

Na avaliação do secretário, os países devem discutir a modernização dos sistemas internacionais de pagamento, para reduzir o tempo das transações em meio ao avanço da economia digital. “A gente observa que um pagamento no Swift às vezes leva dois ou três dias para chegar ao sujeito do outro país. É um processo caro, burocrático, demorado, que não é compatível com as demandas da economia de hoje”, disse.

Gomes defendeu que o novo sistema de pagamento seja gerido pelo Banco de Compensações Internacionais (BIS), instituição sediada na Suíça que reúne os bancos centrais do planeta.

Independência financeira

No início do mês, o ministro das Finanças russo, Anton Siluanov, defendeu a criação de um sistema próprio de pagamentos entre os países do Brics. Ele justificou a proposta com base na deterioração da situação econômica da Rússia com as sanções internacionais impostas após o início da guerra com a Ucrânia.

Na avaliação do governo russo, o novo sistema traria mais independência financeira aos países emergentes, com a ampliação do uso de moedas nacionais. Para Siluanov, existe a necessidade de acelerar a integração de sistemas de pagamentos e de cartões e de criar um sistema próprio de intermediação entre os membros do Brics.

*Com informações da Agência Brasil.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 121606 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.