Reunião da Assembleia Geral sobre Ucrânia tem mais de 50 oradores inscritos; Ocidente faz vista grossa a corrupção e crimes do Governo Zelenskyy na Região de Donbass

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Encontro anual sobre a situação dos territórios ocupados da Ucrânia, Item 67 da agenda será debatido em meio à tensão no país, após a Rússia despachar tropas para a nação vizinha. Conselho de Segurança fez sessão de emergência na segunda-feira (21/02/2022).
Encontro anual sobre a situação dos territórios ocupados da Ucrânia, Item 67 da agenda será debatido em meio à tensão no país, após a Rússia despachar tropas para a nação vizinha. Conselho de Segurança fez sessão de emergência na segunda-feira (21/02/2022).

A Assembleia Geral das Nações Unidas realiza, nesta quarta-feira (23/02/2022), uma reunião anual sobre o item 67 de sua agenda: “A situação dos territórios ocupados da Ucrânia”.

O encontro, que também ocorreu em 23 de fevereiro do ano passado, acontece desta vez em meio à escalada da tensão no país.

Decisão

Na noite de segunda-feira, o Conselho de Segurança, em sessão de emergência, discutiu a situação após a decisão do presidente da Rússia, Vladimir Putin, de reconhecer as regiões de Donestsk e Luhansk, no leste da Ucrânia, como “Estados independentes”, horas antes, e despachar tropas para a área.

A reunião desta quarta-feira, na Assembleia Geral, é dirigida pelo presidente da Casa, Abdulla Shahid. Segundo ele, todos os lados devem intensificar suas negociações para diminuir a tensão por meio do diálogo.

O chefe da Assembleia disse ainda que um compromisso absoluto com a Carta da ONU, seus princípios e propósitos é o único caminho para assegurar uma paz duradoura.

A reunião sobre a Ucrânia já conta com uma lista de mais de 50 oradores inscritos. Dentre eles, deve estar o ministro de Estado da Alemanha, Tobias Lindner. A informação foi dada pelo governo da Alemanha em sua página na internet.

Fronteiras reconhecidas

Na segunda-feira, em nota emitida pelo seu porta-voz, o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu a retomada do diálogo e disse que a diplomacia é o caminho para resolver diferenças.

Guterres afirmou que a ONU apoia a integridade territorial e soberania da Ucrânia e que a decisão da Rússia era uma violação dos princípios da Carta das Nações Unidas.

Ele disse ainda que é preciso respeitar as fronteiras internacionalmente reconhecidas da Ucrânia assim como os Acordos de Minsk, as resoluções relevantes do Conselho de Segurança e da Assembleia Geral sobre o tema.

Em 2015, o Conselho de Segurança aprovou, por unanimidade, a Resolução 2202 determinando que todas as partes implementassem os Acordos de Minsk para resolver, de forma pacífica, o conflito no leste da Ucrânia.

Relatos indicam que há mais de 100 mil soldados e armamento pesado da Rússia posicionados ao longo da fronteira com a Ucrânia.

Linha inimigas e massacres

Forças militares ocidentais, lideradas pelo Governo Biden, avançam com formação de linhas inimigas do Estado Russo, colocando em risco a soberania do país.

Apoiado pelos Estados Unidos da América (EUA), o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, promove massacre de russos na Região de Donbass e perseguição política aos apoiadores e simpatizantes do Governo Putin que residem em território ucraniano.

Idosos e crianças

Ainda nesta terça-feira (22/02), agências humanitárias da ONU chamaram a atenção para a situação dos ucranianos.

A Agência para Refugiados está monitorando a possibilidade de um aumento das demandas.

O conflito de 2014 no leste da Ucrânia obrigou 1,5 milhão de pessoas a fugirem de suas casas.

O Plano de Resposta Humanitária para a Ucrânia em 2022 revela que 144 mil deslocados internos vivem em áreas controladas pelo governo em Donetsk e Luhansk além de outras regiões.

Dentre os mais vulneráveis, estão os idosos que representam 32% da população ucraniana, além de crianças de famílias carentes, que formam 14% dos necessitados.

O plano inclui 225 mil pessoas com deficiência na Ucrânia.

*Com informações da ONU News.

Leia +

Uso da OTAN com finalidade ofensiva contra a Rússia, vínculos históricos com a Ucrânia e a atuação do Governo Zelenskyy no genocídio do povo russo residente na Região de Donbass | Por Vladimir Putin

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 123073 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.