No conflito entre Rússia e Ucrânia por Donbass, EUA usam medidas de boicote econômico que vão resultar no endividamento e empobrecimento da classe operária europeia; Lucrar com a guerra é a métrica do Governo Biden

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Presidente Joe Biden usa conflito — entre Rússia e Ucrânia por Donbass

O presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Joe Biden, apresentou nesta quarta-feira (23/02/2022) o conjunto de sanções ao gasoduto russo Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2), que abastece Alemanha e países da União Europeia.

Na terça-feira (22), Biden emitiu uma série de sanções contra instituições financeiras da Rússia, visando atingir a administração de Vladimir Putin, presidente russo.

“Hoje [23] orientei meu governo a impor sanções ao Nord Stream 2 AG e seus diretores corporativos”, disse Biden em um comunicado à imprensa.

Ele enfatizou que essas medidas “são outra parte de nossa parcela inicial de sanções em resposta às ações da Rússia na Ucrânia”.

Lucro na guerra

O que motiva o Governo Biden a estimular o conflito evitando aceitar a proposta de paz da Rússia é o lucro com venda de armas e empréstimos em dólares. O resultado da equação da guerra será pago pela classe operária da União Europeia através de desemprego e carestia.

União Europeia aplica sanções contra instituições, empresas e cidadãos da Rússia, RPD e RPL

Nesta quarta-feira (23/02), entraram em funcionamento diversas sanções da União Europeia (UE) em resposta ao reconhecimento de Moscou da independência das repúblicas populares de Lugansk e Donetsk (RPL e RPD, respectivamente).

As sanções impostas pela União Europeia (UE) atingem indivíduos, empresas e transações financeiras envolvendo a Rússia, a RPD e a RPL. A UE incluiu diversos membros do primeiro escalão do governo e das Forças Armadas da Rússia nas sanções, que listam centenas de indivíduos.

Entre as entidades sancionadas estão a Agência de Pesquisa de Internet, os bancos Rossiya e Promsvyazbank, e a agência russa de desenvolvimento financeiro VEB.RF, descrita como “importante fonte de receitas para o governo russo” por gerir seus fundos públicos de pensões.

A União Europeia também proibiu transações com títulos emitidos pelo governo russo e pelo Banco Central da Rússia após o dia 9 de março deste ano sob o novo pacote de sanções impostas contra Moscou.

“São proibidas a aquisição, a venda e a prestação, diretas ou indiretas, de serviços de investimento ou assistência para emitir ou de outro modo negociar valores mobiliários e instrumentos do mercado monetário que tenham sido emitidos após 9 de março 2022 por: a) A Rússia e o seu Governo; b) O Banco Central da Rússia; ou c) Uma pessoa coletiva, entidade ou organismo que atue em nome ou sob a direção da entidade referida na alínea b).”, diz o documento emitido pela UE listando as sanções.

O bloco europeu também bloqueou quaisquer importações dos territórios não controlados por Kiev na região das repúblicas populares de Lugansk e Donetsk. A UE proibiu ainda a aquisição de imóveis na RPL e na RPD, a concessão de empréstimos às entidades nas repúblicas populares, assim como a criação de empreendimentos, inclusive conjuntos, e o investimento nas regiões.

UE inclui membros do governo e da mídia russa nas sanções

Entre os indivíduos mais proeminentes na lista de sanções da UE estão o ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, o ministro do Desenvolvimento Econômico da Federação da Rússia, Maxim Gennadyevich, a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, e a editora-chefe da emissora RT e da agência Sputnik, Margarita Simonyan.

Além deles, estão da lista o chefe da administração do Kremlin, Anton Vaino, o vice-presidente da Duma de Estado, Pyotr Tolstoy e o chefe do Partido Comunista da Federação da Rússia, Gennady Zyuganov.

Rússia responderá firmemente às novas sanções dos EUA, diz MRE russo

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia afirmou que Moscou responderá firmemente às novas sanções dos EUA.

“Não há dúvidas de que as sanções vão receber uma resposta forte, não necessariamente simétrica, mas calibrada e vulnerável para o lado norte-americano”, declarou.
O MRE russo ainda ressaltou que a Rússia é capaz de minimizar os danos das sanções impostas pelos norte-americanos, e que isso não será suficiente para impedir que o país defenda seus interesses.

Com relação às ameaças britânicas ao canal russo RT, Moscou afirmou que qualquer ameaça relacionada à mídia russa provocará uma rápida resposta.

“Se o Reino Unido pôr em prática as ameaças contra as mídias russas, medidas de resposta não demorarão para sair. Os jornalistas britânicos podem perguntar aos seus colegas alemães, como isso acontece”, afirmou.

Recentemente, os EUA anunciaram sanções contra a Rússia devido à escalada em torno da Ucrânia. Foram impostas restrições contra dois bancos com suas numerosas filiais, contra a dívida soberana da Rússia e “representantes das elites” do país.

Além disso, os americanos foram proibidos de efetuar transações comerciais, financeiras e de investimento com as Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk (RPD e RPL), cuja independência foi reconhecida pela Rússia.

*Com informações da Sputnik Brasil.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 123125 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.