Trabalhar pela plena integração das pessoas com hanseníase, conclama Papa Francisco

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
A Índia é o país com maior número de pessoas com hanseníase, seguido pelo Brasil.
A Índia é o país com maior número de pessoas com hanseníase, seguido pelo Brasil. No Angelus, o Papa Francisco recorda dos doentes de hanseníase e a necessidade de trabalhar para sua integração social. Este é o 69º Dia Mundial Contra a Hanseníase, celebrado em 150 países e criado para chamar a atenção sobre esta doença, que é curável se diagnosticada a tempo.

Hoje é o Dia Mundial Contra a Hanseníase. O Papa Francisco recorda-o nas suas palavras após a recitação do Angelus desta segunda-feira (31/01/2022), exortando ao empenho em favor das pessoas acometidas por este mal:

“Manifesto a minha proximidade aos que sofrem desta doença e faço votos que não lhes falte apoio espiritual e cuidados de saúde. É necessário trabalhar juntos para a plena integração dessas pessoas, superando qualquer discriminação associada a uma doença que, infelizmente, ainda atinge muitos, principalmente em contextos sociais mais desfavorecidos”, diz.

Uma doença ainda disseminada no mundo

“A cada três minutos é registrado um novo contágio de hanseníase no mundo e um doente em cada 10 é uma criança”. Estes são os dados atualizados da Organização Mundial da Saúde relatados por Guido Barbera, presidente da associação “Quero viver” e membro do conselho da União internacional Raoul Follereau, em comunicado publicado pela agência Sir tendo em vista o dia de hoje .

“O tempo médio de incubação da doença é de 5 anos, mas pode até chegar a 10 – continuou – com a consequência óbvia de que durante este tempo as pessoas assintomáticas podem disseminá-la”. A hanseníase é uma doença que afeta a pele e o sistema nervoso periférico, mas que pode ser controlada com a aplicação de protocolos adequados. Infelizmente, este não é o caso quando o diagnóstico é tardio: “Muitos doentes não foram diagnosticados, 64% são agora graves e 7% são crianças. Todos os anos, pelo menos 15 mil crianças são infectadas e 11 mil infectados sofrem doenças irreversíveis”.

Agravamento da situação com a pandemia de Covid-19

No relatório anual sobre hanseníase publicado pela OMS em setembro passado, fica claro que essa doença ainda é um problema de saúde pública em muitos países, mas apenas 127 Estados forneceram dados atualizados até 2020, um sinal claro da dificuldade em encontrar informações com a sobreposição da pandemia de Covid.

De acordo com o relatório, de fato, houve uma queda de 37,1% de pacientes em 2020 em relação a 2019, mas a Índia (em primeiro lugar) foi confirmada como um dos países mais atingidos por esse problema, seguida por Brasil e Indonésia.

A situação em Bangladesh, República Democrática do Congo, Etiópia, Filipinas, Madagascar, Mianmar, Moçambique, Nepal, Nigéria, Somália, Sri Lanka e Tanzânia também é preocupante. Especialmente na África, de acordo com os dados divulgados no site da Associação AIFO – Associação Italiana de Amigos de Raoul Follereau, devido à baixa capacidade de reconhecer os sintomas precocemente, ainda há 5,6% dos pacientes de hanseníase que relatam deficiências graves, das quais 4,3% têm menos de 15 anos.

*Com informações do Vaticano News.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 123318 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.