Preço dos produtos da ceia de Natal tem aumento de 27% e pesa mais sobre a classe média e baixa

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Enquanto atualmente a cesta básica de alimentos ultrapassou R$ 700 no Brasil, na gestão de Lula o valor médio calculado pelo Dieese era de R$ 266,97.
Enquanto atualmente a cesta básica de alimentos ultrapassou R$ 700 no Brasil, na gestão de Lula o valor médio calculado pelo Dieese era de R$ 266,97.

O preço dos alimentos no Brasil teve uma alta acumulada de 11,71% em doze meses, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e teve impacto no valor dos produtos da ceia de Natal deste ano, que aumentou 27% em relação a 2020. Dentre os produtos tradicionais da comemoração, o preço do frango foi o que mais cresceu, com 27,34%, de acordo com levantamento da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Na sequência, entre os alimentos que mais vão pesar no bolso do brasileiro na hora de comprar a ceia natalina será o ovo, que teve aumento de 20%, segundo a FGV. Depois do ovo aparecem na lista de alimentos que mais subiram, de acordo com a FGV, os “pães de outro tipo”, que tiveram registro de crescimento de 11,12%, o bacalhau (7,98%), vinhos (7,77%), lombo suíno (6,48%) e o pernil suíno (3,44%).

“Será, sem sombra de dúvidas, um Natal difícil de montar mesa farta” afirma o professor de finanças, Ângelo Guerreiro. A alta no preço dos produtos da ceia, ressalta o professor, terá impacto maior nas famílias de classe média e mais baixa, que são as mais prejudicadas pela alta da inflação. De acordo com Ângelo, diversos fatores contribuíram para a alta dos preços dos alimentos, a exemplo do valor da gasolina, a cotação de produtos indexados ao dólar e a desvalorização do real.

“O preço dos combustíveis influencia bastante no dos alimentos porque nosso modal é terrestre, feito pelo transporte rodoviário, que é o que mais usamos, além de outros dois fatores, que é o próprio alimento e uma desvalorização muito grande da nossa moeda. Nossa moeda foi a segunda que mais se desvalorizou no mundo, só perdendo para a Turquia”, destaca o professor de finanças.

Nesse cenário de alta dos preços na gestão de Jair Bolsonaro, responsável pela crise econômica e pela volta da fome no Brasil, a desigualdade aumentou mais ainda mais, afetando sobretudo os mais pobres, mas também a classe baixa e média. “Só a classe alta e o rico conseguiram escapar”, afirma Ângelo Guerreiro. “A classe baixa, sem dúvida, é quem mais sofre, é a que tem o orçamento apertado e qualquer 50 reais faz a diferença”. Já a classe média sente o peso da alta da inflação no total das contas, explica o professor. “Quando pega conjunto de tudo – plano de saúde, mercado, conta de luz – percebe o impacto”, diz o professor, citando ainda como outro problema a queda da renda do brasileiro, acentuada pela crise econômica.

Governo Lula

A situação atual é completamente diferente do período em que o Brasil foi governado por Lula, quando as políticas econômicas e sociais colocaram o pobre no centro do orçamento no Brasil promovendo o desenvolvimento. Enquanto atualmente a cesta básica já ultrapassou R$ 700 no Brasil, em 2011 o valor médio calculado pelo Dieese era de R$ 266,97. Reajustado pela inflação, o valor seria de R$ 478.

Outra diferença é que enquanto nos governos de Lula e do PT a política de valorização do salário mínimo foi um dos pilares das políticas sociais, um dos fatores responsáveis por manter a economia aquecida, na gestão de Bolsonaro não houve nenhum aumento real do salário mínimo. Neste ano, com o valor do salário mínimo, o brasileiro consegue comprar apenas 1,57 cestas básicas. Essa proporção é muito inferior às dos governos do PT, quando, por exemplo, em 2010, era possível adquirir 2,31 cestas com um salário mínimo. Já no ano de 2014, se comprava 2,58 cestas.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 123164 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.