Jornal El País encerra edição brasileira por falta de sustentabilidade econômica; Grupo de comunicação mantém versões em espanhol e inglês

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Editorial de despedida do El País, publicado na quarta-feira (14/12/2021).
Em comunicado, Jornal El País informa que encerra atuação no Brasil após 8 anos de veiculação.

O jornal espanhol El País anunciou nesta terça-feira (14/12/2021) o encerramento das operações no Brasil. Lançada em 2013, a versão brasileira do veículo não conseguiu alcançar a sustentabilidade econômica nestes oito anos de operação, “apesar de ter atingido grandes audiências e um número considerável de assinantes digitais”, informou em comunicado. A equipe local do veículo era composta por 17 jornalistas. Eles foram pegos de surpresa pelo anúncio.

No comunicado, o jornal informa que os leitores poderão acompanhar a versão Americas do periódico.

“Queremos agradecer aos profissionais do El País Brasil por seu grande esforço e dedicação. Como também à fidelidade de nossos leitores, que poderão acompanhar a informação sobre a região e o resto do mundo em nossa edição da América. Para este jornal, o Brasil é um eixo da informação global tanto no plano político e econômico, quanto no cultural e social”, informou.

O comunicado do jornal El País aos leitores do Brasil

A edição em português do El País despede-se hoje de seus leitores. Esta edição nasceu em 2013 e durante oito anos informou sobre a atualidade brasileira e mundial. Neste tempo, apesar de ter atingido grandes audiências e um número considerável de assinantes digitais, ela não alcançou sua sustentabilidade econômica, o que levou à decisão por sua descontinuidade.

O El País, que mantém correspondentes em São Paulo, conta com a mais extensa rede de jornalistas no continente. A partir de sua redação na Cidade do México, dos escritórios de Washington, Bogotá e Buenos Aires e de seus jornalistas nas principais capitais, a edição do El País América oferece a mais completa cobertura em espanhol da área. Um esforço que será ampliado nos próximos meses e no qual o jornal concentrará suas energias.

Queremos agradecer aos profissionais do El País Brasil por seu grande esforço e dedicação. Como também à fidelidade de nossos leitores, que poderão acompanhar a informação sobre a região e o resto do mundo em nossa edição da América. Para este jornal, o Brasil é um eixo da informação global tanto no plano político e econômico, quanto no cultural e social.

El País, quarta-feira, 14 de dezembro de 2021.

Editor-executivo do The Intercept Brasil comenta

Na quarta-feira (15), Leandro Demori, editor-executivo do The Intercept Brasil (TIB), comentou o encerramento das operações do El País como grave, ao afirmar que:

— A versão brasileira do site espanhol El País encerrou suas atividades. Em menos de dois anos, três versões brasileiras de grandes veículos internacionais fecharam as portas: antes do El País, o BuzzFeed News e o Huffpost já haviam deixado o Brasil em 2020. Notícias como essa têm gosto um pouco mais amargo para nós porque, além de colegas, estivemos juntos no front: El País e BuzzFeed News foram parceiros do Intercept na publicação da Vaza Jato. Além de triste, o cenário é grave: ele escancara a fragilidade da imprensa em um momento histórico crucial para a democracia.

— Ao menos nos casos do El País e do BuzzFeed News, as notas oficiais deixaram claro que o que tornou a operação impossível foi um velho conhecido das redações do século 21: o dreno financeiro das publicações. Desde que o jornal migrou das bancas para o digital e a ideia de assinatura de um veículo fechado envelheceu, as redações vivem uma batalha diária para repensar sua sustentabilidade financeira. Quando se trata de redações independentes, o problema é acrescido de outro: não é só que não temos anunciantes, nós não queremos esse apoio. O preço dele muitas vezes é derrubar reportagens que incomodam poderosos.

— O El País Brasil passou a integrar a equipe de apuração dos dados da Vaza Jato em agosto de 2019. A parceria rendeu reportagens excelentes. Uma delas, “Como os grandes bancos escaparam da Lava Jato”, que eu e a nossa editora Paula Bianchi assinamos com os colegas Marina Rossi, Regiane Oliveira e Daniel Haidar. O texto mostrou como os procuradores da Lava Jato tiveram ciência, mas fizeram vista grossa para suspeitas de crimes graves cometidos pelo setor bancário — desde o eventual silêncio sobre movimentações ilícitas até o uso de informações privilegiadas do Banco Central que renderiam lucros aos bancos. E ajudou a desmascarar o mito de que a Lava Jato punia sem olhar a quem.

— Fechamento de veículos, seja você um fã ou crítico de suas linhas editoriais, é sempre algo a lamentar. Uma redação que fecha são diversos pontos de vista, vivências, questionamentos e vozes que se calam — sem entrar no mérito da crise do jornalismo, com dezenas de profissionais demitidos. São criminosos e abusadores que deixam de ser denunciados, esquemas de corrupção que deixam de ser debelados, cenários e mudanças que deixam de ser analisados. Péssimo para a democracia, excelente para governos autoritários. É a esse ponto que quero chegar: perder tantos veículos jornalísticos às barbas das eleições mais importantes das últimas décadas é um risco enorme.

— O clima entre os jornalistas sempre é de desalento e, claro, medo em relação ao futuro quando uma notícia dessas chega aos nossos grupos. Não é para menos. Mas, na esteira das perdas, das demissões e dos finais, é urgente repensarmos recomeços. Não acreditamos que uma profissão essencial para a democracia possa simplesmente deixar de existir. Por séculos, o jornalismo lutou para defender direitos, derrubou governos corruptos, anunciou o novo. Errou muito, também, claro. Mas, às vésperas de um ano eleitoral que pode aprofundar a dramática crise institucional em que vivemos, precisamos acreditar que ainda há muito a ser feito: ainda há muito o que acertar.

— Em um cenário de incertezas, no TIB nós acreditamos que o jornalismo não pode mais ser pensado sem um massivo apoio dos leitores. No caso do El País Brasil, o site chegou a abrir financiamento coletivo para membros, mas não foi o suficiente para evitar o fim do projeto.

— No anúncio da parceria com o TIB na Vaza Jato, El País Brasil publicou: “os jornais têm muitas obrigações em uma sociedade democrática: responsabilidade, confiabilidade, equilíbrio e compromisso ante os cidadãos. Não estava e não está entre elas proteger os agentes públicos e os poderosos em geral de revelações embaraçosas”. Não trocaríamos uma vírgula.

— O jornalismo investigativo crítico e independente precisa mais do que nunca de apoiadores. Temos um grande desafio no próximo ano, e infelizmente somos cada vez menos do lado progressista. Se você acredita que a única forma de o jornalismo escapar da crise é ser autossuficiente e movido por leitores, faça parte da nossa comunidade de membros hoje. Apoie como puder.

*Com informações do Jornal Folha de S.Paulo e The Intercept Brasil (TIB).

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 121857 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.