COP26 abre com expectativas de ação imediata pelo planeta; ONU espera que Glasgow seja “um ponto de virada” para um mundo mais seguro e verde para futuras gerações

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Em Glasgow, Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática reúne mais de 100 líderes e dezenas de milhares de participantes. ONU publica relatórios destacando recorde em concentrações de gases de efeito estufa. Pnuma realça impacto do corte em emissões de metano na taxa de aquecimento global.
Em Glasgow, Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática reúne mais de 100 líderes e dezenas de milhares de participantes. ONU publica relatórios destacando recorde em concentrações de gases de efeito estufa. Pnuma realça impacto do corte em emissões de metano na taxa de aquecimento global.

A 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, COP26, abre este domingo em Glasgow, na Escócia. Na segunda e terça-feira, mais de 100 chefes de Estado discursam na Cúpula dos Líderes Mundiais ligada ao evento.

O secretário-geral também participa da reunião e do evento Ação e Solidariedade – a década crítica. António Guterres exige medidas ousadas e novas políticas para enfrentar a mudança climática, eliminar o carvão e investir em tecnologias limpas.

Profundas reduções

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, Ipcc, recomenda que o mundo aposte em profundas reduções de emissões para atingir um aquecimento da temperatura de 1,5 ° C até o final do século como prometido no Acordo de Paris.

A ONU quer solidariedade global para apoiar mudanças em países menos avançados. Antes, Guterres disse que Glasgow pode ser “um ponto de virada” para um mundo mais seguro e verde para futuras gerações, mas que é preciso uma ação imediata para isso.

Uma das recomendações é reduzir as emissões globais em 45% até 2030. O pedido feito a economias desenvolvidas e de rendimento médio é que acelerem a ação em favor da meta de 1,5 ° C, por serem as maiores responsáveis pelas emissões de gases de efeito estufa.

A capital escocesa será o centro da mobilização de financiamento público e privado para apoiar os mais vulneráveis na crise climática. Com as alterações do clima outro alvo é enfatizar que é preciso apoiar comunidades e seus habitats.

Alerta

Ações nesse sentido incluem apoio à adaptação visando proteger e restaurar os ecossistemas, construindo mecanismos de defesa, sistemas de alerta e infraestrutura resiliente.

Glasgow deve ainda mobilizar finanças de acordo com promessas das nações ricas de canalizar US$ 100 bilhões por ano para se mitigar o aumento da temperatura.

Outra grande meta é mobilizar a atuação conjunta para ajudar a cumprir os propósitos globais, reforçando as colaborações entre governos, empresas e sociedade civil.

Capital escocesa será o centro da mobilização de financiamento público e privado para apoiar os mais vulneráveis na crise climática

Para além de negociações formais que iniciam este domingo, a COP26 deve anunciar novas iniciativas e coalizões para impulsionar ações climáticas.

Novos recordes

Neste domingo foi publicado um novo relatório destacando que as concentrações de gases de efeito estufa atingiram novos recordes. Enquanto os níveis de dióxido de carbono, CO2, foram de 413,2 partes por milhão, os de metano, CH4, chegaram a 1889 partes por bilhão e do óxido nitroso, N2O, alcançaram a marca de 333,2 ppb.

Os novos máximos equivalem a 149%, 262% e 123% acima dos níveis pré-industriais. O aumento continuou em 2021, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial.

As concentrações recordes de gases de efeito estufa e o calor acumulado associado empurram o planeta para um território desconhecido, com repercussões de longo alcance para as gerações atuais e futuras.

Um resfriamento temporário do fenômeno “La Niña”, que aconteceu no início do ano, colocará 2021 entre o quinto ao sétimo ano mais quente já registrado. Mas a situação não reverte a tendência de longo prazo de aumento das temperaturas.

Metano na atmosfera

Em relação ao metano, o Programa da ONU para o Meio Ambiente, Pnuma, alerta que o gás lançado diretamente na atmosfera é mais de 80 vezes mais potente do que o CO2 em um horizonte de 20 anos. Mas a diferença é a vida útil na atmosfera que é relativamente curta: entre 10 a 12 anos.

A diretora executiva do Pnuma, Inger Andersen, diz que reduções de metano devem acompanhar ações globais para descarbonizar o sistema de energia para limitar o aquecimento a 1,5 ° C, conforme o estipulado no Acordo de Paris.

As ações para cortar as emissões de metano podem baixar de forma mais imediata a taxa de aquecimento e, ao mesmo tempo, melhorar a qualidade do ar.

Conheça os principais termos que serão usados durante a COP26

Com a abertura da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP26) neste domingo (31/10/2021), em Glasgow (Escócia), muitas palavras serão usadas pelos debatedores ao longo das reuniões. Um guia elaborado pela ONU News pretende ajudar a compreender estes termos e siglas durante as duas próximas semanas. O evento termina no dia 12 de novembro,

COP 26 – Embora seja citada como Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, o evento oficialmente chama-se Conferência das Partes (COP) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climática (Unfccc), criada após a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, que foi realizada em 1992 no Rio de Janeiro. As reuniões ocorrem anualmente.

ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: São 17 objetivos, entre eles, acesso à energia limpa, redução da pobreza e consumo responsável. Os ODSs fazem parte da Agenda 2030 da ONU para o Desenvolvimento Sustentável.

NDC – Contribuições Nacionalmente Determinadas: São as contribuições de cada país para reduzir a quantidade de gases de efeito estufa. A meta foi definida na COP21, realizada em 2015.

Emissão líquida zero – Países que aderiram ao Acordo de Paris, estabelecido em 2015, concordaram com a manutenção da temperatura global em 1,5ºC. Para que a medida seja cumprida, os países devem alcançar a neutralidade de carbono, ou seja, emissões zero líquidas nas próximas décadas. Dados recentes apontam o aquecimento entre 1,06 a 1,26ºC, nível acima das emissões pré-industriais (1850-1900).

ESG (Environmental, social and governance)  – Sigla que, em português, significa investimento ambiental, social e de governança.  A solução é utilizada por empresas que buscam mercado sustentável e economia global mais justa.

G20 – É o grupo dos 19 países com as maiores economias do mundo e a União Europeia. O grupo se reúne para discutir a economia global, mudanças climáticas e o desenvolvimento sustentável.

A 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP26) começou hoje (31)  e vai até 12 de novembro, em Glasgow, na Escócia. O encontro deve reunir representantes de mais de 190 países, entre os quais, o Brasil.

*Com informações da ONU News e Agência Brasil.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 123279 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.