A voz da Liberdade | Por Luiz Holanda  

O Levante do Gueto de Varsóvia foi uma resistência polonesa ocorrida durante a 2ª Guerra Mundial contra as deportações de judeus para o campo de extermínio de Treblinka. A revolta popular contra os nazistas começou em 19 de abril de 1943 e foi esmagada pelas tropas de ocupação de Adolf Hitler quatro semanas depois, em 16 de maio.
O Levante do Gueto de Varsóvia foi uma resistência polonesa ocorrida durante a 2ª Guerra Mundial contra as deportações de judeus para o campo de extermínio de Treblinka. A revolta popular contra os nazistas começou em 19 de abril de 1943 e foi esmagada pelas tropas de ocupação de Adolf Hitler quatro semanas depois, em 16 de maio.

Há precisamente 77 anos, no dia 17 de janeiro, Varsóvia foi libertada da ocupação nazista. Um dos primeiros alvos da invasão alemã durante a Segunda Guerra mundial, a Polônia era um importante ponto de apoio das tropas nazistas contra a União Soviética. A libertação deu-se pelas tropas do Exército Vermelho, que iniciou uma marcha sobre a Europa oriental com apoio da resistência polonesa. A ocupação durou seis anos, de 1939 a 1945.

Um dos países que mais sofreu com a ocupação, a Polônia foi alvo dos piores crimes nazistas, além de ter sido o país onde se fixaram os maiores campos de extermínio do Terceiro Reich. As ruas de Varsóvia  fervilhavam de pessoas comemorando a libertação. Milhares de soldados foram condecorados com a medalha “Pela Libertação de Varsóvia”, em reconhecimento de suas heroicas façanhas contra os agressores.

Uma das vozes que anunciavam a libertação era a de Leonid  Sigan, colunista político e locutor da Rádio Internacional Soviética. Foi o primeiro locutor da estação de rádio da União de Patriotas Poloneses na URSS, tendo formado várias gerações de jornalistas internacionais, e até recentemente atuando e preparando materiais sobre acontecimentos e eventos da atualidade, como a OTAN e as relações da Polônia com a Ucrânia, quando veio a falecer aos 98 anos.

Correspondente e locutor da redação em língua russa e polonesa, transmitia diariamente o que ocorria na frente militar, exortando os poloneses a resistir à ocupação nazista oferecendo informações sobre os acontecimentos.  Foi ele quem redigiu a mensagem da libertação de Varsóvia em polonês. Tinha tanto orgulho dessa façanha que escreveu: “A mensagem da libertação de Varsóvia foi transmitida ao mundo inteiro por mim”.

Segundo ele, esta emissão foi um dos eventos mais marcantes de sua vida: “Tenho muito orgulho de ter tido a honra de informar aos ouvintes que devido aos nossos esforços, conseguimos esta grande vitória”.

Em depoimento dado a uma revista russa em 2016, Sigan afirmou que ele e seus companheiros eram necessários não só às pessoas, que permaneceram atrás da frente de combate, mas também aos que ficaram na linha de frente. “Nossas palavras eram de esperança, que viria a libertação e chegaria o    fim da ocupação e o fim das tragédias”, disse.

Em 1964 passou a dirigir a redação de uma emissora polonesa, atuando em transmissões de noticias internacionais. Trabalhou até maio de 2021. Sua voz sempre foi o anúncio de uma liberdade para a Polônia. Acreditava nela e a noticiava com entusiasmo.

A História registra que a Polônia fazia parte do espaço vital defendido por Hitler, e onde havia populações germânicas, localizadas nas regiões do antigo Império Prussiano.

Para alcançar esse objetivo, Hitler anexou a Áustria, em 1938, e logo em seguida os Sudetos (regiões da Tchecoslováquia) de população germânica.  Também fazia parte do plano de Hitler recuperar territórios que formavam o antigo império prussiano e que se tornaram a Polônia após a Primeira Guerra Mundial. Além disso, os territórios poloneses que separavam a Prússia Oriental do restante da Alemanha (corredor polonês) também integravam o espaço vital.

Em 1939 a Alemanha Nazista celebrou um acordo de não agressão com a União soviética que estipulava a divisão da Polônia entre as duas nações se o território polonês fosse invadido. E foi o que aconteceu: A Alemanha invadiu a Polônia a oeste e a União Soviética pelo leste, onde ocupou uma boa parte do seu território, Foi aí que aconteceu o massacre de Katyn, no qual 20.000 oficiais poloneses foram mortos pelo exército soviético. Nesse  ambiente Sigan viveu para anunciar a libertação da Polônia. Ele foi a voz da liberdade daquele povo massacrado durante a Segunda Guerra Mundial.  E ficou até os 96 anos, anunciando ainda a liberdade, que, até hoje, não veio totalmente; nem lá, nem cá.

*Luiz Holanda, advogado e professor universitário.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Luiz Holanda 396 Artigos
Luiz Holanda é advogado e professor universitário, possui especialização em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (SP); Comércio Exterior pela Faculdades Metropolitanas Unidas de São Paulo; Direito Comercial pela Universidade Católica de São Paulo; Comunicações Verbais pelo Instituto Melantonio de São Paulo; é professor de Direito Constitucional, Ciências Políticas, Direitos Humanos e Ética na Faculdade de Direito da UCSAL na Bahia; e é Conselheiro do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB/BA. Atuou como advogado dos Banco Safra E Econômico, presidiu a Transur, foi diretor comercial da Limpurb, superintendente da LBA na Bahia, superintendente parlamentar da Assembleia Legislativa da Bahia, e diretor administrativo da Sudic Bahia. E-mail para contato: lh3472@hotmail.com.