Regulamentação de criptomoedas pelos governos

Criptomoedas se destacam como opção de investimento em ativos virtuais negociados em Bolsa de Valores.
Criptomoedas se destacam como opção de investimento em ativos virtuais negociados em Bolsa de Valores.

As criptomoedas não se limitam às fronteiras normais dos países.  Então, qual é a complexidade da regulamentação das criptomoedas pelos estados, e é necessário fazê-la?

Porque o governo precisa de controle de criptomoedas

As criptomoedas são ativos virtuais e as novas queridinhas de investidores. Nos últimos meses, proprietários de criptomoedas viram os valores de seus ativos se multiplicarem grandiosamente, o Bitcoin preço é um exemplo.  Em razão disso, muitas pessoas estão entrando de cabeça no mercado de cripto-ativos.

Isso leva a uma avalanche de recursos destinados à aquisição de criptomoedas, assim como a criação de um novo mercado.  Empresas e entidades surgem todos os dias para suprir a demanda por serviços voltados ao mercado de cripto-ativos.

Nesse cenário, alguns golpistas se utilizam da falta de conhecimento e da pouca informação pública sobre criptomoedas para dar golpes.  Isso acaba afastando muitas pessoas do mercado de moedas criptografadas e gera prejuízos irrecuperáveis.

Além disso, muitos países, como os Estados Unidos, veem as criptomoedas como um risco para a hegemonia do dólar. É importante destacar que a moeda real exerce uma grande influência no controle do mercado internacional.  Perder esse poder, não está no plano de grandes nações como os EUA.

Os governos podem regular a criptomoeda?

Por conta disso, há um movimento mundial para que governos dos quatro cantos do mundo se comprometam a regularizar a operação de cripto-ativos.  Analistas do mercado estabelecem que a regularização do mercado de criptomoedas é uma questão de tempo.

Os governos de vários países, por meio de seus Bancos Centrais, vêm emitindo normas e decretos no sentido de regularizar o mercado de cripto-ativos . Países como Ucrânia e El Salvador passaram a autorizar o uso de Bitcoin como moeda corrente para pagamentos, assim como Cuba que vê nas criptomoedas uma  alternativa para fugir do bloqueio econômico americano.

No mais, países como Portugal e Brasil analisam projetos de leis que pretendem regular o mercado de cripto-ativos, estabelecendo regras para empresas que pretendam explorar esse  nicho. A questão tributária das criptomoedas também está em debate nestes países.

Métodos para regular a criptomoeda

As criptomoedas possuem, em sua essência, o fato de não serem rastreáveis, o que dificulta a regulamentação. As criptomoedas só existem no mundo virtual, onde inexistem fronteiras e aduanas.  Isso torna a pretensão de regulamentação das criptomoedas uma tarefa difícil para os governos locais.

Além disso, é importante destacar que a falta de regulamentação é o que torna as moedas digitais um grande atrativo para investidores. Moedas como o Bitcoin são altamente valorizadas porque não são rastreáveis e garantem a privacidade dos seus operadores.

Por conta disso, os governos estudam formas de regulamentar as criptomoedas sem afetar o principal ativo delas, a privacidade. É um debate que se encontra aberto e tudo pode acontecer. O mercado de cripto-ativos, claro, está de olho nos próximos passos do governo.

A desvalorização das criptomoedas é um forte indício de que os investidores não estão satisfeitos com as pretensões governamentais. Dessa forma, muitos países têm preferido regulamentar o mercado em torno das criptomoedas e não elas em si.

Qual é a utilidade para as autoridades

O principal argumento das autoridades que pretendem regulamentar o mercado de cripto-ativos é a segurança dos cidadãos. Segundo eles, um mercado sem regulamentação é um ambiente propício para golpes e fraudes, o que prejudicaria as pessoas, assim como o próprio mercado de criptomoedas.

Já analistas compreendem o movimento dos governos como uma forma deles manterem o controle sobre a economia de seus países. Uma vez que, com a chegada das criptomoedas, os estados perdem uma das suas principais funções, o controle monetário.

Dessa forma, políticas de controle do mercado de moedas criptografadas buscam garantir mais segurança aos investidores.  Ao mesmo tempo que, pretendem garantir a hegemonia da moeda real controlado pelos governos do mundo, em especial, Estados Unidos e China, grandes players econômicos.

Como a regulamentação afetará o mercado de criptomoedas

A regulamentação de cripto-ativos é vista com dualidade pelo mercado e investidores.  Ao passo que ela garante maior segurança à cadeia de operação, muitos temem que ao regulamentar as criptomoedas, os governos usem  esse poder para prejudicar os proprietários que prezam pela privacidade.

O que se sabe é que o mercado de cripto-ativos, portanto, será afetado diretamente pela regulamentação das criptomoedas.  Essas consequências podem ser positivas, se vierem no sentido de garantir mais segurança às operações. Como também podem ser negativas, caso o interesse dos governos seja o de manter a hegemonia das moedas nacionais.

Conclusão

Como toda novidade, o mercado de criptomoedas está no centro do debate das casas legislativas do mundo todo. Por se tratar de um mercado novo, a discussão acerca da sua regulamentação ainda está em fase inicial.  Tudo leva a crer que em algum momento as criptomoedas serão regulamentadas pelos governos. Basta saber quanto e quem serão os beneficiados por essa regulamentação.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 115066 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.