Namastreta: Um oferecimento do Santo Daime | Por Caroline Apple

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Eu venho da Floresta (Caroline Apple abraçada ao pé do Cipó Jagube)
Eu venho da Floresta (Caroline Apple abraçada ao pé do Cipó Jagube)

A jornalista Caroline Apple, neste singelo artigo, descreve como surgiu o seu site Namastreta – Autoconhecimento e Espiritualidade na Prática e o  programa de entrevistas no YouTube. No seu programa de sucesso, Carol Apple tem entrevistado grandes personalidades da vida pública brasileira.

Caroline Apple é repórter há mais de dez anos, período em que teve a oportunidade de passar por grandes veículos de comunicação, como os jornais Agora SP, Folha de S.Paulo e Diário de S.Paulo, além de portais como R7, da Rede Record, Terra, UOL e Vice. Há três anos entrou para a publicidade como editora de conteúdo digital em uma das maiores agência do mundo, a Ogilvy, em um projeto de Content Studio.

Fala Carol Apple:

Foi durante uma meditação em total desespero e prantos que ouvi uma voz dizendo: “Vai no daime”. Achei que, além de “perdida” na vida, eu estava enlouquecendo e começava a ouvir vozes.

Meu processo de despertar me catapultou para um universo que eu, até então, tinha apenas tateado de curiosidade e ignorado durante 15 anos, época em que neguei mais de uma vez conhecer o tradicional Céu de Maria, igreja famosa de Santo Daime, em São Paulo.

Naquela época, a doutrina só aparecia nas páginas policiais em casos polêmicos protagonizados por algum irmão perdido ou nas revistas científicas e de curiosidades que eu costumava ler. Nunca considerei realmente experimentar.

Mas esse momento se apresentou em meio a um processo profundo de tomada de consciência. Eu não aguentava mais viver como eu vivia: irritada, frustrada, bêbada, desconectada da natureza, distante de mim mesma, feliz por fora e profundamente triste por dentro e tantas outras coisas.

Mas, às vésperas de completar 33 anos, eu tomei a iniciativa de ir a uma irmandade com base na doutrina do Santo Daime. Fui ‘sozinha’, sem conhecer nada e nem ninguém. Meu desespero era tão grande que só me restava encarnar O Louco, do tarô, e me jogar em um precipício, sem medo, e cheia de ingenuidade, sem saber o que ia encontrar, porque eu sequer sabia o que estava procurando, mas com um sorriso de canto de boca, porque, aparentemente, não dava para piorar.

Foi tudo tão diferente de tudo que eu já havia vivido. E olha que eu não vivi pouco. Sempre tive uma vida bastante interessante e intensa perto da média das pessoas.

Sou jornalista desde os 20 anos. Trabalhei em alguns dos maiores veículos de comunicação do país. Fui repórter especializada na cobertura de política, cidades, polícia e economia popular. Cheguei a fazer cobertura internacional em Cuba, quando Fidel Castro morreu. Essas oportunidades e tantas outras na minha vida particular ajudaram a moldar uma pessoa com bastante experiência de vida, mesmo ainda jovem.

Mas o Santo Daime me desafiava. A metida a saber tudo, ali não sabia nada, mas sentia uma imensa vontade de dobrar os joelhos em sinal de total humildade perante aqueles ensinamentos que ali me eram apresentados.

E foi então que fiz dessa poderosa ferramenta meu instrumento de lapidação.

A ayahuasca e a irmandade passaram a ser minhas principais pontes até mim mesma. Mas meu dom estava ali, latente. Sou comunicadora e isso é indiscutível. Foi então que meu trabalho convencional foi perdendo o sentido. Eu não queria mais estar a serviço apenas de outros seres humanos, eu queria estar a serviço daquele mistério que eu me dava a oportunidade de acessar fortemente em casa sessão.

Foi então que peguei tudo que eu sempre fui e apenas mudei a rota. Toda minha potência, indignação, senso de justiça, inteligência, sagacidade, luta pelos Direitos Humanos, braveza, energia e bem pouca modéstia estavam agora a serviço desse mistério, inclusive todas as minhas sombras, como minha vaidade, meu ego inflado, minha arrogância… Juntei tudo isso com a disciplina e o amor que senti no Santo Daime e pari.

E assim nasceu o Namastreta – Autoconhecimento e Espiritualidade na Prática. É redundante mesmo falar em espiritualidade prática, mas senti ser necessário em meio às armadilhas das alegorias.

Um site e um programa de entrevistas no YouTube sobre esses universos, mas com temas atuais, muitas vezes polêmicos e espinhosos, mas que eu sentia na minha alma que eu precisava falar. Assumi meu papel de mensageira do Anjo Azul. Sou linha de frente. Fugir disso só me trouxe problema, por isso, aceitei o serviço com alegria.

Caroline Apple
Caroline Apple

Me revesti com a armadura de luz que é a fé e joguei meu projeto no mundo. Passei a usar minha imagem também como ferramenta para levar essa mensagem no meu perfil no Instagram.

Nem sempre gostam do que eu falo e como eu falo. Alguns acham desrespeitoso, mas eu gosto muito do humor como ferramenta de comunicação.

Mas eu sigo firme no meu propósito e compromisso que firmo todos os dias comigo e com o Mestre Irineu, que arrebatou o coração endurecido e machucado dessa peregrina aqui.

Hoje sei que a estrela de Juramidã está no meu peito desde o dia que eu cheguei naquela casa e entrei por aquela porta. Mas, em breve, estarei com ela materializada na minha farda, que aguarda pacientemente esse grande dia.

Hoje sei que a estrela de Juramidã está no meu peito desde o dia que eu cheguei naquela casa e entrei por aquela porta. Mas, em breve, estarei com ela materializada na minha farda, que aguarda pacientemente esse grande dia.
Hoje sei que a estrela de Juramidã está no meu peito desde o dia que eu cheguei naquela casa e entrei por aquela porta. Mas, em breve, estarei com ela materializada na minha farda, que aguarda pacientemente esse grande dia.

E assim eu considero um oferecimento do Santo Daime tudo que vem na minha vida desde o dia que consagrei o primeiro copo desta sagrada medicina e fui apresentada a essa Santa Doutrina, a qual me ajudou a florescer o ser divino que habita em mim. E o Namastreta é também filho desse poder.

Veja 2 episódios do programa Namastreta sobre Santo Daime e ayahuasca e visite o Portal:

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Juarez Duarte Bomfim 760 Artigos
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: juarezbomfim@uol.com.br.