Alemanha registra inflação mais alta dos últimos 28 anos

Vista da sede do Banco Central Europeu (BCE), em Frankfurt, Alemanha.
Vista da sede do Banco Central Europeu (BCE), em Frankfurt, Alemanha. Índice de inflação supera 4% pela primeira vez desde 1993 na Alemanha. Alta é puxada pelo aumento nos preços no fornecimento de energia, o que também gera preocupação em toda a Europa. Líderes da UE vão discutir meios de mitigar o problema. Economistas avaliam que tendência de alta da inflação na Alemanha deve ser fenômeno temporário.

A Alemanha registrou sua maior inflação em quase 28 anos. Os preços ao consumidor aumentaram em 4,1% em setembro, em comparação ao mesmo mês do ano anterior, segundo estimativas iniciais do Departamento Federal de Estatísticas (Destatis) divulgadas nesta quinta-feira (30/09/2021).

A última vez que a inflação passou de 4% na Alemanha foi em dezembro de 1993, quando atingiu 4,3%.

A nova alta é atribuída ao aumento nos preços do setor de energia, enquanto a recuperação global da pandemia de covid-19 gera uma demanda crescente por petróleo e outros combustíveis. Também contribuíram os aumentos significativos nos preços dos alimentos básicos.

Em setembro, os consumidores alemães pagaram 14,3% a mais pelo fornecimento de energia doméstica e combustíveis do que há um ano.

A remoção temporária do Imposto sobre Valor Agregado (IVA) para estimular a demanda durante a pandemia, também está por trás da alta da inflação. O IVA voltou a ser cobrado em janeiro deste ano, o que fez com que bens e serviços ficassem mais caros.

Não está descartada uma alta da inflação de em torno de 5% ainda este ano. Entretanto, economistas avaliam que a tendência de alta deve ser um fenômeno temporário.

Nesta semana, a presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, afirmou que “o desafio principal é não reagirmos com exagero aos choques temporários no abastecimento que não têm sustentação no médio prazo, ao mesmo tempo em que alimentamos as forças de demanda positivas, capazes de reduzir de modo durável a inflação até a nossa meta de 2%”.

Inflação preocupa toda a Europa

Os lideres da União Europeia (UE) se reunirão em três semanas para discutir a alta nos preços da energia, e maneiras de mitigar o impacto sobre os consumidores. O tema foi incluído na pauta da cúpula dos líderes europeus, marcada para 21 e 22 de outubro.

O porta-voz do Conselho Europeu, Barend Leyts, disse que, embora esta seja uma questão com a qual os países do bloco devem lidar individualmente, a UE quer discutir formas de contribuir para solucionar o problema também de modo coletivo.

A alta nos preços da energia, exacerbada por um aumento triplicado na demanda por gás natural, afeta todo o continente e eleva os temores de alta na inflação, enquanto a economia europeia demonstra uma recuperação econômica robusta após os estragos gerados pela pandemia.

A inflação ameaça ainda os esforços para uma redução significativa das emissões de CO2 na Europa, algo que inclui uma transformação profunda em vários setores da economia, com custos altos para os cidadãos.

Alguns membros do Parlamento Europeu acusam a Rússia de manipular os preços do gás, no intuito de forçar a Alemanha a acelerar a ativação do gasoduto Nord Stream 2, cuja construção foi finalizada recentemente.

Uma prova disso seria o fato de a gigante russa do setor de energia Gazprom ter permitido que suas reservas de gás na Europa tenham se reduzido a níveis extremamente baixos.

A UE avalia medidas de curto prazo, como reduções no IVA e isenções energéticas, de modo a proteger seus planos de médio e longo prazo de aumentar suas fontes de energias renováveis e melhorar a eficiência energética.

*Com informações do DW.

Sobre Carlos Augusto 9705 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).