Especialistas destacam legado de Paulo Freire no centenário de nascimento do educador

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Marília Arraes: críticos não conhecem obra de Paulo Freire.
Marília Arraes: críticos não conhecem obra de Paulo Freire.

O centenário do educador Paulo Freire foi lembrado em seminário promovido pelas comissões de Legislação Participativa; de Cultura; de Direitos Humanos e Minorias; e de Educação da Câmara dos Deputados na segunda-feira (20/09/021). Patrono da Educação Brasileira, pela lei 12.612/12, Paulo Freire é reconhecido mundialmente, sendo nomeado doutor por várias universidades estrangeiras.

Os deputados que participaram do evento citaram obras de Freire como “Pedagogia do Oprimido”, que parte da conscientização dos estudantes e dos professores sobre a realidade em que eles estão inseridos.

A deputada Marília Arraes (PT-PE), uma das autoras do requerimento para o seminário, lembrou que o educador é alvo hoje de ataques de alguns grupos que, segundo ela, não o conhecem. “Primeiro, porque não leram Paulo Freire. Isso é óbvio, porque eles não leem. E, segundo, porque, se leram Paulo Freire, eles têm uma objeção muito grande à meta dele de transformar o Brasil numa nação. Tudo o que querem destruir hoje”, disse.

Paulo Freire participou da elaboração de um Plano Nacional de Alfabetização para o governo João Goulart, que não chegou a sair do papel porque o regime militar veio em seguida, em 1964, e o educador teve que ficar 15 anos fora do País. De volta ao Brasil, Freire iniciou trabalho como secretário de Educação da Prefeitura de São Paulo, em 1989, no governo de Luiza Erundina, hoje deputada federal pelo Psol.

Paulo Freire morreu em 1997 aos 75 anos. A viúva do educador, Nita Freire, disse que o marido era uma “alma generosa”. “Paulo tomava a experiência, a vivência, porque ele nunca trabalhou ideias, Paulo trabalhou a vida das pessoas, a sua própria vida”, declarou.

Lisete Arelaro, doutora em Educação, trabalhou com Paulo Freire em São Paulo e destacou a importância da gestão democrática da educação para ele. “Uma das primeiras atividades que Paulo Freire teve foi criar um pequeno vídeo chamado ‘aceita um conselho?’. Tinha aquele sentido dúbio sobre ao mesmo tempo dar um conselho e criar um conselho na escola de caráter deliberativo. Para que, de forma inovadora, pais, mães, avós, comunidade pudessem participar de uma forma mais interessante, mais ativa, mais construtiva na escola”, contou.

Projetos

Três projetos em tramitação na Câmara revogam a lei que nomeou Paulo Freire patrono da Educação brasileira (PL 1930/19 e apensados). O deputado Heitor Freire (PSL-CE), autor de um dos projetos, argumenta que as ideias do educador são responsáveis pelo mau desempenho da educação nacional.

A deputada Luiza Erundina (Psol-SP), autora do projeto que deu origem à lei que tornou Freire patrono da Educação, disse que a revogação do título significaria um novo exílio para Paulo Freire. “Transformaremos, pois, todos os atos de celebração do centenário para manifestar nossa profunda indignação e gritar a plenos pulmões: Paulo Freire vive e será sempre o patrono da educação brasileira.”

Paulo Freire ganhou vários prêmios, entre eles o de Educação para a Paz, título dado em 1986 pela Unesco. Segundo Nita Freire, ela foi comunicada de pelo menos 80 eventos no Brasil em celebração ao centenário. Ela deixou o seminário da Câmara mais cedo para participar virtualmente de mais uma homenagem na Universidade de Barcelona, na Espanha.

*Com informações da Agência Câmara.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113882 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]