República Conflagrada: Governadores vão promover diálogo entre os Três Poderes com a finalidade de superar crise entre presidente Jair Bolsonaro e ministros do STF

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Crise política afeta equilíbrio entre os Poderes da República.
Na tentativa de apaziguar tensão entre Poderes, Fórum de Governadores solicita encontro com Bolsonaro e chefes do Legislativo e do Judiciário. "Guerra entre autoridades" afasta investidores e mina empregos, argumentam. Além de Bolsonaro (esq.) e do presidente da Câmara, Arthur Lira (dir.), foram convidados para encontro com governadores os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco, e do STF, Luiz Fux.

O Fórum Nacional de Governadores encaminhou na noite desta segunda-feira (23/08/2021) pedidos para uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro e os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL); do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG); e do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux.

O objetivo do encontro seria diminuir a tensão entre os Três Poderes e “identificar e pautar pontos convergentes e estratégias visando salvaguardar a paz social, a democracia e o bem-estar socioeconômico da população brasileira”, diz o documento assinado por Ibaneis Rocha (MDB), governador do Distrito Federal e coordenador do Fórum.

“Todos [os governadores] têm ideias muito boas, todos querem ajudar o Brasil. Acho que o momento que o país passa é um momento muito ruim. Quando aparece alguém que quer fornecer ponte nesse momento, em vez de implodir as pontes, pode ser uma saída para restabelecer o ambiente”, afirmou Rocha.

O requerimento foi encaminhado após reunião nesta segunda entre os governadores de 24 estados e do Distrito Federal. Não participaram apenas os chefes dos Executivos estaduais do Amazonas, Wilson Lima (PSC), e do Tocantins, Mauro Carlesse (PSL).

“A defesa unânime dos governadores é da defesa da democracia, do respeito à Constituição e à lei”, disse o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), citado pela imprensa.

“O objetivo é demonstrar a importância de o Brasil ter um ambiente de paz, de serenidade onde possamos garantir a forma de valorização da democracia, mas principalmente criar um ambiente de confiança que permita atração de investimentos, geração de empregos e renda”, prosseguiu Dias. “O país, nessa situação, está fazendo investidores colocarem pé atrás, quando o que se precisa é gerar empregos. O Brasil não pode ficar nessa guerra entre autoridades.”

Na reunião do Fórum, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), alertou para o risco de infiltração de bolsonaristas nas Polícias Militares estaduais. “Aqui nós temos a inteligência da Polícia Civil, que indica claramente o crescimento desse movimento autoritário para criar limitações e restrições, com emparedamento de governadores e prefeitos”, afirmou.

A ameaça de indisciplina nas PMs e de uma tentativa de golpe somou-se ao clima de tensão entre os Poderes para fazer soar o alerta entre os governadores. Espera-se que o encontro entre os representantes estaduais e os chefes do Executivo, Legislativo e Judiciário ocorra antes de 7 de Setembro, Dia da Independência. Bolsonaro anunciou que participará de atos pró-governo marcados para a data em São Paulo e Brasília.

Alegando que o sistema eleitoral atual é passível de fraude, o presidente insiste na defesa do voto impresso para mobilizar sua base, mesmo após a proposta ter sido rejeitada pela Câmara e após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ressaltar repetidas vezes que a urna eletrônica é segura e auditável.

Bolsonaro na mira do TSE e do STF

A reunião entre os Poderes foi solicitada pelos governadores três dias após Bolsonaro enviar ao Senado um pedido de impeachment do ministro do STF Alexandre de Moraes. A iniciativa de Bolsonaro foi deflagrada após o Supremo e o TSE tomarem decisões que tentam limitar suas investidas contra as eleições de 2022 e instituições democráticas.

A ação do Judiciário ganhou força a partir de 2 de agosto, quando o TSE autorizou a abertura de um inquérito administrativo, na esfera eleitoral, para apurar se Bolsonaro cometeu crimes aos fazer “relatos e declarações sem comprovação de fraudes no sistema eletrônico de votação com potenciais ataques à democracia”.

No mesmo dia, a Corte eleitoral enviou ao Supremo uma notícia-crime contra Bolsonaro pelo conteúdo de uma live na qual ele difundiu teorias e informações falsas sobre fraudes no sistema eleitoral. Reagindo ao pedido do TSE, Moraes incluiu em 4 de agosto Bolsonaro como investigado no inquérito sobre fake news e atos antidemocráticos, que já tramita na Corte sob sua relatoria.

Em 9 de agosto, o TSE enviou uma nova notícia-crime ao Supremo, solicitando a apuração de suposto crime de Bolsonaro na divulgação, em suas redes sociais, de informações confidenciais de um inquérito da Polícia Federal que apura a invasão de um hacker ao sistema interno da Corte. Novamente, Moraes aceitou a notícia-crime e determinou a abertura de uma nova investigação contra o presidente.

Em 13 de agosto, Moraes autorizou a prisão preventiva do ex-deputado Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB e aliado de Bolsonaro, no âmbito de um inquérito que apura a atuação de milícias digitais, por fazer parte do “núcleo político” de uma organização criminosa digital que visa “desestabilizar as instituições republicanas”.

Nesta sexta, Moraes também autorizou, a pedido do Ministério Público, uma ação da Polícia Federal contra o cantor Sérgio Reis, o deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ) e de outros oito bolsonaristas investigados por incitar atos contra a democracia e o Estado de direito.

*Com informações DW.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113627 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]