Depois de sucesso na Islândia, semana de 4 dias de trabalho inspira países da Europa

Reiquiavique, capital da Islândia.
Reiquiavique, capital da Islândia.

Uma experiência de sucesso na Islândia reacendeu as esperanças dos entusiastas da redução da jornada de trabalho pela Europa. Em países como Alemanha, França, Espanha e até no Reino Unido, a ideia de passar para quatro dias de trabalho por semana ganha adeptos, na esteira das reflexões geradas pela pandemia de coronavírus sobre o futuro da organização laboral.

Durante quatro anos, o pequeno país nórdico promoveu um teste em 1% da população, que cortou um dia útil de trabalho na semana, sem redução de salário. Resultado: funcionários igualmente produtivos, mas mais satisfeitos e motivados com o trabalho, além de menos estressados.

“É inegável e todos os trabalhos acadêmicos demonstram que há uma correlação positiva entre satisfação e produtividade”, comenta o economista Erwann Tison, diretor de pesquisas do think tank Institut Sapiens, em entrevista à RFI Brasil. “Temos experiências emergindo de todos os lados no mercado de trabalho, afinal temos a tecnologia e a vontade, sobretudo, de trabalhar de outro jeito. Mas também teremos que cuidar para que a experiência não acabe em algo completamente maluco como trabalhar quatro dias, de modo remoto, do outro lado do mundo.”

Chefes de fora

O teste na Islândia, promovido pela prefeitura da capital Reykjavik, o governo islandês e dois think tanks (Association for democracy and sustainability e Autonomy), levou 2,5 mil pessoas a trabalharem 35 horas por semana, em apenas quatro dias. O teste se concentrou no setor de serviços e envolveu funcionários públicos, privados, em escolas e em hospitais. Modificações foram implementadas para melhorar a produtividade, como diminuir a duração de reuniões e cortar tarefas que se revelaram inúteis. Os empregos industriais, que tenderiam a ficar mais cansativos com o novo esquema, ficaram de fora.

Para os participantes, o balanço foi amplamente positivo, em especial quanto ao melhor equilíbrio entre a vida profissional e pessoal. Com três dias de descanso, as pessoas passaram a se dedicar mais aos hobbies, à família e atividades sociais, enquanto nos quatro restantes se empenharam mais no trabalho.

Por outro lado, os dirigentes e ocupantes de postos de maior responsabilidade tiveram mais dificuldade em se adaptar ou abandonaram a nova organização – a carga de trabalho deles não cabia em apenas 35 horas semanais. Outros, simplesmente preferiram continuar diluindo as tarefas em mais dias na semana.

“Não acho que essa medida deveria passar pela lei, em nível nacional. Ela deve ser resultado de uma negociação entre uma empresa e seus funcionários, afinal os casos são todos diferentes, de acordo com o setor, com a empresa e a vida das pessoas”, avalia Tison. “Sem contar que país nenhum poderia paralisar setores da economia por um dia inteiro.”

Ventos da flexibilização pela Europa

De que maneira a experiência islandesa poderá inspirar outros países? Na França, partidos de esquerda e os ecologistas prometem trazer a questão à tona já nas eleições presidenciais do ano que vem.

Os franceses já têm experiência no ramo: há 23 anos, o país adotou o regime de 35 horas semanais, com o objetivo de abrir mais vagas de empregos. Entretanto, na prática, um trabalhador francês trabalha 39 horas por semana e, segundo o Insee (Instituto Nacional de Estatísticas e Estudos Econômicos), a medida gerou cerca de 350 mil empregos apenas – distante do objetivo de 2 milhões de vagas, esperadas pelos socialistas idealizadores do projeto.

Para o economista Erwann Tison, a ampliação desse esquema traria riscos à economia como um todo. “Haveria um risco grande de isso se tornar um problema. Os franceses estão entre os trabalhadores mais produtivos do mundo e é graças a isso que garantimos o funcionamento da nossa economia, que geramos o crescimento necessário para a abertura de novos empregos, que financiamos a nossa proteção social e os gastos públicos”, explica. “Diminuir o tempo de trabalho para quatro dias poderia amputar drasticamente o nosso PIB e o nosso crescimento”, analisa.

O governo do presidente Emmanuel Macron parece concordar: avalia que o país sofre para empregar a mão de obra menos qualificada e a semana de 32 horas acentuaria o problema.

Influência da crise sanitária

Os ventos da redução da jornada também sopram na Alemanha, onde uma medida semelhante foi adotada no auge da pandemia para evitar mais desemprego e a reflexão sobre a perenidade da semana reduzida se instalou. A crise sanitária exerce uma influência de peso no debate, depois da implementação em massa do trabalho remoto.

Na Espanha, o partido Mas Pais vai lançar, nos próximos meses, um projeto parecido com o islandês, com 3 a 6 mil trabalhadores espanhóis a 32 horas por semana, durante três anos. Cerca de 200 empresas do país participarão da iniciativa. Já na Grã-Bretanha, um grupo de 40 deputados solicitou ao governo a criação de uma comissão para analisar essa possibilidade.

“Não acho que seja uma utopia e o exemplo islandês é uma amostra. É possível realizar em qualquer lugar”, afirma Tison. “A questão que está por trás dessa semana de quatro dias é interessante, porque há décadas registramos uma queda do tempo de trabalho, graças às tecnologias. Mas queremos chegar a trabalhar só algumas horas por dia? Afinal, é também pelo trabalho que nos realizamos, que temos outras interações sociais e que conseguimos nos emancipar”, observa o diretor de pesquisas do Institut Sapiens.

*Com informações da RFI.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 115028 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.