Brasil encerra Jogos Olímpicos de Tóquio com melhor desempenho de todos os tempos; Quatro baianos ganharam medalha de ouro

Atletas Ana Marcela Cunha, maratona aquática Hebert Conceição, do boxe; Isaquias Queiroz, da canoagem de velocidade; e Daniel Alves, como membro da seleção de futebol ganham medalha de ouro durante os Jogos Olímpicos de Tóquio.
Atletas Ana Marcela Cunha, maratona aquática Hebert Conceição, do boxe; Isaquias Queiroz, da canoagem de velocidade; e Daniel Alves, como membro da seleção de futebol ganham medalha de ouro durante os Jogos Olímpicos de Tóquio.

O Brasil encerrou neste domingo (08/08/2021) a participação em Tóquio com o maior número de pódios de sua história em Jogos Olímpicos e mantendo o recorde de sete medalhas de ouro.

No total, foram 21 pódios, dois a mais do que no Rio, em 2016, mas com uma delegação muito menor: na edição passada, o Brasil contou com a participação de 465 atletas e, em Tóquio, com 301.

Porém esta foi a equipe mais numerosa a representar o Brasil numa edição dos Jogos Olímpicos fora do país. Até então, a maior delegação no exterior fora em Londres 2012, com 257 atletas. Além do recorde de medalhas, foi também o ano com pódios no maior número de esportes diferentes, 13 no total – no Rio, haviam sido 12 modalidades diferentes.

A campanha brasileira foi impulsionada por dois novos esportes. Na estreia do skate em Jogos Olímpicos, foram três pratas para o Brasil – Kelvin Hoefler e Rayssa Leal no skate street e Pedro Barros no skate Park. Já o surfe teve como primeiro campeão olímpico da história o brasileiro Ítalo Ferreira.

No geral, o país acabou em 12º lugar no quadro de medalhas em Tóquio. O que, de certa forma, foi uma decepção, pois se esperavam pelo menos mais dois ouros no último dia das competições.

Mulheres foram destaque

Os Jogos de Tóquio foram especiais para as mulheres brasileiras, que conquistaram vários feitos. Rebeca Andrade fez história ao levar a primeira medalha da ginástica artística feminina em Jogos Olímpicos, com a prata na categoria individual geral. Após o ouro no salto, conquistado dias depois, ela se tornou a primeira mulher brasileira a receber duas medalhas em uma mesma edição de Jogos Olímpicos. Ela foi escolhida para ser a porta-bandeira do Brasil na cerimônia de encerramento dos Jogos de Tóquio, neste domingo.

Rayssa Leal, de apenas 13 anos foi a atleta brasileira mais jovem a conquistar uma medalha olímpica para o Brasil.

Outra brasileira que fez história foi Mayra Aguiar. Com o bronze no Judô, ela foi a primeira mulher brasileira a conquistar uma medalha em três edições diferentes de Jogos Olímpicos – ela já havia levado o bronze em Londres e no Rio.

Luisa Stefani e Laura Pigossi também conquistaram uma medalha inédita para o Brasil no tênis, ao levarem para casa o bronze – nunca antes um brasileiro havia subido ao pódio nessa modalidade.

Outro feito foi o de Ana Marcela Cunha, que conquistou o ouro inédito para o Brasil na maratona aquática – antes o Brasil havia conquistado o bronze com Poliana Okimoto, no Rio.

Martine Grael e Kahena Kunze entraram para o exclusivíssimo hall de brasileiros bicampeões olímpicos, ao conquistarem o ouro na classe 49erFX da vela – feito que elas já haviam conseguido no Rio, em 2016.

Foi a 19ª medalha na vela para o Brasil e a oitava de ouro – a modalidade mais dourada do Brasil em Jogos Olímpicos.

Aliás, a família Grael sozinha, com nove pódios em Jogos Olímpicos, soma mais medalhas do que a maioria dos países em toda sua história, como Israel, Sérvia e Peru. Em Jogos passados, o pai de Martine, Torben Grael, conquistou cinco medalhas olímpicas e o tio, Lars Grael, outras 2.

Isaquias dedica ouro a familiares de vítimas da covid-19

Isaquias Queiroz carimbou em Tóquio seu passaporte para a galeria dos maiores atletas olímpicos da história do Brasil. Neste sábado, ele conquistou sua quarta medalha olímpica, ao levar o ouro na prova C1 1000m. No Rio, ele havia levado a prata na categoria C1 1000 e na categoria C2 1000 e o bronze na categoria C1 200.

O feito coloca Isaquias ao lado de nomes como Serginho, do vôlei, e Gustavo Borges, da natação, com quatro pódios, e atrás apenas dos velejadores Torben Grael e Robert Scheidt, com cinco pódios cada um.

“Dedico muito a cada uma das famílias que perderam um ente querido para a Covid-19”, disse Isaquias ao canal SporTV após conquistar a medalha.

O boxe fez sua melhor campanha em Jogos Olímpicos e faturou três medalhas – no total, em todas as edições, são oito. Herbert Conceição levou o ouro na categoria até 75kg, Bia Ferreira a prata na categoria até 60kg e Abner Teixeira o bronze, na categoria até 91kg.

No atletismo, Alison dos Santos recolocou o Brasil num pódio de prova individual depois de 33 anos. O velocista de 21 anos foi bronze nos 400 metros com barreiras em sua estreia em Jogos Olímpicos.

*Com informações do DW.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 116923 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.