Movimentos sociais de Feira de Santana e sindicatos protestam contra governo do extremista Jair Bolsonaro; Denúncia de corrupção mobiliza populares

Cartaz anuncia protesto em Feira de Santana contra o governo do extremista Jair Bolsonaro. Mobilização ocorre neste sábado (03/07/2021).
Cartaz anuncia protesto em Feira de Santana contra o governo do extremista Jair Bolsonaro. Mobilização ocorre neste sábado (03/07/2021).

Um novo ato público contra o governo de Jair Bolsonaro e Mourão será realizado neste sábado (03/07/2021), com concentração às 9h, em frente à Prefeitura Municipal. O envolvimento de Bolsonaro em grave escândalo de corrupção na negociação para a compra das vacinas contra a Covid-19 forçou os militantes de todo o país, que integram a Campanha Fora Bolsonaro, a acrescentarem mais uma atividade ao calendário nacional de mobilização. No município, o protesto é coordenado pelo Coletivo de Entidades de Feira de Santana em Defesa do Fora Bolsonaro. A diretoria da Associação dos Docentes da Universidade Estadual de Feira de Santana (Adufs) integra o grupo local.

Empenhada na organização e operacionalização do ato público a ser realizado no município, os organizadores montaram diversas comissões, entre elas a de segurança sanitária. Novamente, permanece a recomendação da comissão para o uso de máscara, álcool em gel e manutenção do distanciamento social. As orientações foram amplamente divulgadas para a população através da circulação de carro de som nos bairros e redes sociais.

Os manifestantes reivindicam a defesa do Sistema Único de Saúde (SUS); vacinação célere e gratuita para todos; pagamento do auxílio emergencial com valor mínimo de R$ 600 até o fim da pandemia; defesa dos serviços públicos, além de pautas específicas das diversas categorias que compõem o protesto, como posicionarem-se contrariamente aos sucessivos cortes de investimento na educação; a Reforma Administrativa; as privatizações; mais a luta contra o racismo e genocídio do povo negro e indígena. Este é o terceiro ato contra o governo federal, os anteriores ocorreram em 29 de maio e 19 de junho.

“Muitos são os desafios postos à classe trabalhadora frente à conjuntura do país. A grave crise política decorrente da crise econômica do capitalismo e de seus ataques aos direitos sociais e trabalhistas exige respostas dos trabalhadores. Essas respostas vêm das mobilizações nas ruas. Na luta, construímos uma frente única classista anticapitalista e um projeto para uma sociedade verdadeiramente justa e igualitária. Por isso, o diálogo precisa ser contínuo e agregador para que a classe trabalhadora como um todo se junte a nós pelo Fora Bolsonaro e Mourão”, pontuou Elson Moura, diretor da Adufs.

O Coletivo de Entidades de Feira de Santana em Defesa do Fora Bolsonaro é composto por movimentos sociais e sindicais, partidos políticos e representações estudantis.

“Superpedido” de impeachment

Jair Bolsonaro é alvo de um “superpedido” por sua saída do cargo. O documento foi encaminhado à Câmara dos Deputados na última quarta-feira (30), com o objetivo de pressionar o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), para que abra imediatamente o processo. O presidente é recordista de pedidos de impeachment.

O “superpedido” contém mais de 100 denúncias e imputa a Bolsonaro 23 crimes previstos na lei 1.079/50, conhecida como Lei do Impeachment. Entre eles, cometer ato de hostilidade contra nação estrangeira, tentar dissolver o Congresso Nacional, atrapalhar investigações, violar o direito à vida dos cidadãos na pandemia, incitar militares à desobediência à lei e não se posicionar contra subordinados que agem ilegalmente.

O “superpedido” foi organizado pela Campanha Fora Bolsonaro, que reúne partidos políticos, movimentos sindicais e sociais de todo o país. O Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN), ao qual a Adufs é filiada, também integra o grupo.

Sobre Carlos Augusto 9719 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).