PT da Bahia lamenta triste marca de meio milhão de mortos pela Covid -19

Número de 500 mil vidas perdidas foi atingido no dia em que milhares de baianos foram às ruas protestar contra o Governo Bolsonaro.
Número de 500 mil vidas perdidas foi atingido no dia em que milhares de baianos foram às ruas protestar contra o Governo Bolsonaro.

Em nota enviada neste sábado (19/06/2021) ao Jornal Grande Bahia (JGB), o Partido dos Trabalhadores da Bahia (PT-BA) lamentou a “triste marca de meio milhão de vidas perdidas pela Covid-19 no Brasil. “O país atinge essa lamentável resultado no dia em que os brasileiros vão às ruas protestar contra o governo Jair Bolsonaro, responsável pela maior crise sanitária da história do Brasil”, afirma.

Na Bahia, os protestos contra o Desgoverno Bolsonaro foram realizados em mais de 40 cidades de todas as regiões do estado, como Salvador, Lauro de Freitas, Vitória da Conquista, Jacobina, Ilhéus, Juazeiro, Camaçari, Feira de Santana, dentre outras. Os manifestantes seguiram todos os protocolos de segurança, a exemplo do uso do álcool em gel e de máscaras para protestar contra a crise sanitária.

Na avaliação do PT, muitas dessas mortes poderiam ter sido evitadas se o Brasil tivesse um  governo comprometido com a vida, com o país, com os brasileiros. Mas ao invés disso, o presidente atua como principal aliado do vírus, fazendo lobby para uso de medicamentos ineficazes contra a Covid, negligenciando a vacina e incentivando as pessoas a não usarem máscara.

“Quinhentos mil não são apenas números, são 500 mil vidas perdidas. Foram crianças, jovens e idosos que tiveram suas vidas abreviadas quando poderiam ter sido salvas. Foram pessoas que perderam seus pais, mães que deram adeus a seus filhos e tantas outras que perderam um amigo, um grande amor”, lamenta o presidente do PT Bahia, Éden Valadares.

“O Partido manifesta imenso pesar às vítimas da Covid no Brasil e toda solidariedade às suas famílias.”, conclui.

Sobre Carlos Augusto 9706 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).