Cerca de 275 milhões de pessoas consumiram drogas ilícitas em 2020

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Entre 2010 e 2019, o número de pessoas que usam drogas aumentou 22%, devido em parte ao crescimento da população global. Brasil, Guiné-Bissau, Portugal e Moçambique são mencionados no Relatório Mundial sobre Drogas 2021. Estudo mostra que efeitos da pandemia aumentam riscos de consumo. Jovens estão subestimando perigos da maconha. Cerca de 5,5% da população entre 15 e 64 anos usou drogas pelo menos uma vez no último ano.
Entre 2010 e 2019, o número de pessoas que usam drogas aumentou 22%, devido em parte ao crescimento da população global. Brasil, Guiné-Bissau, Portugal e Moçambique são mencionados no Relatório Mundial sobre Drogas 2021. Estudo mostra que efeitos da pandemia aumentam riscos de consumo. Jovens estão subestimando perigos da maconha. Cerca de 5,5% da população entre 15 e 64 anos usou drogas pelo menos uma vez no último ano.

Cerca de 275 milhões de pessoas usaram drogas em todo o mundo no ano passado, enquanto mais de 36 milhões de pessoas sofreram de transtornos devido ao ato.

A conclusão faz parte do Relatório Mundial sobre Drogas 2021, divulgado esta quinta-feira pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, Unodc.

Brasil

Vários países de língua portuguesa são destacados no relatório.

As maiores quantidades de maconha apreendidas em 2019, por exemplo, foram relatadas pelos Estados Unidos, seguido por Paraguai, Colômbia, Índia, Nigéria e Brasil. Dos 10 países em todo o mundo que relataram a apreensão das maiores quantidades de erva cannabis, sete são das Américas.

O Brasil também surge na lista de países com maiores quantidades de produtos do tipo cocaína interceptados em 2019, em terceiro lugar, depois da Colômbia e Estados Unidos.

O relatório informa que “aparentemente o principal país de saída dos embarques para a África seria o Brasil, possivelmente devido à sua infraestrutura comercial e ligações linguísticas com alguns países africanos.”

Durante o período de 2015 a 2019, o Brasil foi o país mais frequentemente relatado pelas nações africanas, como país de origem, saída ou trânsito de remessas de cocaína, respondendo por 47% de todos esses relatos.

Guiné-Bissau, Portugal e Moçambique

A pesquisa destaca ainda a apreensão, em março de 2019, de 0,8 tonelada de droga na Guiné-Bissau. A substância foi encontrada no fundo falso de um caminhão carregado com peixe congelado e tinha como destino, aparentemente, países do Sahel, do norte da África e da Europa.

A pesquisa relata um “desenvolvimento preocupante” em alguns países europeus, como Bélgica, França, Irlanda, Espanha e Portugal. No início de 2021, essas nações relataram que o uso e disponibilidade de “crack”, uma forma mais barata da cocaína, parecia ter aumentado em 2020. Relatos semelhantes mostram que a venda da heroína, do “crack” e dos benzodiazepínicos é feita em unidades menores e mais baratas.

Segundo o Unodc, isso “que pode ser uma indicação de que os vendedores estão se adaptando aos recursos financeiros reduzidos de pessoas que usam drogas durante a pandemia.”

O tráfico destas substâncias também parece ter continuado em Moçambique após a primeira fase do bloqueio de 2020.

Apreensões

Logo após o país ter diminuído seu nível de alerta em setembro do ano passado, 214 suspeitos nacionais e estrangeiros que, alegadamente, contrabandeavam heroína rotineiramente através da fronteira com a Tanzânia foram presos.

Um mês depois, numa das maiores apreensões de drogas alguma vez registadas em Moçambique, foram apreendidos 158 kg de heroína e 185 kg de “crack”.

Segundo a pesquisa, nos últimos 24 anos a potência da cannabis aumentou em até quatro vezes em partes do mundo. Ao mesmo tempo, a porcentagem de adolescentes que consideravam a droga prejudicial caiu em até 40%.

A agência da ONU destaca que isso aconteceu “apesar das evidências de que uso de cannabis está associado a uma variedade de danos à saúde e outros, especialmente entre usuários regulares de longo prazo.”

Riscos

Em comunicado, a diretora executiva do Unodc, Ghada Waly, disse que “a menor percepção dos riscos do uso de drogas tem sido associada a taxas mais altas de consumo.” Segundo ela, a pesquisa destaca “a necessidade de fechar a lacuna entre a percepção e a realidade para educar os jovens e proteger a saúde pública.”

Esse ano, o tema do Dia Internacional contra o Abuso de Drogas e o Tráfico Ilícito, marcado em 26 de junho, é “Compartilhe fatos sobre as drogas. Salve vidas”.

Waly diz que o objetivo é “aumentar a conscientização pública, para que a comunidade internacional, governos, sociedade civil, famílias e jovens possam tomar decisões informadas, direcionar melhor os esforços para prevenir e tratar o uso de drogas e combater as drogas no mundo desafios.”

Maconha

De acordo com o Relatório, a porcentagem de THC, o principal componente psicoativo da cannabis, aumentou de cerca de 6% para mais de 11% na Europa entre 2002 e 2019. Nos Estados Unidos, passou de cerca de 4% para 16% entre 1995-2019.

Ao mesmo tempo, a porcentagem de adolescentes que consideravam a cannabis prejudicial diminuiu 40% nos Estados Unidos e 25% na Europa.

Além disso, a maioria dos países relatou um aumento no uso de cannabis durante a pandemia. Em pesquisas com profissionais de saúde em 77 países, 42% afirmaram que o consumo de cannabis aumentou. Um aumento no uso para fins não medicinais de fármacos também foi observado no mesmo período.

Tratamento

Entre 2010 e 2019, o número de pessoas que usam drogas aumentou 22%, devido em parte ao crescimento da população global.

Com base apenas nas mudanças demográficas, as projeções atuais sugerem um aumento de 11% no número de pessoas que usam drogas globalmente até 2030. África, devido ao seu rápido crescimento e população jovem, deve ter um aumento acentuado de 40%.

De acordo com as últimas estimativas globais, cerca de 5,5% da população com idade entre 15 e 64 anos usou drogas pelo menos uma vez no ano passado. Cerca de 36,3 milhões de pessoas, ou 13% do número total de pessoas que consomem estas substâncias, sofrem de transtornos devido a isso.

Opióides

Globalmente, estima-se que mais de 11 milhões de pessoas injetem drogas, metade das quais vive com hepatite C. Os opioides continuam sendo responsáveis ​​pela maior carga de doenças atribuídas ao uso de drogas.

Os dois opioides farmacêuticos mais usados ​​para tratar pessoas com transtornos por consumo de opioides, metadona e buprenorfina, tornaram-se cada vez mais acessíveis nas últimas duas décadas.

A quantidade disponível para uso médico aumentou seis vezes desde 1999, de 557 milhões de doses diárias para 3.317 milhões em 2019, mostrando que o tratamento está mais disponível do que no passado.

Internet

Os mercados de drogas na chamada “dark web” surgiram há apenas uma década, mas já valem pelo menos US$ 315 milhões em vendas anuais.

Embora esta seja apenas uma fração das vendas gerais de medicamentos, a tendência é de alta, tendo aumento quatro vezes entre 2011 a meados de 2017 e meados de 2017 a 2020.

O Unodc conta que a rápida inovação tecnológica, combinada com a agilidade e adaptabilidade daqueles que usam novas plataformas para vender drogas e outras substâncias, provavelmente dará início a um mercado globalizado onde todos os medicamentos estão mais disponíveis e acessíveis em qualquer lugar.

Segundo a agência, isso pode “desencadear mudanças aceleradas nos padrões de uso de drogas e acarretar implicações para a saúde pública, de acordo com o Relatório.

Mercados

Os mercados de drogas retomaram rapidamente as operações após a ruptura inicial no início da pandemia.

A pesquisa relata embarques cada vez maiores de drogas ilícitas, um aumento na frequência das rotas terrestres e fluviais usadas para o tráfico, maior uso de aviões privados para fins de tráfico de drogas e um aumento no uso de métodos sem contato para entrega medicamentos aos consumidores finais.

A resiliência destes mercados demonstrou mais uma vez a capacidade dos traficantes de se adaptarem rapidamente.

O relatório também observou que as cadeias de suprimento de cocaína para a Europa estão se diversificando, reduzindo os preços e aumentando a qualidade, ameaçando assim a Europa com uma nova expansão do mercado de cocaína.

Por outro lado, o número de novas substâncias psicoativas emergentes no mercado global caiu de 163 em 2013 para 71 em 2019, sugerindo que os sistemas de controle nacionais e internacionais conseguiram limitar sua disseminação em países de alta renda.

Pandemia

Embora o impacto da Covid-19 ainda não seja totalmente conhecido, a análise sugere que a pandemia trouxe dificuldades econômicas crescentes que provavelmente tornarão o cultivo de drogas ilícitas mais atraente para as frágeis comunidades rurais.

O impacto social da pandemia, que levou a um aumento na desigualdade, pobreza e condições de saúde mental, particularmente entre as populações já vulneráveis, também representam fatores que podem levar mais pessoas ao uso de drogas.

*Com informações da ONU News.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113761 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]