Variante indiana avança rapidamente no Reino Unido, apesar da alta taxa de vacinação

O primeiro-ministro Boris Johnson observa os membros do público recebendo suas vacinas contra a Covid-19 em uma visita ao Orpington Health and Wellbeing Center.
O Reino Unido registra uma alta de casos da variante indiana, mesmo tendo boa parte da população vacina contra a covid-19.

Segundo informações do jornal The Guardian, o número de casos da Covid-19 associados à nova variante B.1.617.2 cresceu 160% na semana passada. De acordo com a agência sanitária britânica Public Health England, foram confirmados, nas últimas 24 horas, 3.424 casos, contra 1.313 na quinta-feira (20/05/2021).

Os dados são preocupantes porque o Reino Unido é o país europeu com a maior taxa de vacinação da Europa. Em 21 de maio, 55,7% da população havia recebido uma dose da vacina, contra 33,48% na França. A variante indiana teria sido identificada em pelo menos 86 locais diferentes no país, segundo a imprensa local, e focos de contaminação foram detectados em todo o território. Ela estaria se tornando majoritária no Reino Unido e atinge principalmente a população mais jovem, incluindo crianças. As escolas reabriram em março e, no último fim de semana, o jornal The Guardian acusou o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, de ocultar a divulgação dos dados de contaminação nos estabelecimentos, para dissimular a retomada epidêmica.

De um modo geral, o país não registra, atualmente, um aumento relevante do número total de casos, o que não é surpreendente enquanto a cepa britânica predominar no território. No dia 23 de maio, o país contabilizou 2.254 infecções, contra 2074 no dia 14. O Scientific Advisory Group for Emergencies, órgão similar ao Conselho Científico francês, divulgou um relatório há alguns dias e afirma, no documento, que a variante indiana é possivelmente 50% mais transmissível que a B.1.1.7, a cepa britânica.

Em entrevista à rádio francesa France Info, Michèle Legeas, especialista de análise e gestão de situações de risco, disse que é possível que os britânicos “tenham respeitado menos as medidas de proteção após tomar a primeira dose da vacina”. Além disso, o intervalo de 12 semanas entre as duas doses da AstraZeneca, imunizante usado no país, também pode ter influenciado na circulação da variante. O governo britânico optou, para economizar doses, por vacinar o maior número de pessoas possível espaçando as duas injeções, mas essa decisão teria impactado a proteção da população contra a B.1.617.2, mais contagiosa.

Diante da progressão dos casos ligados à variante, o premiê britânico anunciou, há cerca de duas semanas, que as doses disponíveis seriam administradas aos maiores de 50 anos e pessoas com fatores de risco em um intervalo de 8 semanas. Ainda assim, essa decisão não impactaria sua disseminação no território.

A agência Public Health England publicou, no sábado (22), os primeiros resultados preliminares de um estudo que mostra que as vacinas da Pfizer e da AstraZeneca, após duas doses, têm uma eficácia praticamente similar contra as variantes indiana e a britânica, majoritárias na maior parte dos países europeus, incluindo a França.

A pesquisa mostra que a vacina da AstraZeneca tem uma taxa de proteção contra as formas sintomáticas da Covid-19 causadas pela variante indiana de 60% após duas injeções. A proteção proporcionada pelo imunizante da Pfizer é de 88% duas semanas após o reforço e de 33% três semanas após a primeira dose – 50% no caso da cepa britânica.

A conclusão é de que apenas uma vacinação completa pode ajudar a combater as variantes, dotadas de diferentes mutações “de escape” que facilitam a entrada do vírus na célula e são capazes de driblar e neutralizar a ação dos anticorpos. A variante indiana possui a E484Q, mutação semelhante à E484K, encontrada nas variantes britânica (B.1.1.7), sul-africana (B.1.351) e brasileira (P1).

Restrições na fronteira

Para evitar o avanço da variante indiana em seu território, a Alemanha decidiu restringir o trânsito com o Reino Unido no último domingo (23). As companhias aéreas, de trem, e rodoviárias só têm autorização para transportar cidadãos alemães ou pessoas que vivem no país. Os viajantes também são submetidos agora a um isolamento de duas semanas.

A França também adotará medidas restritivas “mais impactantes” que as atuais, disse, no domingo, o chanceler francês, Jean-Yves Le Drian, diante do avanço da variante. Nesta quarta-feira, o país anunciou o isolamento obrigatório para os viajantes que chegarem do Reino Unido. O anúncio foi feito pelo porta-voz do governo francês, Gabriel Attal. Segundo ele, a data de início da aplicação da medida ainda será especificada.

De acordo com Instituto alemão de Vigilância Sanitária, Robert Koch, o Reino Unido se transformou em uma zona de alto risco sanitário, como 11 países da Ásia, da África e das Américas.

Variante é detectada em pelo menos 53 países

A variante indiana da Covid-19 foi oficialmente detectada em 53 territórios, de acordo com um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) publicado nesta quarta-feira (26). A organização recebeu informações de fontes não oficiais indicando que a variante B.1.617 foi encontrada em sete outros territórios, de acordo com dados epidemiológicos semanais atualizados, elevando o número para 60.

Na semana passada, foram registrados mais de 4,1 milhões de novos casos e 84 mil óbitos no mundo, o que representa uma queda de 14% e 2%, respectivamente, em relação à semana anterior. A maior redução de casos foi registrada na Europa e no Sudeste Asiático, segundo a organização. O número de infecções registrados nas Américas, no leste do Mediterrâneo, na África e nas regiões do oeste do Pacífico são semelhantes aos relatados na semana anterior.

“Apesar da tendência geral de diminuição dos casos nas últimas quatro semanas, a incidência de casos e mortes pela Covid-19 continua alta, e aumentos significativos foram observados em muitos países”, alerta o documento. O maior número de novos casos nos últimos sete dias foi registrado na Índia (1.846.055 – 23% menos); Brasil (451.424 – +3%), Argentina (213.046 – +41%), Estados Unidos (188,410 – -20%) e Colômbia (107,590 -7%).

Até o momento, foram detectadas quatro variantes da Covid-19, vírus que surgiu no final de 2019 na China: britânica (B.1.1.7), sul-africana (B.1.351), brasileira (P.1) e indiana (B .1.617).”A evolução do vírus é esperada e quanto mais o SARS-CoV-2 circula, mais oportunidades ele tem de evoluir”, diz o relatório.  “Reduzir o contágio por meio de métodos de controle de doenças estabelecidos e comprovados é parte essencial da estratégia global para reduzir as mutações que têm implicações negativas na saúde pública”, alerta a organização.

*Com informações da AFP e RFI.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112563 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]