Sete momentos do tenso depoimento de Fabio Wajngarten; Ex-chefe da SECOM do Governo Bolsonaro foi acusado de mentir durante depoimento

Ex-chefe da SECOM do Governo Bolsonaro Fabio Wajngarten presta depoimento à CPI da Pandemia no Senado Federal. Depoimento do ex-secretário de Comunicação foi o mais conturbado da CPI até agora.
Ex-chefe da SECOM do Governo Bolsonaro Fabio Wajngarten presta depoimento à CPI da Pandemia no Senado Federal. Depoimento do ex-secretário de Comunicação foi o mais conturbado da CPI até agora.

O depoimento de Wajngarten à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid foi marcado por diversos momentos bastante tensos.

Houve muito bate-boca entre os senadores governistas e de oposição em torno das declarações do ex-secretário de Comunicação do governo federal, que foi acusado de fugir das perguntas, de proteger o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e de mentir, o que fez com que vários senadores, inclusive o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), pedissem sua prisão, que foi negada pelo presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM).

Os parlamentares presentes da CPI chegaram a exibir um vídeo de Wajngarten e trechos de uma entrevista concedida por ele à revista Veja para apontar que ele estava faltando com a verdade.

As falas de Wajngarten levaram até mesmo o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) a comparecer à comissão quando ela já se aproximava do fim. O filho do presidente discutiu seriamente com o senador Renan Calheiros (MDB-AL). Os dois trocaram ofensas antes que a sessão fosse suspensa.

Reunimos a seguir os principais momentos do depoimento mais conturbado da CPI da Covid até agora.

Acusação de incompetência de Pazuello

Wajngarten era um dos depoimentos mais aguardados desde que deu uma entrevista à revista Veja acusando o Ministério da Saúde, então conduzido pelo general Eduardo Pazuello, de incompetência nas negociações de compra de vacinas.

Wajngarten negou que estivesse se referindo a Pazuello quando falou à revista Veja. “Eu entendi que ele ocupou um espaço diante da saída do dr. (Nelson) Teich, que eu lamentei muito. O ex-ministro Pazuello foi corajoso em assumir uma pasta no pior momento do Brasil”, disse Wajngarten à comissão.

A revista Veja publicou um áudio do trecho da entrevista em que Wajngarten faz essa declaração.

A revista disse que o entrevistado foi questionado especificamente se haveria sido incompetência ou negligência a forma como o governo, especialmente o Ministério da Saúde, agiu para haver tantas dificuldades na compra de vacinas, ao que Wajngarten teria respondido categoricamente: “Incompetência”.

Confrontado com o áudio da entrevista pela senadora Leila Barros (PSB-DF), Wajngarten respondeu que não havia negado em nenhum momento que havia acusado o Ministério da Saúde, como um todo, de ter sido incompetente.

Alerta sobre as evasivas

Diante das respostas evasivas do ex-secretário, os senadores pediram diversas vezes para que ele respondesse objetivamente, de forma clara. “O senhor só está aqui por causa da entrevista à Veja, se não fosse isso a gente nem lembrava que o senhor existia”, afirmou Aziz.

A insistência levou os senadores governistas a interromperem o depoimento em defesa de Wajngarten. “Ninguém veio aqui para ser humilhado”, disse o senador governista Ciro Nogueira (PP-PI).

A isso se seguiu uma discussão e a CPI foi interrompida por alguns momentos. No retorno, o presidente da CPI alertou que Wajngarten poderia sofrer consequências se não respondesse objetivamente.

“Se o senhor não foi objetivo nas suas respostas, vamos dispensá-lo e quando chamarmos vossa excelência de novo não vai ser como testemunha”, afirmou Aziz, indicando que Wajngarten poderia passar à condição de investigado.

Contradições sobre campanhas do governo

O ex-secretário entrou em contradição algumas vezes durante seu depoimento.

Inicialmente, por exemplo, afirmou que a Secretaria de Comunicação com não tinha contratado influenciadores bolsonaristas para fazer campanha sobre “tratamento precoce” — promovendo uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra o coronavírus

No entanto, ao ser apresentada uma reportagem da Agência Pública mostrando que a agência Calia, contratada pelo governo, pagou R$ 23 mil a influenciadores digitais para falar sobre os medicamentos, Wajngarten confirmou o valor e disse que eles foram contratados por “terem muitos seguidores”.

Em outro momento, o ex-secretário também foi questionado pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) sobre a campanha do governo federal “O Brasil Não Pode Parar”, contrária ao isolamento social, através de um vídeo que circulou em março de 2020, no início da pandemia. O vídeo foi difundido por diversos ministros do governo Bolsonaro.

“Eu não tenho certeza se ele é de autoria da Secom, posso confirmar. O que eu tenho absoluta convicção é que em março (de 2020) o governo fez uma campanha sobre prevenção e sintomas”, disse Wajngarten.

O senador Humberto Costa (PT-PE) lembrou que a Secom emitiu um comunicado depois da divulgação da campanha dizendo que a campanha “tinha caráter experimental”. A campanha também foi publicada no Instagram da secretaria.

Wajngarten disse mais tarde que, durante um intervalo da CPI, lembrou-se melhor do episódio e disse que a campanha foi divulgada em grupos de mensagens de ministros, de onde teria vazado ao público.

“De fato, as peça foram concebidas e estavam em fase de avaliação. Em nenhum momento, ela foi autorizada”, disse o ex-secretário.

Negociações da vacina da Pfizer

Outro assunto bastante frequente no depoimento de Wajngarten foi sua participação nas negociações do governo federal para a compra da vacina da Pfizer.

A princípio, ele disse à CPI que nunca tinha feito parte destas negociações e que apenas uma reunião com a Pfizer “para ajudar”.

Depois esclareceu que havia tido duas reuniões com representantes da empresa e que nelas discutiu propostas de compra da vacina que ele considerou “vexatórias”, pelo número baixo de doses oferecidas pela companhia.

O ex-secretário disse que se envolveu nas discussões com a Pfizer ao tomar conhecimento, em novembro de 2020, por meio de Marcelo de Carvalho, dono da emissora Rede TV, que teria uma apresentadora casada com um gerente da farmacêutica, que havia uma carta da empresa a seis destinatários do governo — incluindo o presidente, o ministro da Economia e o vice-presidente — que ainda não tinha sido respondida quase dois meses depois do envio.

Wajngarten disse que mandou um e-mail para a sede da empresa em Nova York e que, em seguida, recebeu contato do então presidente da empresa no Brasil, Carlos Murillo, que irá depor na CPI na quinta-feira (13/05).

O ex-secretário também disse que procurou Bolsonaro para falar do assunto e cobrar que o assunto avançasse. Afirmou ainda que se encontrou com o presidente durante uma reunião dele com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Guedes teria falado no telefone com Murillo. Enquanto isso, Bolsonaro teria escrito em um papel a palavra “Anvisa”, indicando que compraria vacinas aprovadas pela agência — ponto que o ex-secretário reiterou diversas vezes.

Wajngarten também disse que procurou pessoas públicas e empresários para tentar viabilizar a compra de doses desta vacina. “Tenho muito orgulho disso.”

Acusação de mentiras

O ex-secretário foi questionado se teria tomado cloroquina quando teve covid-19 e disse que não o fez porque o medicamento não era cogitado em tratamentos contra a doença em março. “Senão ia submeter ao meu médico”, afirmou Wajngarten.

O senador Rogério Carvalho (PT-SE) citou uma série de notícias desmentindo o ex-secretário e que mostravam que já naquela época a Organização Mundial da Saúde alertava para a falta de comprovação de sua eficácia e que, no mesmo mês, Bolsonaro mandou os laboratórios do Exército aumentarem a produção do medicamento.

Em seguida, Carvalho acusou Wajngarten de mentir diversas vezes outras no depoimento. “O senhor disse que nunca negociou nada com a Pfizer. O senhor participou de negociação com a Pfizer. O senhor disse que seus encontros com representantes da Pfizer tinham sido registrados. Não há informações no site do governo.”

O senador acrescentou então que Wajngarten disse que estava afastado da secretaria em março de 2020 e então mostrou um vídeo de uma transmissão ao vivo feita com o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) em que o ex-secretário dizia que estava trabalhando. “Vossa excelência mentiu nesta oitiva”, disse Carvalho.

Wajngarten tentou se manifestar neste momento, mas o senador disse que não era a vez de ele falar, que ele estava ali na condição de testemunha e que não sendo questionado nada a ele, mas sendo afirmado.

Mais tarde, a defesa de Wajngarten enviou uma nota à imprensa afirmando que ele “jamais faltou com a verdade nem teve a intenção de fazê-lo”. Também disse que o ex-secretário “respondeu a todos os questionamentos que lhe foram formulados, sem esconder ou omitir informações”.

Pedido de prisão

Senadores como Humberto Costa, Alessandro Vieira (Cidadania-RS) e Fabiano Contarato (Rede-ES) pediram que Wajngarten fosse preso por mentir à CPI, o que é crime.

Mas o pedido mais contundente neste sentido veio do relator. Em reação à declaração do ex-secretário de que a campanha “O Brasil Não Pode Parar” não teria sido veiculado pelo governo, Renan Calheiros apontou que ela havia sido postada na internet por meio de canais oficiais do governo federal.

“Vossa senhoria mente mais uma vez”, disse o senador.

“Vou pedir a prisão de vossa senhoria porque o espetáculo de mentiras que vimos aqui não vai se repetir nem vai servir de precedente. Vossa excelência não vai desprestigiar essa Comissão Parlamentar de Inquérito mentindo”, disse Calheiros.

Randolfe Rodrigues, substituindo Aziz no comando da condução da CPI após o presidente da comissão se ausentar, disse que o pedido seria apreciado até o fim do depoimento.

Quando Aziz retornou, Calheiros reiterou seu pedido, mas o presidente da CPI pediu cautela, ressaltou que o ex-secretário estava ali como testemunha, que não cabia à comissão julgá-lo e que Wajngarten poderia depois ser indiciado caso tenha mentido de fato.

O presidente da CPI afirmou, então, que não pediria a prisão de Wajngarten. “Não serei carceireiro de ninguém”, afirmou Aziz. “Estou salvando a CPI tomando essa decisão.”

Bate-boca entre Flávio Bolsonaro e Renan Calheiros

Antes que a sessão fosse interrompida, por causa das atividades no plenário do Senado, Humberto Costa pediu que o depoimento de Wajngarten fosse enviado imediatamente ao Ministério Público para ser investigado.

O senador Flávio Bolsonaro (Republicano-RJ) havia chegado à comissão àquela altura, em sua segunda participação na comissão. A primeira havia sido na sessão de instalação da CPI, no final de abril, quando disse que seria irresponsável realizar a comissão neste momento porque ela causaria aglomeração — dias depois, o senador celebraria as aglomerações em protesto realizados em 1º de maio a favor de seu pai.

Flávio Bolsonaro interveio defendendo que todos os depoimentos feitos até agora à CPI deveriam ser enviados e acusou o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, de mentir também. Acusou então Calheiros de usar a CPI para se promover. “Imagina, um cidadão honesto ser preso por um vagabundo como Renan Calheiros”, disse o filho do presidente.

“Vagabundo é você que roubou dinheiro do pessoal do seu gabinete”, retrucou Calheiros, em meio a protestos de outros senadores contra a fala de Flávio Bolsonaro.

“Quer aparecer… Vai se f…”, respondeu o filho do presidente.

Aziz repreendeu então Flávio Bolsonaro, dizendo que “agressões não levariam a lugar algum”, encerrou a sessão e disse que ela será retomada após o fim das atividades no plenário.

*Com informações de Rafael Barifouse, da BBC News.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112563 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]