Secretário-geral da ONU alerta para mundo “à beira do abismo” e pede compromissos até dezembro de 2021

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Em 2020, as concentrações de dióxido de carbono aumentaram novamente para um novo máximo, 148% acima dos níveis pré-industriais.
Em 2020, as concentrações de dióxido de carbono aumentaram novamente para um novo máximo, 148% acima dos níveis pré-industriais. Secretário-geral da ONU participou em Diálogo Climático na cidade de Petersberg, na Alemanha, que reúne líderes de todo o mundo. António Guterre diz que mundo tem janela de oportunidade curta para tomar as decisões certas.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou esta quinta-feira (06/05/2021) que o mundo está “à beira do abismo” devido à mudança climática.  Ele pediu que os governos apresentem novos compromissos até o final do ano.

O chefe da ONU participou na abertura da 12ª edição do Diálogo Climático Petersberg, que reúne chefes de Estado e de governo, ministros e altos funcionários governamentais de todo o mundo.

Evento

Este ano, o encontro é organizado pela Alemanha em parceria com o Reino Unido, que acolhe a Conferência Climática da ONU, COP-26, em Glasgow em novembro.

A chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, e o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, também estiveram no primeiro dia.

O secretário-geral destacou o compromisso alemão de alcançar a neutralidade de carbono em 2045 e cortar suas emissões em 65% até 2030, em comparação com os níveis de 1990.

Riscos

Para Guterres, o ano passado “foi mais um período sem precedentes de climas extremos e desastres climáticos. ”

As concentrações de dióxido de carbono aumentaram novamente para um novo máximo, 148% acima dos níveis pré-industriais. Este é o nível mais alto em 3 milhões de anos, quando a temperatura da Terra era até 3 graus mais quente e o nível do mar cerca de 15 metros mais alto.

O ano passado já estava 1,2 grau Celsius mais quente do que os tempos pré-industriais, perto do limite de 1,5 grau estabelecido pela comunidade científica. De acordo com os compromissos atuais, o mundo caminha para um aumento de 2,4º C até o final do século.

O chefe da ONU afirmou, no entanto, que trabalhando em conjunto o mundo pode “evitar os piores impactos da perturbação climática e usar a recuperação da pandemia de Covid-19 para orientar um caminho mais limpo e mais verde. ”

Mitigação

Para enfrentar as mudanças climáticas, Guterres disse que é preciso um equilíbrio entre mitigação e adaptação.

Sobre mitigação, ele destacou “sinais encorajadores” de algumas economias importantes. Nesse momento, os países que representam 73% das emissões comprometeram-se com emissões líquidas zero até 2050.

Até 2030, é necessário cortar as emissões globais em 45% em comparação com os níveis de 2010, para chegar a emissões líquidas zero até 2050.

Para Guterres, uma das principais prioridades deve ser acabar com o uso do carvão até 2030 nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, Ocde, e até 2040 em todo o mundo.

Transição

O secretário-geral disse ainda que a mudança para energia renovável “deve ser uma transição justa, envolvendo governos locais, sindicatos e o setor privado para apoiar as comunidades afetadas e gerar empregos verdes. ”

Guterres também destacou os perigos de combustíveis fósseis, dizendo que “nem são econômicos”, porque “são agora mais caros do que os renováveis. ”

Para ele, “é hora de colocar um preço no carbono e transferir os impostos sob a renda para o carbono. ”

Adaptação

O chefe da ONU continua preocupado com a falta de progresso na adaptação. Ele diz que pessoas já estão morrendo, fazendas estão falhando e milhões enfrentam deslocamento.

Com baixos orçamentos, dívidas elevadas e impactos climáticos crescentes, os países em desenvolvimento precisam de mais fundos. No entanto, o financiamento da adaptação para essas nações representa apenas 21% do total, cerca de US$ 16,8 bilhões.

Nesse momento, os custos de adaptação anuais no mundo em desenvolvimento são estimados em US$ 70 bilhões de dólares. Até 2030, podem aumentar para US$ 300 bilhões.

Guterres reiterou seu apelo aos doadores e bancos multilaterais de desenvolvimento para garantir que pelo menos 50% do financiamento climático seja para adaptação e resiliência.

Agenda

O secretário-geral destacou depois a importância da Cop-26, que acontece no final do ano, e a Cúpula do G-7, marcada para junho.

Guterres encorajou todos os ministros a começarem a trabalhar em um “acordo político ambicioso e equilibrado que apoie os países em desenvolvimento. ” Segundo

Segundo ele, o mundo tem “uma pequena e estreita janela de oportunidade para fazer a coisa certa. ”.

*Com informações da ONU News.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 123241 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.