Proposta do presidente Joe Biden de orçamento de US$ 6 trilhões pode levar Governo dos EUA a dívida recorde

Joe Biden: Devemos aproveitar o momento para reinventar e construir uma nova economia americana que invista na promessa e no potencial de cada americano.
Joe Biden: Devemos aproveitar o momento para reinventar e construir uma nova economia americana que invista na promessa e no potencial de cada americano.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, propôs nesta sexta-feira (28/05/2021) um orçamento de US$ 6 trilhões para “reinventar” a economia americana em 2022. Se for aprovado pelo Congresso, o programa levará o país a uma dívida recorde.

“Devemos aproveitar o momento para reinventar e construir uma nova economia americana que invista na promessa e no potencial de cada americano”, disse o presidente em mensagem ao Congresso. “Os Estados Unidos não podem simplesmente se dar ao luxo de voltar para onde estavam antes da pandemia e da recessão econômica, com as fraquezas estruturais e as desigualdades da velha economia ainda existentes”, alertou o presidente.

A epidemia de Covid-19 mergulhou os norte-americanos em sua pior crise desde os anos 1930. Embora a maior economia do mundo esteja começando a se recuperar, ainda está longe dos níveis pré-pandêmicos.

Nos EUA, o orçamento anual do presidente é mais uma lista de desejos ou uma mensagem sobre suas prioridades do que qualquer outra coisa. São os legisladores que decidem em última instância a quantidade e o destino do dinheiro, e o atual Congresso tem uma maioria democrata muito estreita.

Resistência republicana

Os republicanos da oposição têm medo de dar protagonismo ao governo central. E até mesmo alguns dos apoiadores de Biden alertam que a economia dos Estados Unidos, agora pronta para se recuperar dos efeitos da pandemia, corre o risco de entrar em uma espiral inflacionária.

No entanto, o plano maciço indica a determinação da Casa Branca em dar peso à campanha de Biden para repensar a relação entre o governo e o setor privado. Segundo o plano do presidente, o tesouro nacional liberaria cerca de US$ 6 trilhões em 2022, com aumentos progressivos até US$ 8,2 trilhões em 2031.

Todo esse gasto pode se somar ao endividamento, que hoje representa mais de 100% do Produto Interno Bruto. A expectativa é de atingir 111,8% do PIB em 2022 e 117% em 2031.

Aumentar a classe média

O democrata deixou claro o destino dos US$ 6 trilhões: grande parte disso iria para um projeto de infraestrutura proposto originalmente em US$ 2,3 trilhões, mas que foi reduzido para US$ 1,7 trilhão nas negociações com o Congresso. Outros US$ 1,8 trilhão iriam para aumentar o financiamento do estado para educação e serviços sociais como parte da estruturação de uma força de trabalho melhor no século 21.

O objetivo geral, argumentou Biden, é aumentar a classe média além de deixar os Estados Unidos “mais competitivos” em relação a seus adversários.

O orçamento é divulgado pouco antes do fim de semana prolongado do Memorial Day e com o Congresso em recesso por uma semana. Apresentá-lo agora pode reduzir sua força no Capitólio, onde muitos democratas querem que Biden use seu controle sobre o Congresso para aprovar uma legislação transformadora, mas os republicanos estão tentando bloquear a maior parte do que o presidente está propondo.

As prioridades de gastos representam apenas um dos pontos de divisão entre as duas partes. Por exemplo, os republicanos são praticamente unânimes em se opor à ampla definição de infraestrutura de Biden, que inclui energia verde e programas sociais.

Há ainda menos consenso sobre como pagar por esses planos. Biden quer arrecadar dinheiro encerrando um corte de impostos corporativos que os republicanos aprovaram sob seu antecessor Donald Trump. O presidente também quer perseguir vigorosamente as brechas fiscais utilizadas pelas grandes corporações multimilionárias. Os republicanos se recusam a aceitar esse mecanismo, dizendo que seus planos de gastos com infraestrutura, mais modestos, poderiam ser pagos com a realocação de dinheiro não gasto já previstos em orçamento.

Apesar do impasse e da grandiosidade do orçamento de Biden, a Casa Branca ainda tem uma potencial carta na manga. Em regra, Biden precisa de pelo menos 10 republicanos para atingir as maiorias exigidas no Senado, hoje divididas igualmente entre os dois partidos, uma tarefa no mínimo difícil. Porém, se os democratas permanecerem unânimes, o que também não é garantido, eles poderão aprovar o orçamento por meio de um procedimento rápido conhecido como reconciliação, que exige menos votos.

*Com informações da AFP e da RFI.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 116564 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.