ONU aponta conectividade como resposta para o desenvolvimento em áreas rurais

O Relatório Social Mundial é uma publicação do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas.
O Relatório Social Mundial é uma publicação do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas.

Novas abordagens possibilitadas por meio de melhor acesso e conectividade à Internet podem elevar o padrão de vida de aproximadamente 3,4 bilhões de pessoas que vivem em áreas rurais, sem que tenham que migrar para as cidades. É isso que conclui o recém-lançado Relatório Social Mundial 2021 “Reconsiderando o Desenvolvimento Rural”, uma publicação do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas.

A pandemia da COVID-19, junto com os já persistentes altos níveis de pobreza e desigualdades, estão ameaçando paralisar o progresso das populações rurais do mundo. Mas a pandemia também provou que as novas tecnologias podem permitir o florescimento das populações rurais, acabando com a divisão urbana rural.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que as novas tecnologias abrem novas oportunidades para o desenvolvimento rural. “Existem oportunidades para construir um futuro mais verde, inclusivo e resiliente. A experiência da pandemia mostrou, por exemplo, que onde a conectividade de alta qualidade à internet é associada a acordos de trabalho flexíveis, muitos trabalhos que eram tradicionalmente considerados urbanos também podem ser realizados em áreas rurais”.

O surgimento de novas tecnologias digitais oferece uma oportunidade para transpor a divisão rural-urbana, fornecendo às populações rurais acesso a financiamento digital, ferramentas de precisão para melhores rendimentos de colheita, bem como trabalhos que podem ser feitos remotamente.

Fragilidade econômica – Cerca de 67% das populações dos países de baixa renda e 60% dos países de renda média baixa são rurais. Cerca de 80% das pessoas que vivem abaixo da linha de pobreza internacional residem em áreas rurais, e cerca de um quinto da população rural vive em extrema pobreza — uma taxa que é quatro vezes maior do que a da população urbana — e têm menos acesso à educação, saúde e outros serviços essenciais.

Mulheres rurais, idosos e indígenas continuam sofrendo discriminação quando se trata de direitos à terra e emprego. As áreas rurais contêm a maior parte do capital natural do planeta, que atualmente está sendo esvaziado e degradado. O desmatamento e as práticas agrícolas insustentáveis contribuíram muito para as mudanças climáticas e a disseminação de doenças zoonóticas.

O relatório oferece novas estratégias para garantir que a população rural – quase metade da população mundial – não seja deixada para trás enquanto o mundo intensifica os esforços para impulsionar a economia, reduzir as desigualdades e enfrentar a crise climática. Assim, apela para melhorar a vida das pessoas onde elas estão, para melhorar os padrões de vida rurais.

Benefícios urbanos, áreas rurais – Chamada de “urbanização in situ”, a abordagem visa garantir que a população rural possa desfrutar do mesmo padrão de vida que a população urbana, sem os efeitos colaterais negativos da urbanização insustentável. No Sri Lanka, Japão e China, o relatório encontrou exemplos onde melhorou o acesso à educação e saúde, aumentou o investimento em infraestrutura rural e a  redução da disparidade de renda entre as áreas rurais e urbanas levou a melhores condições de vida das populações rurais.

O relatório observa que na China, Índia e Indonésia, enquanto a pobreza rural caiu entre 2000 e 2015, a desigualdade rural aumentou. Para impulsionar o progresso social nas áreas rurais, a abordagem das desigualdades deve ser acompanhada de esforços para reduzir os níveis de pobreza. Isso inclui novas políticas de reforma agrária, proteção social ampliada, assim como a revogação de leis discriminatórias que efetivamente enfrentam as desigualdades que mulheres rurais, povos indígenas e outras populações vulneráveis experienciam.

Biodiversidade ameaçada 

De acordo com o relatório, a mudança de habitats naturais para terras agrícolas levou de 60 a 70% da perda total de biodiversidade e a perda de florestas e áreas selvagens é creditada com o aumento de doenças zoonóticas como a COVID-19. O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas afirma que aproximadamente 31% das emissões globais de gases de efeito estufa estão diretamente relacionadas à agricultura e às mudanças no uso da terra. Políticas teriam de ser implementadas para construir resiliência e reduzir a vulnerabilidade dos meios de subsistência rurais às alterações climáticas. O relatório recomenda a adoção de medidas para desenvolver variedades de cultivo que sejam menos intensas para a terra, praticando a agricultura mista e mudando para a economia circular.

Além disso, um déficit hídrico de cerca de 30% é esperado até 2030 e quase 95% das áreas terrestres do planeta podem se tornar degradadas até 2050 se os padrões atuais de desenvolvimento rural continuarem. Medidas que promovam o uso sustentável de recursos, assim como a segurança alimentar devem ser consideradas.

Impulsionando o setor agrícola – Os países com pelo menos 501 milhões de trabalhadores agrícolas correm o risco de não atingir a meta dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) de dobrar a produtividade agrícola e a renda dos pequenos agricultores até 2030. O relatório reconhece que mais ações são necessárias para impulsionar a produtividade agrícola, melhorando a infraestrutura, usando tecnologia apropriada, fornecendo incentivos e aumentando os investimentos. Também é importante focar nos modelos agrícolas específicos de cada país e voltados para o apoio aos pequenos produtores.

A publicação identifica na diversificação uma das chaves para uma transformação rural. A expansão das atividades não agrícolas — uma fonte potencial de renda para os jovens — deve fazer parte das novas estratégias.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111131 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]