Ninguém está seguro até que todos estejam seguros: por que precisamos de uma resposta global para a Covid-19 | Manifesto multissetorial

Refugiado sírio de 35 anos, recebe a vacina contra a Covis-19 em um centro de vacinação no campo de Zaatari, na Jordânia.
Refugiado sírio de 35 anos, recebe a vacina contra a Covis-19 em um centro de vacinação no campo de Zaatari, na Jordânia.

A distribuição equitativa da vacina é um imperativo humanitário.

Existe uma escolha. O mundo dos próximos 10 anos pode ser de maior justiça, abundância e dignidade. Ou pode ser um mundo de conflitos, insegurança e pobreza.

Estamos em um ponto de inflexão. A COVID-19 tem sido uma crise verdadeiramente global na qual todos nós carregamos um fardo. Em muitos casos, isso nos faz refletir sobre as injustiças mais antigas que se perpetuaram em partes do mundo onde a pandemia é mais uma camada de miséria, instabilidade e turbulência. Essas desigualdades foram expostas e exacerbadas pelo impacto da pandemia, tanto entre os países quanto dentro deles. Os efeitos serão sentidos em escala global nos próximos anos.

Os impactos de uma catástrofe como a pandemia da COVID-19 são medidos pelas tragédias de perdas e mortes individuais, bem como pela ruptura nacional e global em quase todos os âmbitos da vida. Nenhum país do mundo foi poupado.

Variantes do vírus, potencialmente mais infecciosas e resistentes às vacinas, continuarão a nos ameaçar se não forem controladas agora.

Nós, que assinamos esta declaração, representamos organizações com laços comunitários em todo o mundo. Trabalhamos de perto com pessoas afetadas por conflitos, desastres e fome e conhecemos os imensos desafios que elas enfrentam, assim como sua resiliência, mesmo nas piores situações.

Em 2021, a economia mundial está enfrentando sua pior desaceleração desde 1945. Para alguns países, isso aumentará drasticamente a pobreza e o sofrimento. Para outros, significará fome e morte. As consequências econômicas derivadas da pandemia ainda nos acompanharão por muito tempo. Haverá um impacto econômico contínuo, com todo o sofrimento humano que isso acarreta. Uma geração de crianças, especialmente meninas, deixou a escola e não retornará.

O mundo está enfrentando o desafio de como reverter essa dinâmica devastadora, com a saúde sendo uma parte fundamental dessa resposta. Defendemos aqui a “Saúde para Todas e Todos”, em que a vida de cada pessoa é valorizada e o direito de cada pessoa aos cuidados de saúde é defendido. As pessoas não precisam apenas de vacinas. Elas precisam ter acesso a profissionais de saúde qualificados e equipados que possam fornecer suporte médico adequado.

Precisamos construir um mundo onde cada comunidade, independentemente de onde viva ou de quem seja, tenha acesso imediato à vacinação: não apenas para a COVID-19, mas também para as muitas outras doenças que continuam a prejudicar e causar mortes. Como a pandemia nos mostrou, em nosso mundo interdependente ninguém está seguro até que todos estejam seguros.

Temos uma escolha: nacionalismo de vacinas ou solidariedade humana.

Graças a uma ação internacional eficaz, várias vacinas foram produzidas. A Organização Mundial da Saúde (OMS), a Aliança Mundial para Vacinas e Imunização (GAVI) e a Coalizão para Promoção de Inovações em prol da Preparação para Epidemias (CEPI) estão liderando a iniciativa COVAX, que atualmente é o melhor esforço que temos para garantir que as vacinas cheguem às pessoas em todo o mundo. No entanto, a COVAX se destina a cobrir apenas 20% da população global – as pessoas mais vulneráveis, nos países de baixa renda – até o final de 2021, e ainda não está claro se atingirá essa meta. Enquanto isso, estudos mostram que se nos concentrarmos apenas na vacinação de nossas próprias populações, o mundo corre o risco de perder até US$ 9,2 trilhões do PIB global (com metade desse custo sendo incorrido por países desenvolvidos) somente neste ano.

Mas não é só uma questão de dinheiro. A fim de alcançar uma vacinação global mais ampla, questões complexas de logística, infraestrutura e escala devem ser abordadas. O Acelerador de Acesso às Ferramentas COVID-19 (ACT, da sigla em inglês) está focado em fornecer um meio para acelerar o desenvolvimento, fabricação e distribuição de produtos de diagnóstico e tratamento da COVID-19. O ACT reconhece e visa atender ao requisito de compartilhamento de informações – seja sobre tecnologia, propriedade intelectual ou manufatura.

No entanto, é preciso fazer mais. O compartilhamento de informações, a transferência de tecnologia e o fortalecimento dos processos de manufatura, para citar alguns, requerem o envolvimento ativo dos Estados e do setor privado.

Portanto, convocamos os líderes mundiais a:

Garantir o acesso equitativo às vacinas entre os países, fornecendo vacinas, compartilhando conhecimento e experiências e financiando totalmente o ACT, que está trabalhando para fornecer acesso equitativo e implementação de diagnósticos, tratamentos e vacinas.

Garantir o acesso equitativo às vacinas dentro dos países, assegurando que todos os setores da população sejam incluídos na distribuição nacional e nos programas de vacinação, independentemente de quem sejam ou de onde vivam, incluindo comunidades estigmatizadas e marginalizadas para as quais o acesso aos cuidados de saúde pode não ser tão direto.

Apoiar os países financeiramente, politicamente e tecnicamente para garantir que o enfrentamento à COVID-19 não seja um objetivo isolado, sendo, em vez disso, um elemento importante de uma estratégia de saúde mais ampla, implementada junto com as comunidades para trazer melhorias de longo prazo para a saúde das pessoas e para o acesso à assistência médica. Estamos comprometidos, em nossas diferentes instituições, a oferecer todo o auxílio que pudermos para apoiar ações de comunidades e autoridades.

Este é o momento de uma liderança decisiva. Países e organizações em todo o mundo têm uma oportunidade única toda uma geração de abordar a desigualdade global e reverter algumas das consequências do ano passado. Ao fazer isso, eles trarão esperança não apenas para as pessoas mais pobres, mas para todas e todos nós.

Assinam esta declaração

Reverendíssimo Justin Welby, arcebispo de Canterbury

Peter Maurer, presidente do Comitê Internacional da Cruz Vermelha

Bispo Ivan M Abrahams, secretário-geral do Conselho Metodista Mundial

Sua Excelência Elder Metropolitan Emmanuel de Chalcedon, Patriarcado Ecumênico

Reverendo Dr. Chris Ferguson, secretário-geral da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas

Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS

Filippo Grandi, alto-comissário das Nações Unidas para Refugiados

Henrietta H. Fore, diretora executiva do Fundo nas Nações Unidas para Infância (UNICEF)

Reverendo Dr. Martin Junge, secretário-geral da Federação Luterana Mundial

Dra. Azza Karam, secretário-geral, Religions for Peace

Francesco Rocca, presidente da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho

Rabino David Rosen, co-presidente da Religions for Peace

Sheikh Ahmed al-Tayeb, o grande imam de al-Azhar

Sua Excelência Cardeal Peter Turkson, prefeito do Dicastério para a Promoção do Desenvolvimento Humano Integral, Roma

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112861 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]