Líder da oposição alerta que onda “explosiva” da Covid-19 ameaça Índia e o mundo

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Trabalhadores carregam o corpo de uma pessoa que morreu de Covid-19 enquanto outras piras funerárias são vistas queimando durante uma cremação em massa realizada em um crematório em Nova Delhi, Índia, em 3 de maio de 2021.
Trabalhadores carregam o corpo de uma pessoa que morreu de Covid-19 enquanto outras piras funerárias são vistas queimando durante uma cremação em massa realizada em um crematório em Nova Delhi, Índia, em 3 de maio de 2021.

O principal líder opositor da Índia, Rahul Gandhi, alertou nesta sexta-feira (08/05/2021) que, a menos que a segunda onda fatal de Covid-19 que varre o país seja controlada, dizimará seu país e ameaçará o resto do mundo.

Em uma carta, Gandhi implorou ao primeiro-ministro, Narendra Modi, para que prepare outro lockdown nacional, acelere um programa de vacinação de âmbito nacional e acompanhe cientificamente o vírus e suas mutações.

Gandhi disse que a segunda nação mais populosa do mundo tem uma responsabilidade, em “um mundo globalizado e interconectado”, de deter o crescimento “explosivo” da Covid-19 dentro de suas fronteiras.

“A Índia é o lar de um de cada seis seres humanos do planeta. A pandemia demonstra que nosso tamanho, diversidade genética e complexidade tornam a Índia um terreno fértil para o vírus se transmutar rapidamente, transformando-se em uma forma mais contagiosa e mais perigosa”, escreveu Gandhi.

“Permitir a disseminação incontrolável do vírus em nosso país será devastador, não somente para nosso povo, mas também para o resto do mundo.”

A variante indiana altamente infecciosa B.1.617 já se propagou para outros países, como o Reino Unido, forçando nações a impedir ou restringir movimentações oriundas da Índia.

Na semana passada, a Índia relatou 1,5 milhão de infecções novas adicionais e mortes diárias recordes à medida que seus hospitais ficam sem leitos e oxigênio medicinal. Desde o início da pandemia, o país já registrou 21,49 milhões de casos e 234.083 mortes. Atualmente, os casos ativos são 3,6 milhões.

Modi é muito criticado por não agir mais cedo para conter a segunda onda, já que eventos de grande disseminação, como festivais religiosos e comícios políticos, atraíram dezenas de milhares de pessoas nas últimas semanas.

Seu governo também é criticado por ter eliminado as restrições sociais cedo demais após a primeira onda e por atrasos no programa de vacinação, que especialistas médicos dizem ser a única esperança indiana de controlar a segunda onda de Covid-19.

Embora o país seja o maior fabricante mundial de vacinas, está tendo dificuldade para produzir e distribuir doses suficientes para conter a pandemia.

A Índia relatou mais um aumento diário de casos de coronavírus nesta sexta-feira, 414.188, o que eleva o total de casos novos da semana a 1,57 milhão. As mortes por Covid-19 aumentaram 3.915 e chegaram a 234.083 – mas especialistas médicos dizem que os números reais da Índia são de cinco a 10 vezes maiores do que a contagem oficial.

*Com informações de Nivedita Bhattacharjee, Anuron Kumar Mitrasex, Tanvi Mehta, Neha Arora, Shilpa Jamkhandikar, Sudarshan Varadha e de Sachin Ravikumar, da Agência Reuters.

Banner do Governo da Bahia: Campanha 'Aqui é trabalho', veiculada nesta sexta-feira (04/11/2021).
Sobre Carlos Augusto 9717 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).