Jornalista no New York Times avalia que planos do extremista Jair Bolsonaro que resultaram na morte 450 mil brasileiros podem ocasionar número 3 vezes maior

Vanessa Barbara escreveu artigo ‘The Unveiling of Bolsonaro’s Supervillain Plot Is Weirdly Gripping’, cuja tradução é ‘A revelação da trama do supervilão de Bolsonaro é estranhamente emocionante’
Vanessa Barbara escreveu artigo ‘The Unveiling of Bolsonaro’s Supervillain Plot Is Weirdly Gripping’, cuja tradução é ‘A revelação da trama do supervilão de Bolsonaro é estranhamente emocionante’

Com título ‘A revelação da trama do supervilão de Bolsonaro é estranhamente emocionante’, artigo publicado quinta-feira (27/05/2021) pela jornalista Vanessa Barbara no The New York Times avalia que o extremista presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pretende conduzir à morte 1,4 milhões de brasileiros com a estratégia de “imunidade de rebanho” adotada pelo desgoverno que conduz.

“De sua perspectiva, os 450.000 brasileiros  mortos pela covid-19 devem parecer um trabalho nem mesmo feito pela metade”, diz a jornalista brasileira Vanessa Barbara na publicação.

“Bolsonaro aparentemente pretendia levar o país à imunidade coletiva por infecção natural, quaisquer que fossem as consequências. Isso significa – assumindo uma taxa de mortalidade de cerca de 1% e considerando 70% de infecção como um limite provisório para imunidade de rebanho – que ele planejou pelo menos 1,4 milhão de mortes no Brasil”, explica Vanessa.

Ela relembra as atitudes de Bolsonaro contra os protocolos de proteção à covid-19. “O presidente parecia fazer de tudo para facilitar a disseminação do vírus. Ele passou o último ano falando e agindo contra todas as medidas cientificamente comprovadas para conter a propagação do vírus”, diz a jornalista, que lembra que Bolsonaro considerava o distanciamento social algo para “idiotas”, que as máscaras eram “ficção” e que as vacinas poderiam o transformar em jacaré.

Além disso, também é citado o tratamento precoce promovido por Bolsonaro, apesar de todas as evidências científicas mostrando a ineficácia dele e com o conselho expresso de dois ex-ministros da Saúde (Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich) contra o tratamento.

CPI da Pandemida

O artigo não deixou de citar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia no Senado Federal que está acontecendo no Brasil, descrita como “uma grande distração da realidade sombria. Transmitido online e transmitido pela TV Senado, o inquérito é uma exibição estranhamente fascinante de evasão, inépcia e mentiras descaradas”.

Durante a investigação, foram questionadas, entre outros assuntos, a recusa das vacinas da Pfizer. “A empresa farmacêutica se ofereceu repetidamente para vender sua vacina covid-19 ao governo brasileiro entre agosto e novembro do ano passado, mas não obteve resposta”, diz o artigo.

A jornalista ainda cita a campanha “O Brasil Não Pode Parar”, veiculada em março do ano passado. “Incentivando que as pessoas não mudassem suas rotinas, a campanha afirmou que ‘as mortes por coronavírus entre adultos e jovens são raras’. A campanha fortemente criticada acabou sendo proibida por um juiz federal e em grande parte esquecida”.

*Com informações do The New York Times e UOL.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 116570 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.