Artista plástico e cineasta brasileiro, Chico Liberato será homenageado com site em plataforma bilíngue e audiodescrição

Site em homenagem ao artista plástico e cineasta brasileiro Chico Liberato, ganhará uma plataforma bilíngue e com audiodescrição.
Site em homenagem ao artista plástico e cineasta brasileiro Chico Liberato, ganhará uma plataforma bilíngue e com audiodescrição.

“Chico”, um bem cultural para futuras gerações! Este é o nome do site em homenagem ao artista plástico e cineasta brasileiro Chico Liberato, que ganhará uma plataforma bilíngue e com audiodescrição nesta sexta-feira (28/05/2021) para eternizar sua obra no mundo digital, com direito a um tour virtual pelas memórias da “Casa Chico e Alba Liberato”.

Com uma linha do tempo em curso, Chico Liberato celebra 85 anos de vida e seis décadas de produção ininterrupta, com 57 anos de carreira profissional dedicada à arte e à cultura, como artista plástico e cineasta soteropolitano premiado nacional e internacionalmente e reconhecido mundialmente. Ele integra a segunda geração de artistas modernos da década de 70, que representou o período mais rico e efervescente de todas as artes no Brasil, sendo o único representante baiano das artes plásticas na Tropicália. Se destacou ainda pela essência autodidata e multimídia e como uma referência do pioneirismo do cinema de animação. Sua contribuição artística é tão ampla quanto diversa, na discussão e produção de arte, com trabalhos de desenho, pintura, escultura, xilogravura, cinema de animação e instalações, além de ser um grande pesquisador de regionalidades. Motivo das suas obras terem uma forte presença do sertanejo, do indígena e da negritude que marcaram a colonização do país.

Todos esses elementos revelam a importância histórica do seu legado e trajetória de vida e justificaram reunir uma coletânea do seu rico acervo com a organização da sua obra para o Brasil e o mundo em uma plataforma digital bilíngue (português e inglês), e com audiodescrição, acessível internacionalmente e voltada para o público de todas as idades e classes sociais: o site “CHICO”. O lançamento será no dia 28/05, disponibilizando todo o acervo documental sobre o artista e tudo o que ele produziu no site http://www.chicoliberato.com.br, incluindo um tour virtual na “Casa Chico e Alba Liberato”, pelo link https://www.chicoliberato.com.br/site/casachicoealbaliberato.

O site foi contemplado no Prêmio Jaime Sodré de Patrimônio Cultural, da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura de Salvador, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, com recursos oriundos da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal, para eternizar suas memórias como um bem cultural. As futuras gerações terão acesso às especificidades da trajetória do artista, sua vida e obra, exposições, casa onde vive com sua esposa até hoje, inclusive apresentando a rotina e vivências de sua história pessoal, além de obras, documentos, manuscritos, fotos e vídeos garimpados e catalogados para serem transformados em valiosos registros culturais e educacionais. Haverá, ainda, espaço para a comercialização de reproduções de suas obras e, em breve, agendamento de visitas presenciais à casa da família, onde também funciona o seu atelier, seguindo todos os protocolos de segurança.

Vida, obra e história

“O site vem atender a uma lacuna que há tempos merecia ser preenchida sobre a vida de Chico Liberato dedicada à arte e ainda vai contar um pouco da história das artes na Bahia dos últimos 50 anos, pois também vai apresentar registros dos movimentos artísticos na Bahia nesse período, com centenas de mídias de jornal, catálogos de exposições individuais e coletivas que ele participou, homenagens que recebeu, fotografias que registraram seus trabalhos, pessoas que conviveu, viagens pelo mundo e a presença de sua família nas artes”, revela a coordenadora e produtora executiva do projeto, Candida-Luz Liberato, também filha do artista.

Alba Liberato, pesquisadora do site e esposa do artista, completa. “Em plena ditadura militar e repressão, aconteceram as manifestações culturais mais marcantes e determinantes da nossa geração. E a importância histórica de Chico é comprovada pela sua participação na realização de duas Bienais da Bahia, que trouxeram reconhecimento aos artistas locais e interatividade com os nacionais, fazendo de Salvador centro do Nordeste nas discussões e produção de arte; nas exposições e acontecimentos no Instituto Goethe e no MAM; e nos encontros com artistas na área do cinema, dança e música. Mas sua projeção inicial se deu a partir de 1963, como único baiano convidado a participar do movimento Nova Figuração, no Rio de Janeiro, com consagrados artistas do eixo Rio-São Paulo, e convite para expor na Bienal dos Jovens de Paris (1967). Tudo isso nos deu mais um viés para trabalhar os mesmos conceitos na contemporaneidade, através desse site, com o objetivo de fomentar, promover e difundir a produção cultural de Salvador para o mundo”.

O público terá acesso a mais de 500 documentos, como manuscritos; fotografias; storyboards; filmes de curta e longa metragens; vinhetas; cartazes; marcas; convites; catálogos; e folders; além de experimentos de arte e audiovisual e depoimentos de outros artistas. Tudo com textos explicativos em português, inglês e audiodescrição. A programação de dados é de Daniel Machado Pamplona Ribeiro; a programação visual, de Jonathas Sousa de Medeiros; a pesquisa, de Alba Liberato; fotografia e edição de vídeo de Marcio Albuquerque; tratamento de fotografias de Maria de Fatima Barboza; textos de Leila Midlej; e tradução e revisão de Lynne Reay Pereira.

O internauta também vai encontrar uma exposição virtual da capela do MAM Bahia, museu que Chico Liberato dirigiu por 12 anos, numa gestão considerada a mais inovadora e que abriu as portas da cultura para artistas de baixa renda e para a comunidade, sendo um polo de arte no contexto da formação, criação, estruturação de políticas públicas, apresentação de arte de qualidade e realização de oficinas gratuitas, bem como licitações públicas para promover e financiar obras de arte.

“Chico é um daqueles artistas que tem a arte como sacerdócio, como estilo de vida”, explica Candida-Luz. “A mais qualificada manifestação do homem na terra, a mais refinada expressão do espírito humano”, define Chico Liberato. “Com esta crença, ele sempre demonstrou, por meio da sua arte, o carinho, o amor, o cuidado e o sentimento pelo ser humano. Seja apresentando suas inquietações mais íntimas através dos seus filmes ou apresentando a beleza de tudo o que o ser humano faz com amor, manifesto nas texturas, grafismos e concepção de arte que os povos formadores da cultura brasileira nos trouxe”, revela a produtora.

Esse homem humanista e agregador tem a família como um dos seus maiores exemplos. O contexto da sua casa, do seu lar e do seu casamento sempre foi pautado pela manifestação da arte, em suas diversas linguagens, inclusive de forma pioneira e criativa: artes plásticas, gráficas, cinema, cenários, escultura, instalações e assemblagens. “Sempre com uma leitura pessoal e singular de trazer o que é mais expressivo, nem sempre o mais perfeito. E o seu jeito colaborador e compartilhador faz com que Chico transite, com muito respeito e admiração, nas artes do Brasil e do mundo”, pontua a filha.

De fato, muitos amigos fizeram questão de homenagear Chico Liberato participando do site enviando alguns depoimentos. Entre eles, o artista plástico e crítico de arte César Romero, que costuma dividir Chico em dois, o ser humano e o artista plástico. “Como pessoa, Chico é uma maravilha, educado, de fino trato, sempre tem uma palavra de carinho, de estímulo. Ele é um dos artistas mais significativos do nosso Brasil e tem um grande amor pelo Nordeste. É um artista profundo, de uma simplicidade muito grande e isso é o que o faz, o talento e a simplicidade”.

O diretor de cinema e roteirista José Araripe é outro admirador. “Chico é uma inspiração para mim, para minha geração, para os fãs, artistas, desenhistas e animadores. Eu amo animação, adoro colocar animação nos meus trabalhos, dirigir animação, escrever animação e Chico é a nossa maior inspiração e nos orgulha bastante”.

O diretor e animador Marcelo Marão concorda. “Apesar do meu estilo ser aparentemente muito diferente do de Chico, o trabalho dele sempre foi uma referência e uma inspiração pra mim, porque tudo o que ele fez sempre teve muita verdade, era muito próprio e pessoal. Sempre tinha a voz dele em tudo o que ele fazia, era sempre muito honesto e sincero e isso é essencial no trabalho de um artista”.

‘Casa Chico e Alba Liberato’

Outra grande surpresa do site é o passeio virtual na “Casa Chico e Alba Liberato”, que recebeu o Prêmio Anselmo Serrat e foi elaborado por Henrique Muccini, da Bahia View 360º. O tour será na casa que Chico mora há 45 anos e onde recebeu e acolheu amigos e artistas, promovendo diversos encontros, casamentos, e movimentos artísticos, como encerramentos das jornadas de cinema da Bahia, gravação de trilhas de diversos filmes, produção de curtas metragens e do longa metragem “Boi Aruá”, que levou três anos para ser realizado.

“Chico foi o primeiro, em Salvador, a realizar instalações performáticas. A temática do Boi Aruá promoveu um encontro perceptual de artistas como Ernest Widmer, Lia Robatto e Elomar, resultando em filme, sinfonia, espetáculo de dança e instalação. O filme, muito premiado, foi totalmente produzido de forma artesanal, com a realização de 25 mil desenhos inspirados no cordel”, relembra a esposa Alba Liberato.

“Hoje, a casa guarda a memória desses acontecimentos, e de vários outros, no pensamento e no coração de muitas pessoas que passaram por lá, mas, sobretudo, preserva um verdadeiro museu de sua obra, conservando, na sua coleção particular, os quadros mais queridos, de diversas fases e técnicas. E o internauta poderá conhecer cada cantinho dessa casa no tour virtual, do atelier de Chico ao jardim de Alba”, comenta a filha.

Segundo ela, quando a família escolheu o lugar para morar, a casa também representava uma filosofia de vida do casal Chico e Alba Liberato. Um retiro da cidade, dedicado à criação das artes, ao convívio mais próximo da natureza. Onde se comia o que se plantava e onde se afastavam de alguns elementos da civilização.

“Não tinha televisão em casa, só música. Líamos livros, comíamos frutas do quintal, bebíamos leite da vaca. Nosso lazer era o exercício da arte e de sua experimentação. Quando os amigos chegavam, sempre tinha alguma atividade artística acontecendo. Era um meio de comungar, de viver e descobrir os valores do espírito humano. Ainda hoje o lugar permanece como um oásis e a natureza se mantém resguardada com seus ruídos acolhedores e sua fauna e flora naturais”, ressalta Candida-Luz.

“Esta casa fala pelo vento que entra e sai livremente por suas portas e janelas, abertas quando o sol nasce até a hora de deitar. Nasceu casa de roça. Fala direto ao coração, qualquer um que nela circula sente, não é fala secreta, é clara, direta. Fala de sua vocação, acolher com alegria a vibrátil presença de cada um. Torna-se inevitável, portanto, aqui, perceber, crescer, expandir, prosperar, dar frutos. Tem sido assim. Celebrações na grande mangueira ao redor da fogueira, torés e poesias, cirandas e conversas. Tardes quietas aos domingos, o quintal pulsando secretamente o ritmo da natureza. O topo das árvores colhendo frutos e horizonte de mar ao longe. E todos esses dons a casa os aflora preparando o sentimento para o que destaca sua alma. A nobre roupagem que cobre as paredes em cores de mestre que a construiu e desde sempre a adorna em novos significados com sua companheira. A casa de Chico e Alba e a família gerada em abraço de natureza”, descreve Alba, poeticamente.

Ela conta que a “Casa Chico e Alba Liberato” foi nomeada recentemente, mas que ganhou nome logo após nascida, firmada em sua identidade e vocação de atender à necessidade de titular projetos, onde ela é registrada, fotografada e historiada, transmitindo o sentimento que desde sempre fluiu para quem a habita, visita ou nela trabalha, se tornando, literalmente, nome próprio.

“Ancorada qual arca noelina, ela traz eras na arquitetura moura, entrada larga, pátio para gentes e animais, na destinação de ser traço de união entre o campo e a cidade, entre mitos campesinos e crenças urbanas. Uma casa propícia à imaginação, que trazemos a público pela sua história e madura existência, juntando quem escrevia com quem desenhava, dando prosseguimento ao pioneiro trabalho de olhar em torno apreciando a luminosa cultura popular do nordeste brasileiro, lendas indígenas, africanas, ibéricas, o povo novo miscigenado que se é. Se valendo das câmeras 16mm e super8, o desenho animado aqui nesta casa se robustecia em seguidas produções de diversas natureza. Roteiros, filmes longa metragem em 35mm, vôos autônomos, do Boi Aruá a Ritos de Passagem, telas de cinema aberto ao público, a cultura brasileira se firmando no imaginário em formação. A Casa Liberato sempre recebeu cineastas, intelectuais, crianças curiosas, aprendizes de animação e muitos amigos. Platéia garantida para todas as idades, pronta para prosperar qualquer empreendimento. Viva e dinâmica, a Casa Liberato é isso. Simplesmente Casa Liberato”, conceitua Alba.

O site

A pesquisadora do site “CHICO”, Alba Liberato, afirma que a artista marca lugar de convergência de matrizes culturais brasileiras, formas e conteúdo, de maneira absolutamente singular. “Mitos, símbolos e linguagens encontram nele lugar de miscigenação inequívoca. O estudo da rica imagética vem encontrando crescente interesse pelo artista múltiplo que ele é, na medida em que sua poética vigorosa expressa gentes e costumes que aqui aportaram, formando o povo novo que somos, culturas diversas que dialogam ancoradas na civilização que o fascina como projeto aos 85 anos, a civilização indígena”, destaca.

O texto do site traz definições sobre o artista que passou a integrar o mundo da arte desde que entendeu o seu lugar no mundo, abrindo e explorando caminhos próprios de expressão, completamente identificado com as mais autênticas referências do nordeste brasileiro, justiça social, integração com a natureza, idiossincrasias e sentimentos humanos que pautaram e até hoje compõem sua vida e o universo da sua criação.

Sua trajetória é narrada desde a infância, marcada por muita liberdade e aventuras no Recôncavo Baiano, até os tempos em que frequentava galerias e ateliês, alimentando o interesse por traços, formas e cores. Há, ainda, um relato sobre seu intenso contato com a natureza e convivência com indígenas e como foi o seu caminho de expressão pela arte, o encontro com a linguagem própria, dando forma a materiais diversos que passaram a transmitir seus talentos e inquietações, assim como as manifestações de denúncia, chamando a atenção para o problema da fome no Nordeste.

Também revela o trânsito no meio artístico nacional, que facilitou articulações com nomes consagrados da época e o êxito de eventos que ajudaram a tirar Salvador do provincianismo cultural. Os tempos da ditadura militar também não foram esquecidos, uma vez que o regime dificultou as atividades artísticas no país, levando Chico Liberato a se dedicar às artes gráficas, sem deixar de criar formas alternativas de expressão e resistência nem suas ideias de acessibilidade às artes, com um talento que já havia se expandido para a tridimensionalidade. Foram décadas de uma rica produção que renderam reconhecimento ao artista, em seguidas e justas homenagens.

Seu legado é marcado por experimentações com desenho, pintura, recorte e colagem, que lhe projetaram no mundo da arte rompendo todos os limites, numa busca incessante pela expressão que o conduziu a pesquisas resultando em um rico acervo, em diferentes formatos, sempre em diálogo com o que trazia impregnado à alma: a natureza como fonte inesgotável de beleza, a relação do homem com o que lhe transcende, a dor de existir em meio a tantas desigualdades e a plenitude de viver em sintonia com o seu sagrado. A harmoniosa convivência entre os seres e a expansão de seus sentidos, expressa na explosão de cores que sua obra veio a incorporar. Seja em abstrações ou na concretude das imagens, sua temática é plena de brasilidades e imbuída de sentido universal, contando um modo particular de viver que cabe o mundo inteiro.

Nas artes plásticas, a produção de Chico Liberato transita entre o plano e o espaço, ganhando expressão no movimento de corpos e fundindo-se à música, em instalações artísticas. Sua obra, fragmentada em quadros, objetos e esculturas, possui coesão e organicidade e traduz a constante insatisfação e busca por novos materiais e formas de expressão, que deem conta do seu ver, sentir e compreender o mundo com uma carga de dramaticidade e lirismo na plasticidade de seu trabalho, sempre fiel a seu estilo.

As linhas, relevos, tintas e cores trazem a essência sertaneja, com a qual sempre se identificou, e evocam sua memória visual e afetiva. A fauna e a flora também são reverenciadas no seu trabalho, cuja estética é quase cênica, carregada de conteúdos e uma grande riqueza de histórias, quase todas documentadas no site.

Após 68, a ditadura instaurada no país estancou investimentos e censurou obras de arte, fazendo estagnar a produção, principalmente a exploração de temáticas ousadas, da chamada arte engajada. Espaços de exposição foram fechados, obras destruídas, artistas perseguidos. Mas Chico Liberato manteve sua força resistente, criativa e realizadora. Para sobreviver, se dedicou às artes gráficas, atividade que lhe possibilitou novas buscas de expressão, ampliadas com o surgimento de recursos de impressão. Da serigrafia para o offset, ele acompanhou com interesse as inovações da indústria gráfica e enriqueceu os materiais de apresentação dos clientes, do universo público e privado. Em paralelo a projetos que desenvolvia por conta própria, em seu ateliê, criou a identidade visual de um sem número de empresas, fez a arte de cartazes promocionais e de publicações diversas, além de dirigir vídeos institucionais. Tudo registrado no site.

Já as experiências de Chico Liberato com animação remontam à 1972, ano de realização da I Jornada de Cinema da Bahia. O interesse surgiu de um encontro casual com Guido Araújo, seu realizador, que lhe incutiu a ideia. Foi o suficiente para a alma irrequieta do artista despertar para a possibilidade de animar seus traços e roteirizar seus personagens. Os primeiros curtas foram produzidos com equipamento improvisado: mesa de luz construída por ele mesmo e câmera fotográfica utilizada como filmadora. Retratos, recortes, desenhos, tudo se prestou às montagens, extraídas de histórias familiares, memórias da cidade do Salvador, lendas ou literatura também documentadas na plataforma digital.

Navegando pelo site “CHICO”, é possível perceber que as temáticas trilhavam o mesmo percurso da sua obra, enredando por questões sociais, existenciais e místicas. Assim, foram produzidos sucessivos curtas metragens, que chamaram a atenção pela estética, conteúdo e pioneirismo em fazer cinema de animação no Nordeste. A experimentação o levou ao premiado longa metragem Boi Aruá, projeto inspirado na mais genuína cultura popular do sertão nordestino. A partir de 1984, a atividade de produção audiovisual é descontinuada, mas não interrompida. Chico Liberato produz alguns curtas e o segundo longa, Ritos de Passagem, que inaugura nova fase de produção, com a utilização de recursos tecnológicos de computação.

Esse é o espírito educador que revelou o artista como oficineiro, levando-o a compartilhar saberes com diferentes públicos, em especial na área de cinema de animação, em que se tornou referência internacional e, agora, também virtualmente.

Obra de Chico Liberato 'BOIARUA'.
Obra de Chico Liberato ‘BOIARUA’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 114875 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.