Presidente dos EUA reconhece genocídio armênio ocorrido na 1ª Guerra Mundial

Anúncio do Governo dos EUA foi feito no Dia da Memória do Genocídio, em que armênios de todo o mundo relembram o massacre. É a primeira vez que um presidente estadunidense usa o termo genocídio para se referir ao extermínio de 1,5 milhão de armênios pelo Império Otomano. Turquia reage e define a iniciativa como "oportunismo político".
Anúncio do Governo dos EUA foi feito no Dia da Memória do Genocídio, em que armênios de todo o mundo relembram o massacre. É a primeira vez que um presidente estadunidense usa o termo genocídio para se referir ao extermínio de 1,5 milhão de armênios pelo Império Otomano. Turquia reage e define a iniciativa como "oportunismo político".

O presidente Joe Biden afirmou em um comunicado neste sábado (24/04/2021) que os Estados Unidos reconhecem o extermínio em massa de cerca de 1,5 milhão de armênios pelo Império Otomano em 1915, ocorrido durante a Primeira Guerra Mundial, como um genocídio.

“Lembramos as vidas de todos os que morreram no genocídio armênio na era otomana e reiteramos nosso compromisso de evitar que uma atrocidade como essa ocorra novamente”, ele disse. “E lembramos para que sigamos sempre alertas contra a influência corrosiva do ódio em todas as suas formas.”

O anúncio foi feito no Dia da Memória do Genocídio, em que armênios de todo o mundo relembram o ocorrido.

O genocídio armênio é reconhecido por historiadores e diversos países, incluindo Alemanha, França e Itália, além da Igreja Católica, as Nações Unidas e o Parlamento Europeu. Em 2015, o Senado brasileiro aprovou uma resolução reconhecendo o uso do termo genocídio para o massacre.

O governo da Turquia admite que o Império Otomano, que lutou na Primeira Guerra Mundial ao lado da Alemanha e do Império Austro-Húngaro, cometeu massacres contra a população armênia, mas nega que o episódio possa ser classificado como genocídio, pois o termo não seria utilizado na época.

O conceito de “genocídio” foi definido pela ONU em 1948 como atos cometidos com a intenção de destruir, total ou parcialmente, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso.

Reação da Turquia

Minutos após a declaração de Biden, a Turquia respondeu que rejeita “em sua totalidade” o uso do termo genocídio para se referir ao massacre de armênios durante a Primeira Guerra Mundial.

“Não temos nada a aprender de ninguém sobre o nosso próprio passado. Oportunismo político é a maior traição à paz e à justiça”, escreveu no Twitter o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu. “Rejeitamos inteiramente esse comunicado [de Biden] baseado somente no populismo”.

Em seguida, o porta-voz presidencial da Turquia, Ibrahim Kalin, sugeriu a Biden olhar para a história americana recente antes de criticar outros países.

“Condenamos com firmeza e rejeitamos as afirmações do presidente dos EUA, que somente repetem acusações daqueles cuja única agenda é a inimizade com o nosso país”, disse Kalin. “Recomendamos ao presidente dos EUA que olhe para o seu próprio passado e presente [de seu país].”

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9979 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).