Pandemia e vacinação gera crise política entre prefeito Colbert Martins e secretário estadual Fábio Vilas-Boas; Feira de Santana está com imunização em atraso, segundo Governo; Prefeitura diz que existe boicote

Por serem médicos, secretário estadual Fábio Vilas-Boas e prefeito Colbert Martins Filho deveriam ter facilidade de diálogo sobre meios para superação da pandemia e imunização da população, mas o que se observa é que vaidades pessoais e diferenças políticas tornam-se impeditivo de diálogo produtivo que resulte em benefício da população.
Por serem médicos, secretário estadual Fábio Vilas-Boas e prefeito Colbert Martins Filho deveriam ter facilidade de diálogo sobre meios para superação da pandemia e imunização da população, mas o que se observa é que vaidades pessoais e diferenças políticas tornam-se impeditivo de diálogo produtivo que resulte em benefício da população.

Uma crise política entre dois médicos, em meio a uma pandemia que nesta terça-feira (06/04/2021) vitimou 4.195 brasileiros, sendo que, destes, 122 ocorreram no âmbito do estado da Bahia, enquanto 3 casos foram registrados em Feira de Santana.

O desalentador cenário da Covid-19 que aflige parte da população, cujo governante é o inepto Jair Bolsonaro (sem partido), adquiriu contornos ainda mais severos na Bahia, com a disputa de vaidades protagonizadas pelo médico Fábio Vilas-Boas, secretário estadual da Saúde e o colega, Colbert Martins Filho, prefeito de Feira de Santana.

A troca mútua de acusações não produz efeito prático, em um cenário onde pessoas inteligentes devem superar as vaidades pessoais e diferenças políticas, objetivando salvar vidas e sobrepujar a tragédia humana que ocorre no país.

De um lado, o secretário diz que existe atraso na vacinação de Feira de Santana e do outro, o prefeito informa que existe boicote na distribuição de imunizantes à certos municípios. No centro, a necessidade de diálogo e construção de consenso sobre como superar a pandemia e a crise socioeconômica que vitima a população.

A seguir, confira as versões oficiais do debate entre os gestores públicos.

Os comunicados

Gestão municipal ineficiente faz com que Feira de Santana esteja na 225ª posição em vacinação na Bahia, diz SESAB

É lamentável que o Prefeito Colbert Martins, continue dedicando seu tempo a criticar o Governo do Estado, ao invés de cuidar da saúde do seu município. Considerando o baixo percentual aplicado (91,6%), Feira de Santana está em 225º colocação no ranking de vacinação dos 417 municípios baianos.

Foco inicial da pandemia da Covid-19 na Bahia, Feira de Santana já acumula mais de 35 mil contaminados, incluindo 616 óbitos. Numa série de decisões equivocadas sobre abrir e fechar o comércio, o prefeito hoje já não possui mais o controle da pandemia no seu município.

Prova da ausência de gestão na saúde é o fato de apesar de Feira de Santana ser o segundo município que mais recebeu doses de vacina no estado (76.499), ainda assim, não consegue vacinar a sua população no ritmo do resto do estado. Até ontem, apenas 70.075 pessoas haviam sido vacinadas em Feira (91,6%), restando ainda 6.424 doses sem serem aplicadas, deixando sua população exposta ao contágio pelo coronavírus.

Apenas a título de comparação, entre os 10 municípios que mais receberam doses, Feira perde para Lauro de Freitas (107,5%); Camaçari (106,9%), Alagoinhas (103,1%), Salvador (100,8%), Vitória da Conquista (99,1%), Jequié (98,3%) e Ilhéus (96,7%).

Secretário estadual bloqueia vacinas para o interior do Estado; São 40 mil doses que poderiam ser distribuídas aos 417 municípios, diz Governo Colbert Martins

“O secretário de Saúde Fábio Villas Boas atropelou a CIB (Comissão Intergestora Bipartite) e autoritariamente decidiu sobre vacinas que não são dele, não são do Estado”. Protestou o prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins, contra a decisão do secretário em não distribuir 40 mil doses contra a Covid-19, armazenadas em Simões Filho.

Numa gravação de Whatsapp, o secretário pede que a diretora da CIB, Stela dos Santos Souza, explique aos secretários de Saúde dos municípios que as 40 mil doses não serão distribuídas por se tratar de uma “quantidade muito pequena”. Villas Boas acrescenta na gravação que todas deverão ser usadas em Salvador.

“Não é uma decisão que cabe ao secretário. Se fosse o caso, isso teria que ser uma decisão da CIB, que, sendo assim, foi desrespeitada por ele. Mais uma vez, o secretário tenta prejudicar a vacinação em Feira de Santana, bem como em outros municípios”, argumentou o prefeito.

Colbert Martins lembrou que problemas de logística não ocorreram na Bahia até hoje, e que o Governo Federal determina a distribuição proporcional à população do Município. “Este princípio não pode ser alterado por decisão pessoal de ninguém. Privilegiar pessoas de um município não é ético, e é discriminar baianos e baianas de todos os 417 municípios da Bahia”, finalizou.

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9308 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).