“Um crime contra o Brasil”, diz deputado Robinson Almeida, sobre venda da Refinaria Landhulpo Alves

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Vista aérea Refinaria Landulpho Alves-Mataripe (RLAM), localizada no município de São Francisco do Conde.
Vista aérea Refinaria Landulpho Alves-Mataripe (RLAM), localizada no município de São Francisco do Conde.

O deputado estadual Robinson Almeida (PT) criticou a venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), em São Francisco do Conde, aprovada pelo Conselho de Administração da Petrobras na quarta-feira (24/03/2021) e considerou a iniciativa, orientada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro, “um crime contra o Brasil”. Avaliada em $ 4 bilhões, a refinaria e seus ativos logísticos associados foram vendidos para o fundo Árabe, Mubadala Capital, por US$ 1,65 bilhão (cerca de R$ 9,1 bilhões), bem abaixo da metade do valor de mercado da Rlam. A refinaria baiana será a primeira dentre as oito brasileira que estão em processo de venda a ter o contrato assinado, o que impactará ainda mais nos preços do gás e dos combustíveis, tornando à vida brasileira mais cara.

“O Governo Bolsonaro segue com o plano de entregar o patrimônio brasileiro ao capital estrangeiro. Desde o golpe de 2016 que o país assiste a uma liquidação do seu futuro. Agora foi a vez da Refinaria Landulpho Alves, responsável por cerca de 14% da capacidade total de refino de petróleo do país, vendida por R$ 1,65 bilhão, cinco vezes menor que o valor avaliado”, analisou o parlamentar.

“Não há precedente em nenhum país desenvolvido do mundo, que tem um projeto de Nação bem estabelecido, em prol de seu povo, vender seus ativos estratégicos a qualquer preço, imagina a preço de banana. Um grande desserviço ao Brasil, a nossa soberania energética, um crime de lesa-pátria”, concluiu Robinson.

Sobre Carlos Augusto 9613 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).