STJ acolhe remete ação penal envolvendo mulher do governador afastado Wilson Witzel à Justiça Federal no Rio de Janeiro

Benedito Gonçalves, ministro do STJ.
Benedito Gonçalves, ministro do STJ.

Por decisão unânime, a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) acolheu parcialmente os embargos de declaração do Ministério Púbico Federal (MPF) na Ação Penal 976, e determinou que o processo envolvendo Helena Witzel – mulher do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel – e outras sete pessoas deixe de tramitar na Justiça Estadual do Rio de Janeiro e passe a correr na 7ª Vara Federal Criminal daquele estado. A deliberação ocorreu nesta quarta-feira (17/03/2021), durante sessão por videoconferência.

Wilson Witzel (PSC) tornou-se réu na Ação Penal 976, por determinação da Corte Especial em 11 de fevereiro deste ano. Na ocasião, o colegiado também desmembrou o processo, mantendo no STJ apenas o caso relativo ao governador afastado, que tem foro por prerrogativa de função junto ao colegiado. Quanto aos demais envolvidos nas investigações – Helena Witzel, Alessandro de Araújo Duarte, Mário Peixoto, Lucas Tristão do Carmo, Cassiano Luiz da Silva, Juan Elias Neves de Paula, João Marcos Borges Mattos e Gothardo Lopes Netto –, decidiu-se remeter o processo à Justiça Estadual. Nesse caso, Wilson Witzel é acusado de solicitar e receber vantagem indevida no total de R$ 554 mil para beneficiar empresas responsáveis pela gestão de hospitais no Rio.

No recurso do MPF, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo defendeu a necessidade da manutenção de todo o processo no STJ. Subsidiariamente, requereu a remessa do caso à 7ª Vara Federal do RJ, preventa para o processamento e julgamento da ação penal, pois nela já tramita a Operação Favorito, que tem relação direta com os fatos.

Embora tenha negado o primeiro pedido, o ministro Benedito Gonçalves reconheceu ocorrência de omissão quanto à remessa para a Justiça Estadual. Conforme destacado pelo MPF, a origem das provas que levaram à propositura da ação penal é tanto a unidade do MPF quanto o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. O material remetido pelo MPF refere-se à Operação Favorito, em trâmite na 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro e inclui dados decorrentes de interceptações telefônicas autorizadas judicialmente, os quais indicam que o empresário Mário Peixoto pagou vantagem indevida ao governador afastado.

“Os embargos de declaração devem ser acolhidos, no particular, para que seja suprida a omissão, a fim de determinar o encaminhamento da cópia dos autos não à Justiça do Estado do Rio de Janeiro, para onde já foram enviados, mas sim para a Justiça Federal, mais precisamente para a 7ª Vara Federal Criminal”, concluiu Gonçalves.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 110893 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]