Na ONU, Comissão Arns e Conectas denunciam Governo Bolsonaro por ‘devastadora tragédia humanitária’

Em discurso realizado pelas entidades nesta segunda (15/03/2021), organizações condenaram rumos da saúde e economia e deboche do extremista Jair Bolsonaro sobre dor das famílias brasileiras.
Em discurso realizado pelas entidades nesta segunda (15/03/2021), organizações condenaram rumos da saúde e economia e deboche do extremista Jair Bolsonaro sobre dor das famílias brasileiras.

“A situação do Brasil é desesperadora”, definiu a representante da Comissão Arns, Maria Hermínia Tavares de Almeida, na manhã desta segunda-feira (15/03/2021), no Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, Suíça. A denúncia, realizada em parceria com a Conectas Direitos Humanos, ocorreu quando o Brasil contabilizava mais de 278 mil mortes causadas pela Covid-19.

“Viemos aqui hoje para criticar as atitudes recorrentes do presidente Jair Bolsonaro sobre a pandemia. Ele desdenha das recomendações dos cientistas; ele tem, repetidamente, semeado descrédito em todas as medidas de proteção – como o uso de máscaras e distanciamento social; promoveu o uso de drogas ineficazes; paralisou a capacidade de coordenação da autoridade federal de Saúde; descartou a importância das vacinas; riu dos temores e lágrimas das famílias e disse aos brasileiros para parar ‘de frescura e mimimi'”, destacaram.

As entidades ainda lembraram que todas as medidas econômicas e sanitárias em vigor no país ocorreram por determinação dos poderes legislativo e judiciário federal, bem como de governadores e prefeitos.

“É por isso que estamos aqui, hoje, para chamar a atenção deste Conselho e apontar a responsabilidade do Presidente Bolsonaro em promover, por palavras e atos, uma devastadora tragédia humanitária, social e econômica no Brasil”, finalizaram.

Sobre Carlos Augusto 9462 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).