MPBA aciona Midas Trend; Empresa está envolvida em vendas de criptomoedas sem autorização da CVM

MPBA acionou a empresa MT Desenvolvimento Tecnológico LTDA (Midas Trend).
MPBA acionou a empresa MT Desenvolvimento Tecnológico LTDA (Midas Trend).

O Ministério Público da Bahia (MPBA), por meio da promotora de Justiça Joseane Suzart, acionou a empresa MT Desenvolvimento Tecnológico LTDA (Midas Trend) e seus sócios Deivanir e Devanney Vieira Santos em razão da venda de criptomoedas (bitcoins) sem autorização da Comissão de Valores Imobiliários (CVM). Na ação, o MP requer que a empresa não oferte para o público e contratantes, Contratos de Investimento Coletivo (CIC’s) sobre operações de arbitragem, com ou sem o robô BotMidas, assim como interrompa a realização de quaisquer movimentações financeiras com dinheiro investido por consumidores, além de não propagar a falsa expectativa de que as empresas demandadas possuem estrutura sólida e regular no mercado, gozando de chancela dos órgãos públicos competentes.

Na ação, o MP requer também que a empresa não realize ofertas de investimentos com base em criptomoedas (bitcoins), assegurando aos consumidores ganhos fraudulentos e inalcançáveis; interrompam a oferta e realização do marketing multinível, em vista do modelo negocial ser comprovadamente insustentável, concedendo aos consumidores afiliados expectativas irreais de ganhos fáceis; e cumpram os termos contratuais lícitos que venham a ofertar ao público consumidor após prévia autorização dos órgãos públicos competentes, atendendo às solicitações de estornos e saques.

Segundo a promotora de Justiça Joseane Suzart, em pesquisas realizadas no sítio eletrônico intitulado Reclame Aqui foram constatadas que a grande maioria das reclamações são de consumidores denunciando que a Midas Trend estaria retendo dinheiro dos destinatários finais ao tempo em que realizava propaganda enganosa. “Até o dia 16 de setembro de 2020, foram encontradas 690 denúncias no referido sítio eletrônico, onde foram encontradas reclamações sobre a dificuldade no reembolso; de acesso à conta; dificuldade no contato e no cancelamento do contrato firmado, dentre outras”, ressaltou.

*Com informações do Ministério Público da Bahia (MPBA).

Sobre Carlos Augusto 9514 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).