“Melhor forma de erradicar a miséria é dar dinheiro para o pobre”, diz Paulo Guedes no Senado

Paulo Guedes: tivemos que ter uma pandemia para aprender que o dinheiro tem que ir para o pobre sem um intermediário.
Paulo Guedes: tivemos que ter uma pandemia para aprender que o dinheiro tem que ir para o pobre sem um intermediário.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participou de audiência pública no Senado Federal nesta quinta-feira (25/03/2021). O diálogo faz parte das ações da Comissão Temporária da Covid-19, criada em fevereiro. Sabatinado sobre as estratégias econômicas na pandemia, Guedes comentou sobre o auxílio emergencial, o enfrentamento do governo ao vírus e outros temas.

Nas falas iniciais o ministro criticou as políticas econômicas dos governos anteriores à gestão de Bolsonaro no que se refere à assistência social.

“A melhor forma de erradicar a miséria é dar dinheiro para o pobre. Tivemos que ter uma pandemia para aprender que o dinheiro tem que ir para o pobre sem um intermediário. Os intermediários são essas aparelhagens políticas do país, que, ao invés de dar o dinheiro direto para quem precisa, o mesmo ia para as corporações, sindicatos, grupos políticos que se elegem”, afirmou.

Ainda sobre programas de assistência às camadas mais vulneráveis da população, Paulo Guedes disse que o Brasil pode fazer um trabalho muito importante no tema com a criação de um fundo de renda básica.

“Imagina que tenhamos esse Fundo Brasil, separemos os ativos que dão retorno, os que vão ser vendidos, colocamos nesse Fundo Brasil e podemos fazer o seguinte: o que for mantido sob o estado, esses dividendos, uma parte disso, pode ir para ajudar no Renda Brasil, complementar, permitir um programa social mais robusto. Esses dividendos, vendas eventuais de empresas estatais, para que o povo sinta que as estatais são deles. ”

Lockdown e medidas sanitárias

A Comissão Temporária da Covid-19 é composta por seis senadores titulares e seis senadores suplentes, que participaram da audiência com apontamentos e perguntas. O ministro foi questionado pelo senador, Wellington Fagundes (PL-MT), sobre a visão econômica da estratégia de lockdown, com fechamento de atividades não essenciais para conter o avanço do coronavírus.

O parlamentar citou a carta pública de economistas, assinada por ex-ministros da Fazenda e ex-presidentes do Banco Central, por exemplo, que afirma que “é urgente que os diferentes níveis de governo estejam preparados para implementar um lockdown emergencial. ”

Guedes foi breve na resposta. “O lockdown é para desacelerar a velocidade de contágio enquanto se acelera a velocidade de vacina”, disse. Representantes do governo federal também não comentaram sobre a possibilidade do isolamento social na tarde de ontem (24), quando o presidente da República, Jair Bolsonaro, anunciou a criação de um comitê estratégico contra a pandemia. Bolsonaro, porém, garantiu que o Brasil se dedicará à vacinação em massa.

O ministro opinou que o país viveu “duas guerras” com as duas ondas de casos e óbitos em decorrência da Covid-19, mas pontuou que a economia começava a apresentar retornos positivos no fim de 2020, frustrados pelas novas cepas do vírus e evolução da transmissão. Para ele, o momento é de buscar vacinas para aumentar o ritmo de imunizações.

“Temos que vacinar em massa aceleradamente, nos próximos 30, 60 dias, vacinar com o setor privado, com o setor público. Se o setor privado der as vacinas para vacinar idosos, a gente pode dar isenção para as doações. Se os bilionários brasileiros quiserem ajudar, e querem ajudar, podem ter isenção para comprar vacinas e doar ao povo brasileiro. ”

O senador Jean Paul Prates (PT-RN) levantou que as atitudes comportamentais de representantes do governo e a falta de adoção de medidas recomendadas pelos órgãos de saúde de todo o mundo, como o uso de máscara, prejudicaram o Brasil em diversos campos ao longo de 2020. Segundo o parlamentar, Guedes não pode avaliar o fim do ano passado como uma guerra vencida só observando possíveis retomadas econômicas.

“As medidas sanitárias foram desrespeitadas, foram ridicularizadas, foram menosprezadas. Talvez não pelo ministro Paulo Guedes, que está reafirmando que tem juízo, mas por outros do governo com certeza, e com muita influência, inclusive do presidente da República. Quase como uma guerra ideológica. Só porque o petista usa máscara eu não vou usar máscara, porque fulano preconizou o isolamento social, eu vou dizer que não precisa. Tanto que o pessoal que fazia isso percebeu e parece mudar de hábitos. ”

Educação

Os problemas da educação do país com escolas fechadas também foram citados. Na avaliação de Guedes, o contexto atual do aprendizado no Brasil vive uma tragédia, mas há recursos disponíveis para o enfrentamento.

“Não podemos perder esses jovens que estão em casa, os mais frágeis sem equipamentos, em cômodos com seis, sete pessoas confinadas, sem conseguir ter aulas a distância. O ideal era vacinar os professores. Não podemos perder essa geração de crianças com um, dois, três anos sem aulas. Recursos não faltam”, comentou. A audiência teve início às 10 horas e foi finalizada às 12:25 horas.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111204 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]