General ministro Eduardo Pazuello admite falta na vacinação e país tem recorde de mortes por Covid-19

Ações do general ministro Eduardo Pazuello resultam em atraso na política de vacinação contra a Covid-19.
Ações do general ministro Eduardo Pazuello resultam em atraso na política de vacinação contra a Covid-19.

Enquanto a população brasileira paga com a própria vida pela atuação criminosa do governo Jair Bolsonaro na crise sanitária do novo coronavírus, o país simplesmente não tem vacinas para imunizar a população, como admitiu o próprio ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

Em carta endereçada à China, o governo engoliu o próprio orgulho – após inúmeros ataques de Bolsonaro ao povo chinês desde que tomou posse – para pedir 30 milhões de doses da Sinopharm. Em meio ao caos, o país segue batendo recorde de mortes por Covid-19, resultado da política genocida do presidente. Nesta terça-feira (09/03/2021), foram registrados 1.972 óbitos, mais um número estarrecedor de vítimas fatais em 24 horas.

O país já passou dos 48 dias com mais de mil mortes por dia, totalizando 268.568 óbitos e 11,1 milhões de casos. Agora, o Brasil superou os EUA em vítimas fatais diárias pela quinta vez. Só no mês de março, 13.550 brasileiros morreram, de acordo com o consórcio de veículos de imprensa.

A pandemia vem devastando as regiões mais empobrecidas, cujas populações estão à própria sorte desde o fim do auxílio emergencial. “É uma situação muito complexa, mas isso ficou mais exposto nos países onde tem falta de estrutura de bem-estar social – não apenas sistema de saúde, mas de apoio para aquelas populações vulneráveis e, principalmente, com um número muito grande de vulneráveis”, considera o professor da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Airton Stein, em depoimento ao ‘G1’.

Explosão de novos casos

A média móvel de casos na última semana foi de 68.167 novas infecções por dia, o maior número desde o início do surto. Além disso. Nada menos do que 21 estados registram alta na média de mortes ao mesmo tempo em que 80% dos leitos de UTI estão ocupados em 25 unidades federativas.

Segundo a carta assinada pelo secretário-executivo da Saúde, Antônio Elcio Franco Filho, no quadro atual de escassez de vacinas, a campanha nacional de imunização corre o risco de ser interrompida. “Por conta disso, o Ministério da Saúde vem buscando estabelecer contato com novos fornecedores, em especial a Sinopharm, cuja vacina é de comprovada eficácia contra a Covid-19”, diz o documento.

O cenário é resultado direto da incompetência de Pazuello e da negligência de Bolsonaro. Segundo levantamento do UOL, de 13 vacinas em avaliação para uso emergencial na Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil ignorou seis. São elas: Ad5-nCoV, do laboratório chinês CanSino, Sinopharma – que só agora entrou na lista de preferências do governo – a americana Novavax, a russa EpiVacCorona e as chinesas Zhifei Longcom e IMBCams.

Soma-se à política de sabotagem de Bolsonaro a rejeição a 70 milhões de doses da Pfizer, oferecidas em agosto, e a decisão de obter apenas 10% da cobertura vacinal da Covax, consórcio comandado pela OMS, quando poderia ter optado por 50%. Sem contar o imunizante russo Sputnik V, amplamente reconhecido na Europa por sua eficácia acima de 90% contra a doença.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109904 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]