Em tese, ‘Sindicato do Crime’ formado por membros da força-tarefa do Caso Lava Jato atuou como partido e quis dinheiro da Odebrecht; Evidências apontam para grave atividade criminosa

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Troca de mensagens entre Deltan Dallagnol, procuradores da República do Caso Lava Jato e o então juiz Sérgio Moro prova que objetivo deste, em tese, ‘Sindicato do Crime’, foi tirar Lula das eleições de 2018 e eleger políticos de “agenda liberal”.
Troca de mensagens entre Deltan Dallagnol, procuradores da República do Caso Lava Jato e o então juiz Sérgio Moro prova que objetivo deste, em tese, ‘Sindicato do Crime’, foi tirar Lula das eleições de 2018 e eleger políticos de “agenda liberal”.

Novas mensagens de celular trocadas entre Deltan Dallagnol e outros procuradores da Lava Jato comprovam que os membros da operação atuaram como um partido político que tinha como finalidade retirar o ex-presidente Lula do cenário eleitoral e ajudar a eleição de candidatos que fizessem a defesa da “agenda liberal”.

Mais chocante ainda: para colocar em prática sua estratégia, os procuradores buscavam contar com recursos de empresas que eram alvo da Lava Jato, especialmente a construtora Odebrecht.

As mensagens que comprovam essa atuação foram apreendidas na Operação Spoofing, da Polícia Federal, e, após serem analisadas pela defesa de Lula, foram encaminhadas ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta terça-feira (09/03/2021) — acesse a íntegra abaixo.

A atuação político-partidária da Lava Jato fica clara em várias mensagens. Em uma delas, de 26 de outubro de 2017 (um ano antes das eleições gerais), Deltan Dallagnol narra como articulou com movimentos de direita a produção de uma lista de “políticos em quem não votar” e o uso de “instrumentos de mídias sociais” para realizar campanhas contra eles em um “raio de 100km das cidades que são seus redutos eleitorais”.

Com o mesmo grupo, Deltan elaborou “uma frente por renovação, que aglutinará entidades da sociedade civil que concordem com uma agenda liberal sem protagonista”. Em seguida, informou ao colegas no grupo do Telegram: “Estão desenvolvendo a agenda e juntarão uma série de entidades que apoiarão candidatos com condições de se eleger e que se comprometam com a agenda”.

Segundo afirmam os advogados de Lula no documento enviado ao STF, dirigido ao ministro Ricardo Lewandowski, fica comprovado que os procuradores tinham visão política contrária à do PT e estavam dispostos a fazer com que outra corrente vencesse as eleições que ocorreriam no ano seguinte, sempre com a participação do ex-juiz Sergio Moro.

“A ‘lava jato’ se arvorou no direito de definir quem poderia ser candidato e quem não poderia ser candidato no país, em atividade claramente estranha às atribuições de membros do Ministério Público e aos preceitos e fundamentos estruturantes da Constituição da República”, escrevem os advogados na petição. “O antagonismo político da ‘lava jato’ com o Reclamante e a atuação político-partidária de seus membros para eleger ‘candidatos que se comprometam com a agenda’ da própria ‘lava jato’ é de clareza solar de acordo com os novos documentos analisados”, completam.

A preocupação em alterar os rumos da eleição foi uma constante da Lava Jato, com o tema sendo recorrente na troca de mensagens. Em 8 de fevereiro de 2018, Dallagnol ressaltou para os colegas que deveriam intensificar a campanha de divulgação das 10 medidas contra a corrupção como forma de afetar as eleições. “O tempo até as eleições é curto”, disse, acrescentando mais à frente: “Quatro meses para atingir o país é pouquíssimo tempo”.

Dinheiro da Odebrecht

Sem limites em sua ousadia, a Lava Jato traçou a estratégia de adquirir o dinheiro para financiar seu projeto político com empresas que eram seus alvos, como a construtora Odebrecht. Diálogos ocorridos em 27 de outubro de 2017, por exemplo, mostram Deltan Dallagnol expondo a ideia de “sugerir” à Odebrecht a contratação de consultorias indicadas pela Lava Jato, “em atenção a cumprir o acordo de colaboração”.

Segundo os advogados de Lula, o conjunto de mensagens “mostra o plano da ‘lava jato’ de usar de instrumentos legais para impor penalidades a pessoas e a empresas, como os acordos de colaboração, para viabilizar o projeto (político)”.

Nesta parte do requerimento, a defesa do ex-presidente conclui: “É preciso dizer mais sobre o caráter ilegítimo dos processos envolvendo o Reclamante (Lula)? É preciso dizer mais para demonstrar o lawfare?”, ou seja, o uso da Justiça como ferramenta de perseguição a Lula.

Operação Spoofing revela Sindicato do Crime

Mensagens apreendidas pela Polícia Federal (PF) durante deflagração da Operação Spoofing, ocorrida em 23 de julho de 2019, com o objetivo de investigar as invasões às contas de Telegram de membros da força-tarefa do caso Lava Jato em Curitiba e do, à época da Operação, ministro Sérgio Moro, então juiz federal encarregado do caso, revelaram possível conluio em mensagens de procuradores da República, com uso vulgar da linguagem, cuja tipicidade é de facínoras e se encontra distante do que se espera dos mais bem remunerados servidores da República. O que levanta a hipótese de que uma espécie de ‘Sindicato do Crime’ parece ter operado através da força-tarefa do Caso Lava Jato, no Ministério Público Federal (MPF), em conluio com juízes federais, policiais federais e membros da Receita Federal.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 123318 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.