Circo dos horrores: Vereador Fernando Torres usa tempo na tribuna da Câmara Municipal de Feira de Santana para dizer quem é feio, quem é bonito e para atacar membro do Governo Colbert Martins

Vereador Fernando Torres promove ‘circo dos horrores’ ao realizar pronunciamentos na tribuna da Câmara Municipal de Feira de Santana.
Vereador Fernando Torres promove ‘circo dos horrores’ ao realizar pronunciamentos na tribuna da Câmara Municipal de Feira de Santana.

Desde que assumiu a presidência da Câmara Municipal de Feira de Santana (CMFS), o vereador Fernando Torres (PSD) tem promovido verdadeiro ‘circo dos horrores’ com xingamentos, gritos e tentativa de intimidação feitos através de patéticos e desqualificados pronunciamentos realizados no plenário do legislativo municipal.

O decadente festival de deseducação protagonizado por Fernando Torres se repetiu nesta quarta-feira (17/03/2021). O parlamentar, ao tentar bancar o cômico animador de auditório, fez gracejos com a vereadora Luciane Aparecida (Lú de Ronny, MDB) e com membro da imprensa. Na sequência, contestou a crítica de fala vexatória feita contra a ele, no dia anterior, pelo vice-líder do governo, vereador Pedro Américo (DEM).

Fernando Torres concluiu a verborragia ao reportar possível indício de corrupção envolvendo cooperativa de serviços que atuou na gestão de José Carneiro Rocha (MDB), quando o mesmo ocupou, por cerca de 3 anos, a presidência do legislativo.

Reeleito vereador, José Carneiro se licenciou do cargo e, a convite do prefeito Colbert Martins (MDB), assumiu a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Naturais.

Baixa educação formal combinada com poder econômico

O edil é uma demonstração inequívoca de que deter certa quantidade de poder econômico, no caso dele, cerca de R$ 8 milhões, não se traduz em boa educação. A situação é agravada quando observado o “nível” de educação formal declarado por Fernando Torres à Justiça Eleitoral.

“É possível supor que, se tivesse estudado um pouco mais, não abriria a boca para dizer tantas asneiras”, diz cidadão decepcionado com a desqualificada atuação do presidente da CMFS, que acrescenta, “é um sujeito com discurso e comportamento deploráveis”.

Tentativa de fragilizar Governo Colbert Martins

Se falta polidez no discurso do vereador Fernando Torres, em ordem inversa é a sanha por poder. Neste sentido, ele, ao lado de Josse Paulão (Paulão), outro sujeito com “nível” de educação formal declarada à Justiça Eleitoral, tenta fragilizar a base governista de Colbert Martins na Câmara.

Neste contexto, eles lideraram a criação do grupo ‘Os Aliados’, formado por 10, dos 18 vereadores da base governista. Jocosamente, membros da comunidade observaram o movimento político como ‘Os Aliados no Questionável Interesse por Poder e Dinheiro Público’, ou seja, formam uma espécie de amontoado de políticos que se unem para, possivelmente, enriquecer através da influência junto ao Poder Executivo Municipal.

Além deste fator, existe uma óbvia ação combinada entre Fernando Torres e Paulão com a finalidade de promover ataques contra aliados do prefeito, a exemplo do líder do governo na Câmara, vereador Luiz Augusto de Jesus (Lulinha, DEM) e dos secretários municipais José Carneiro e Pablo Roberto.

Para forçar uma capitulação de Colbert Martins ao grupo ‘Os Aliados do Dinheiro Público’, os dois vereadores têm apoiado iniciativas de membros da oposição e prometem a criação de Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI) com a finalidade de investigar a administração municipal. Inciativa que atinge o período em que atuou como gestor municipal José Ronaldo de Carvalho (DEM), principal liderança política de Feira de Santana.

Leia +

Vereador Fernando Torres retoma acusações contra Alberto Nery; Pedro Américo critica presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana por discurso vexatório

Confira vídeo

À Justiça Eleitoral, Fernando Torres declarou que tem apenas o nível médio de educação.
À Justiça Eleitoral, Fernando Torres declarou que tem apenas o nível médio de educação.

 

 

Sobre Carlos Augusto 9717 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).