Veneziano Vital do Rêgo é eleito vice-presidente do Senado

Eleito nesta terça-feira (02/02/2021), Veneziano Vital do Rêgo vai compor a Mesa do Senado até 2023.
Eleito nesta terça-feira (02/02/2021), Veneziano Vital do Rêgo vai compor a Mesa do Senado até 2023.

O senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB) é o novo vice-presidente do Senado. Ele foi eleito nesta terça-feira (02/02/2021), com 40 votos, contra 33 do senador Lucas Barreto (PSD-AP). Normalmente, a escolha do vice-presidente é feita em acordo entre os partidos, pelo critério da proporcionalidade. Neste ano, houve acordo sobre os demais cargos da Mesa, mas os senadores não chegaram a um entendimento sobre a Vice-Presidência. O senador ocupará o cargo até o início de 2023.

— Não há dúvidas de que nos restam superações, mas nós não podemos nos imiscuir, nós não podemos nos permitir discussões menores quando sabedores dos grandes desafios que haveremos de tratar, desde as questões que envolvem a necessidade de um novo auxílio emergencial, a reforma tributária, e todos os outros assuntos que porventura estejam a ser questionados, cobrados e, mais do que isso, exigidos por parte dos nossos brasileiros — disse Veneziano durante a votação.

De acordo com o critério da proporcionalidade, que leva em conta o número de integrantes das bancadas, o MDB, partido do senador, teria direito à Vice-Presidência do Senado. O partido desistiu de lançar candidato próprio à presidência da Casa e, depois disso, passou a pleitear a vice-presidência. O PSD, um dos primeiros partidos que declararam apoio à candidatura do novo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, não abriu mão da vaga. Representantes do partido alegavam que apenas queriam manter o direito ao cargo, antes ocupado pelo senador Antonio Anastasia (PSD-MG).

Tradicionalmente, há disputa para a Presidência do Senado, mas para os demais cargos a escolha costuma vir de um entendimento entre os senadores, com a eleição de uma chapa única. A última vez em que houve uma disputa com mais de um candidato para um cargo da Mesa que não fosse a presidência, foi em 1985. Naquele ano, foram disputados os cargos de vice-presidente, segundo-vice-presidente, segundo secretário e quarto secretário.

Votação

A eleição foi feita de forma presencial, com os votos secretos de 77 senadores. Normalmente a regra adotada é a de maioria absoluta dos votos dos senadores, ou seja, 41 votos para que alguém seja eleito. Como quatro parlamentares não puderam estar presentes, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) sugeriu que fosse adotada a maioria simples, que leva em conta o número de senadores presentes. A sugestão foi acatada pela Presidência, com a concordância dos candidatos.

A votação se deu por meio de cédulas de papel inseridas em envelopes. Além das duas urnas dentro do Plenário, foram instaladas mais duas, uma no Salão Azul e uma na Chapelaria, destinadas aos senadores considerados do grupo de risco da covid-19 e aos que não se sentissem à vontade para votar em plenário.

Perfil

Nascido em Campina Grande (PB) em 1970, Veneziano é formado em Direito e começou cedo na política, elegendo-se vereador aos 27 anos. Além de dois mandatos de vereador por Campina Grande, foi duas vezes prefeito da cidade e deputado federal por um mandato, antes de eleger-se senador em 2018.

Como vice-presidente do Senado, ele terá a missão de substituir o presidente nas ausências. Ele não fará parte, no entanto, da Mesa do Congresso Nacional, que é presidido pelo presidente do Senado. O cargos são preenchidos alternando integrantes das Mesas das duas Casas legislativas, cabendo ao vice-presidente da Câmara a Vice-Presidência do Congresso.

*Com informações da Agência Senado.

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9388 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).