Presidente do STJ instaura inquérito para apurar tentativa de intimidação na independência jurisdicional dos ministros da corte; Ex-juiz e procuradores da República do Caso Lava Jato são alvo

Ministro Humberto Martins, presidente do STJ, abriu inquérito apurar, no âmbito criminal, a atuação do possível esquema de conluio da força-tarefa do Caso Lava Jato, que envolve, à época dos fatos, juiz federal e procuradores da República.
Ministro Humberto Martins, presidente do STJ, abriu inquérito apurar, no âmbito criminal, a atuação do possível esquema de conluio da força-tarefa do Caso Lava Jato, que envolve, à época dos fatos, juiz federal e procuradores da República.

​​​​​​​O ministro Humberto Martins, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), instaurou inquérito nesta sexta-feira (19/02/2021) para apurar a suposta tentativa de intimidação e investigação ilegal de ministros da corte, bem como de violação da independência jurisdicional dos magistrados – hipóteses levantadas após a divulgação de mensagens trocadas entre procuradores da República e o ex-juiz do Caso Lava Jato em Curitiba. As mensagens foram apreendidas pela Polícia Federal (PF) no âmbito da Operação Spoofing, deflagrada em 3 de julho de 2019.

O inquérito será conduzido pelo ministro Humberto Martins e tramitará em sigilo.

No dia 5 deste mês, o presidente do STJ já havia solicitado à Procuradoria-Geral da República (PGR) a apuração na esfera criminal, e ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), a apuração no nível administrativo, da conduta dos procuradores.

As mensagens apreendidas no âmbito da Operação Spoofing tiveram o sigilo levantado pelo relator da ação no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski.

Segundo informações publicadas pela imprensa com base nas mensagens, os membros do Ministério Público teriam sugerido pedir à Receita Federal uma análise patrimonial dos ministros que integram as turmas criminais do STJ, sem que houvesse, para tanto, autorização do STF.

Prerrogativa

A instauração do inquérito pelo ministro Humberto Martins foi baseada no artigo 21, inciso II, do Regimento Interno do STJ (atribuição do presidente para velar pelas prerrogativas do tribunal) e no artigo 58, parágrafo 1º, do normativo (instauração de inquérito).

O artigo 58 do Regimento do STJ tem redação idêntica ao artigo 43 do Regimento Interno do STF, cujo conteúdo foi declarado constitucional pela Suprema Corte ao julgar a ADPF 572/DF, de relatoria do ministro Edson Fachin.

Leia +

Presidente do STJ identifica possível atividade criminosa dos procuradores da República Deltan Dallagnol e Diogo Castor e determina que PGR investigue corrupção na força-tarefa do Caso Lava Jato

Procuradores da República combinavam com a Receita Federal quebra de sigilo de ministros do STJ; Evidências de atividade criminosa de membros da força-tarefa do Caso Lava Jato se avolumam

Mensagens entre procuradores da República membros da força-tarefa do Caso Jato evidenciam atividade criminosa em ataques à ministros do STF e STJ

Editorial: A Força-tarefa da Lava Jato, a tese para um crime e a clivagem do Supremo Tribunal Federal

 

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 115172 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.