Petrobrás é valente para aumentar combustível e covarde ao entregar refinarias, diz deputada Lídice da Mata; Governo Bolsonaro entrega RELAM à fundo estatal dos Emirados Árabes Unidos

Estudo aponta que privatização das 8 refinarias da Petrobras vai criar monopólio privado.
Estudo aponta que privatização das 8 refinarias da Petrobras vai criar monopólio privado.

A deputada federal Lídice da Mata (PSB-BA) criticou nesta segunda-feira (08/02/2021), em seus perfis nas redes sociais, os sucessivos reajustes dos preços dos combustíveis praticados pela Petrobrás. Em seu Twitter, a parlamentar baiana disse que a estatal é valente para aumentar o preço do gás e da gasolina, mas é covarde ao vender refinarias.

A crítica da deputada se deu no momento em que foi anunciada a venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), em Mataripe, por menos de US$ 2 bilhões, preço considerado muito abaixo de mercado pelos especialistas.

A Rlam tem 26 unidades de processamento, e 201 tanques de armazenamento. Ela refina mais de 30 tipos de produtos, entre eles gasolina, diesel, lubrificantes, querosene de aviação, entre outros.

A deputada lembrou que um estudo feito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) revelou que a venda de oito refinarias da Petrobrás, que respondem por cerca de 50% da capacidade de processamento de petróleo do país, pode criar uma nova distorção no mercado e vários monopólios privados.

Lídice também chamou a atenção para a alta da gasolina, gás de cozinha e óleo diesel, que contribuem significativamente para a disparada dos índices de inflação. “Num momento terrível da pandemia e da economia, o governo acena com esse reajuste. Somente em janeiro, mais de 2 milhões de pessoas entraram na linha da pobreza no Brasil. Trata-se de um governo que está levando o País para o abismo”, finalizou.

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9153 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).