Paralisado pela crise, ministro Eduardo Pazuello faz promessa a governadores, mas sem solução a curto prazo

Eduardo Pazuello, ministro da Saúde.
Eduardo Pazuello, ministro da Saúde.

O ministro da Saúde, General Eduardo Pazuello, fez novas promessas sobre um cronograma de entregas de vacinas, após reunião com os governadores, realizada na tarde de quarta-feira (17/02/2021). O militar voltou a fazer promessas, citando números grandiosos, mas nada a curto prazo. Ele anunciou que entregará pelo menos 210 milhões de doses de vacinas para o tratamento de Covid-19 até o começo de junho. Neste momento, só tem na mão mais 10 milhões de doses do imunizante contra o novo coronavírus. A promessa é de encaminhar essas doses até o final de fevereiro. Pazuello não apresentou solução definitiva para o problema da habilitação e do custeio de leitos de UTI. Também enrolou sobre plano e prazos para vacinação.

“Esperamos que, desta vez, o cronograma aconteça”, disse o governador da Bahia, Rui Costa (PT), sobre o anunciado plano de vacinação apresentado por Pazuello. Em entrevista ao portal UOL, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva mostrou-se cético quanto às novas promessas do governo. “O problema do Brasil é não ter medida de curto prazo pra resolver a falta de vacinas”, disse Lula”. O governo não tem credibilidade e não quer resolver a situação. A sociedade precisa cobrar. Inclusive mandei uma carta ao Xi Jinping junto com a presidenta Dilma Rousseff para tentar ajudar”, anunciou o ex-presidente.

Governo não tem respostas claras

Os governadores foram à reunião com o ministro da Saúde com preocupações imediatas e uma pauta precisa: cronograma de entrega de vacinas até abril; avanço das negociações para adquirir doses da Sputnik V e da Covaxin; sanção da MP que dá 5 dias para que a Anvisa autorize o uso emergencial de vacinas contra o Covid-19 que já tenham aprovação internacional; pagamento de UTIs exclusivas para pacientes e ampliação da demanda; e medicamentos. Saíram sem resposta clara para nenhuma das reivindicações.

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), cobra a sanção da medida provisória que acelera a aprovação de vacinas para uso emergencial no país. Ele lamentou que o governo tenha celeridade para decretar normas que ampliam e facilitem o acesso de civis a armas, mas não para combater o Covid-19. “ Vacina, arma para salvar vidas, após apoio científico, debate na Câmara e no Senado, demora para sancionar”, criticou. Ele diz que a MP é necessária para acelerar a vacinação. “Nos aproximamos de 30 dias do início da vacinação com perspectiva de alcançar apenas 3% da população brasileira vacinada”, disse. “Neste ritmo, o plano do governo de vacinar até junho 50% da população não vai se concretizar”.

Pressionado pelos governadores, preocupados com a escassez de doses da vacina, Pazuello reiterou que toda a população será imunizada em 2021. Na programação apresentada, o militar incluiu as negociações com os laboratórios União Química/Gamaleya e Precisa/Bharat Biotech, que podem garantir ao Brasil a chegada da vacina russa Sputnik V e da indiana Covaxin, respectivamente. A previsão, de acordo com a pasta, é que o contrato com os dois laboratórios seja assinado ainda nesta semana. Os imunizantes ainda não tiveram pedido de uso emergencial aprovado pela Anvisa.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 106788 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]