O Outro é a culpa de tudo… | Por Ângelo Augusto Araújo

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
A pós-modernidade é um conceito da sociologia histórica que designa a condição sociocultural e estética dominante após a queda do Muro de Berlim (1989), o colapso da União Soviética e a crise das ideologias nas sociedades ocidentais no final do século XX, com a dissolução da referência à razão como uma garantia de possibilidade de compreensão do mundo através de esquemas totalizantes.
A pós-modernidade é caracterizada pela ruptura com os ideais iluministas que eram defendidos durante a era moderna, como os sonhos utópicos da construção de uma sociedade perfeita com base em princípios tidos como verdadeiros e únicos.

A história do nascimento do individualismo faz parte das reflexões, no mundo ocidental, provenientes dos questionamentos éticos socráticos, aos quais em um pensamento eudaimonista, referia-se em contrapontos as retóricas sofistas que: o homem seria feliz na busca pelo bom caráter e valores morais. Nessa visão rebatia aos sofistas de que: o homem é a medida de todas as coisas. No Período do renascimento esses valores antropocêntricos ressurgem, com força, motivado pelos interesses de uma classe nascente a “Burguesia”, a qual teria considerações em romper com a ordem dominante, “Absolutista e Clerical”. Nesse período filósofos, como Maquiavel e Hobbes, destacava a maldade humana e reforçava a necessidade de controle, político-social, do até então nascente Estado. Ainda durante esse período, a reforma protestante de Martinho Lutero empurra o homem ao individualismo, rompendo com as ideias coletivistas pregadas pela a igreja católica, e reforça o liberalismo. Coloca o homem com um ser dignificado pelo o trabalho e abre o caminho para a produtividade e consumismo. Nesse mesmo período, Descarte isola o sujeito do objeto e juntamente com Copérnico, Galileu, Newton, Kepler e Bacon, funda o experimentalismo e as ideias mecanicistas, as quais somadas ao positivismo, refletido também as ideias empiristas nascentes de J. Locke e D. Hume, impulsiona o homem para o novo salto cientificista. O iluminismo nasce como ondas de um movimento que já vinha acontecendo, criando ideias revolucionárias com grandes promessas para resolução dos problemas dos homens, impulsionando o liberalismo.

Diante de todo esse levantamento histórico filosófico, aparece o homem sociológico, o qual perdido no meio de questões causadas pela revolução industrial, mas com as bases fundadas dentro de um historicismo de esperanças, move-se em direção a falta de esperanças do pós-modernismo. Desnorteado no meio das promessas que não foram cumpridas, assim como, a desconstrução filosófica de todo um sistema de crenças, o homem encontra-se no meio do nada, em posse de uma liberdade que não sabe o que fazer. Em meio ao tempo que passa rápido, dos espaços que se encurtaram e modificam-se a todo momento, sem a segurança de um futuro previsível, o homem embute em si mesmo, enxergando o outro como um obstáculo, como opositor dos seus desejos e aspirações.

Portanto, esse homem, dito como pós-moderno, rompe com as questões culturais e sociais, estabelece como fronteira os seus próprios limites, culpabiliza-se pelas obrigações que não são suas, tal como, determina o diferente como estranho e algo a ser superado, pois as relações são amorfas, líquidas, e o outro é a culpa de tudo.

*Ângelo Augusto Araújo ([email protected]), médico, pesquisador, doutor em saúde pública e doutorando em Bioética pela Universidade do Porto.

Sobre Ângelo Augusto Araújo 48 Artigos
Dr. Ângelo Augusto Araujo (e-mail de contato: [email protected]), médico, MBA, PhD, ex-professor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), especialista em oftalmologia clínica e cirúrgica, retina e vítreo, Tese de Doutorado feita e não defendida na Lousiana State University, EUA, nos seguintes temas: angiography, fluorescent dyes, microspheres, lipossomes e epidemiologia. Doutor em Saúde Pública: Economia da Saúde (UCES); Doutorando em Bioética pela Universidade do Porto; Master Business Administration (MBA) pela Fundação Getúlio Vargas; graduado em Ciências Econômicas e Filosofia; membro do Research fellow do Departamento de Estatística da Universidade Federal de Sergipe; membro da Academia Americana de Oftalmologia; da Sociedade Europeia de Retina e Vítreo e do Conselho Brasileiro de Oftalmologia; e diretor-médico da Clínica de Retina e Vítreo de Sergipe (CLIREVIS), em Aracaju, Sergipe.