“Cunha é Temer e Temer é Cunha” | Por Luiz Holanda 

Michel Temer e Eduardo Cunha, em registro de 18 de novembro de 2015.
Michel Temer e Eduardo Cunha, em registro de 18 de novembro de 2015.

O ex-presidente Michel Temer e o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, resolveram publicar suas memórias do período em que atuaram como protagonistas do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Ambos afirmam dizer a verdade. No livro “A Escolha”, Temer, que conspirou para suceder Dilma, diz que apenas se beneficiou da situação devido a sua condição de sucessor constitucional da ex-presidente.

Já Cunha, no livro “Tchau, querida, O Diário do Impeachment”, que deverá ser lançado em abril, pretende demonstrar que Temer foi o principal beneficiário da situação. Rodrigo Maia, que, segundo Cunha, também se beneficiou do impeachment, “Não tinha limites para a sua ambição e vaidade. Na busca pelo protagonismo, quis forçar ser o relator da Comissão Especial de Impeachment. Eu tive de vetar”, confessou.

Baleia Rossi, também citado, saiu ferido: “A empresa Ilha Produções Ltda., pertencente ao irmão de Baleia e a sua mulher, recebeu nas campanhas eleitorais de 2010, 2012 e 2014 milhões de reais em pagamentos oficiais e caixa dois, inclusive da Odebrecht”.

Cunha não tem muito que perder. Condenado a 14 anos e seis meses de prisão — cumpriu três anos e cinco meses em regime fechado. No momento está em prisão domiciliar, no Bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro. Em seu desabafo, diz que Temer fez sua “escolha” desde a reeleição de ambos.

Rodrigo Maia ficou indignado com a confissão de Cunha. Segundo ele, Cunha é um mentiroso, pois para derrubar Dilma era preciso reunir muita gente, principalmente os traidores do então governo. Para Maia, Cunha tenta criar uma versão visando se manter como protagonista da história, muito embora a “História já o expulsou das páginas gloriosas e o prendeu em notas de rodapé”.

Temer relata os encontros que teve com os generais Eduardo Villas Bôas e Sergio Etchegoyen, este Chefe do Estado-Maior do Exército. O PT estava muito desgastado com os militares, principalmente diante do receio de que Dilma mudasse a Lei de Anistia e de temas como o Programa Nacional de Direitos Humanos-3, de 2009.

Os militares temiam que os petistas e seus aliados buscassem mudar a forma de acesso de oficiais ao generalato e a formação dos militares nas academias. Queriam, por isso, ouvir o então vice para saber como deviam atuar. O relato feito por Temer busca colocar no campo da institucionalidade o que para os petistas era apenas uma conspiração.

Cunha acusa Temer de “o grande conspirador”, detalhando os conchavos que marcaram a queda da petista. O livro, com 740 páginas, discorre sobre a participação de Sérgio Moro, Rodrigo Janot e de outros no episódio.

Depondo no processo da Lava Jato, Cunha disse que Temer, numa reunião para nomeação dos dirigentes da Petrobrás, indicou vários nomes para a diretoria da petroleira. Este, no mesmo processo, afirmou que “não houve essa reunião”.

Os dois eram amigos e confidentes. No livro de memórias do ex-procurador geral da República, Rodrigo Janot, Temer aparece pedindo a Janot, em março de 2015, para ele não investigar Cunha, recém-eleito na época para a presidência da Câmara.

Diante dessas versões contraditórias, jamais saberemos quem está falando a verdade. O ex-senador Romero Jucá (PMDB-RR), disse certa feita que “Cunha sabe muito de Temer na presidência do PMDB, das armações, dos desvios. Eles atuavam juntos. Agora, às vésperas do Supremo Tribunal Federal julgar um pedido de habeas corpus, Cunha cobra a fatura do golpe que levou Temer ao poder”. E mais: “Cunha é Temer e Temer é Cunha”.

*Luiz Holanda é advogado e professor universitário .

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Luiz Holanda 363 Artigos
Luiz Holanda é advogado e professor universitário, possui especialização em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (SP); Comércio Exterior pela Faculdades Metropolitanas Unidas de São Paulo; Direito Comercial pela Universidade Católica de São Paulo; Comunicações Verbais pelo Instituto Melantonio de São Paulo; é professor de Direito Constitucional, Ciências Políticas, Direitos Humanos e Ética na Faculdade de Direito da UCSAL na Bahia; e é Conselheiro do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB/BA. Atuou como advogado dos Banco Safra E Econômico, presidiu a Transur, foi diretor comercial da Limpurb, superintendente da LBA na Bahia, superintendente parlamentar da Assembleia Legislativa da Bahia, e diretor administrativo da Sudic Bahia. E-mail para contato: [email protected]