Arábia Saudita: Príncipe herdeiro Mohammed bin Salman aprovou operação contra jornalista Jamal Khashoggi, diz Governo dos EUA

Mohammed bin Salman, príncipe herdeiro da Arábia Saudita.
Mohammed bin Salman, príncipe herdeiro da Arábia Saudita.

O príncipe saudita, Mohammed bin Salman, aprovou uma operação para capturar ou matar o jornalista dissidente Jamal Khashoggi, assassinado em 2018, de acordo com uma avaliação de inteligência divulgada na sexta-feira (26/02/2021)  de maneira coreografada para limitar os danos aos EUA-sauditas laços

Khashoggi, um residente dos Estados Unidos que escreveu colunas de opinião para o Washington Post críticas às políticas do príncipe herdeiro, foi morto e esquartejado por uma equipe de agentes ligados ao príncipe herdeiro no consulado do reino em Istambul.

Riyadh negou qualquer envolvimento do príncipe herdeiro, o governante de fato da Arábia Saudita.

“Avaliamos que o príncipe herdeiro da Arábia Saudita Muhammad bin Salman aprovou uma operação em Istambul, na Turquia, para capturar ou matar o jornalista saudita Jamal Khashoggi”, disse o Escritório do Diretor de Inteligência Nacional dos EUA no relatório.

A agência de inteligência baseou sua avaliação no controle do preço da coroa da tomada de decisão, no envolvimento direto de um de seus principais assessores e em seu próprio destacamento de proteção e em seu “apoio ao uso de medidas violentas para silenciar dissidentes no exterior, incluindo Khashoggi”, acrescentou. .

“Desde 2017, o Príncipe Herdeiro tem o controle absoluto das organizações de segurança e inteligência do Reino, tornando altamente improvável que as autoridades sauditas tenham realizado uma operação dessa natureza sem a autorização do Príncipe Herdeiro”, disse o relatório.

Ao desclassificar o relatório, o presidente Joe Biden reverteu a recusa de seu predecessor Donald Trump de divulgá-lo em desafio à lei de 2019, refletindo uma nova disposição dos EUA de desafiar o reino em questões de direitos humanos à guerra no Iêmen.

No entanto, Biden está trilhando uma linha tênue para preservar os laços com o reino, enquanto busca reviver o acordo nuclear de 2015 com seu rival regional, o Irã, e enfrentar outros desafios, incluindo o combate ao extremismo islâmico e o avanço dos laços árabe-israelenses.

Washington coreografou eventos para amenizar o golpe, com Biden na quinta-feira falando com o pai do príncipe herdeiro de 85 anos, Rei Salman, em uma teleconferência na qual ambos os lados disseram que reafirmaram sua aliança de décadas e prometeram cooperação.

O governo Biden vai anunciar sanções e proibições de vistos na sexta-feira contra cidadãos sauditas por causa do assassinato de Khashoggi, embora não imponha sanções ao príncipe herdeiro, disseram autoridades americanas.

Ao reavaliar as relações com um de seus aliados árabes mais próximos, os Estados Unidos também estão considerando o cancelamento de acordos de armas com a Arábia Saudita que representam questões de direitos humanos, enquanto limitam as vendas militares futuras a armas “defensivas”, disseram fontes familiarizadas com o pensamento do governo.

Um porta-voz do Departamento de Estado disse que o foco dos EUA está em encerrar o conflito no Iêmen, ao mesmo tempo que garante que a Arábia Saudita tenha tudo de que precisa para defender seu território.

A inteligência desclassificada ecoou uma versão confidencial de um relatório sobre o assassinato de Khashoggi que Trump compartilhou com membros do Congresso no final de 2018.

A rejeição de Trump às demandas de legisladores e grupos de direitos humanos para divulgar uma versão desclassificada na época refletia um desejo de preservar a cooperação com Riade em meio a tensões crescentes com o Irã e de promover a venda de armas dos EUA ao reino.

A nova diretora de inteligência nacional de Biden, Avril Haines, se comprometeu a cumprir um projeto de lei de 2019 que exigia que seu escritório divulgasse um relatório desclassificado sobre o assassinato de Khashoggi.

Khashoggi, 59, era um jornalista saudita que vivia em exílio auto-imposto na Virgínia que escreveu artigos de opinião para o Washington Post, criticando as políticas do príncipe herdeiro – conhecido por alguns no Ocidente como MbS.

Ele foi atraído em 2 de outubro de 2018 para o consulado saudita em Istambul com a promessa de um documento de que precisava para se casar com sua noiva turca. Uma equipe de agentes ligados ao MbS o matou lá e desmembrou seu corpo. Seus restos mortais não foram encontrados.

Riyadh inicialmente divulgou histórias conflitantes sobre seu desaparecimento, mas acabou admitindo que Khashoggi foi morto no que chamou de uma operação de extradição “desonesta” que deu errado.

Vinte e um homens foram presos no assassinato e cinco altos funcionários, incluindo o vice-chefe da inteligência, Ahmed al-Asiri, e Saud al-Qahtani, um assessor sênior do MbS, foram demitidos.

Em janeiro de 2019, 11 pessoas foram julgadas a portas fechadas. Cinco receberam sentenças de morte, que foram comutadas para 20 anos de prisão depois que foram perdoados pela família de Khashoggi, enquanto outros três foram condenados à prisão.

Asiri foi julgado, mas absolvido “devido a evidências insuficientes”, disse a promotoria, enquanto Qahtani foi investigado, mas não acusado.

Como parte do reequilíbrio dos laços de Biden com a Arábia Saudita, ele só se comunicará com o rei Salman, disse a Casa Branca, uma medida que pode permitir que Washington coloque alguma distância entre si e o príncipe herdeiro, de 35 anos.

Isso irá restaurar o protocolo quebrado por Trump e seu genro e assessor superior, Jared Kushner, que mantinha um canal direto com o príncipe herdeiro.

MbS consolidou o poder desde a destituição de seu tio como herdeiro do trono em um golpe no palácio de 2017, buscando ganhar o apoio público supervisionando as reformas econômicas e sociais populares.

Mas ele também deteve opositores e ativistas dos direitos das mulheres e praticou manobras estrangeiras arriscadas, algumas das quais saíram pela culatra, como a intervenção no Iêmen, onde uma guerra entre representantes sauditas e iranianos criou uma crise humanitária.

Arábia Saudita rejeita relatório dos EUA contra príncipe herdeiro

A Arábia Saudita anunciou que rejeita liminarmente o relatório agora tornado público, feito pelos serviços secretos norte-americanos, que culpa o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohamed bin Salman, pela morte do jornalista crítico do regime Jamal Khashoggi, em 2018. Este relatório diz que o príncipe deu o aval ao plano que desencadeou o assassínio de Khashoggi no consulado saudita em Istambul, na Turquia.

Em resposta, o secretário de Estado Anthony Blinken assinou um decreto que proíbe de entrada nos Estados Unidos qualquer pessoa que, em nome das autoridades de um país, ataque um jornalista ou dissidente no estrangeiro. A medida foi batizada “Khashoggi ban” ou “proibição Khashoggi”, em homenagem ao jornalista saudita morto. Ao abrigo desse decreto, foram retirados os vistos a 76 personalidades sauditas que se acredita terem participado no crime. No entanto, Blinken diz que não pretende uma rutura total com Riade.

*Com informações de Jonathan Landay, Steve Hollandm, Doina Chiacu e Alistair Bell da Agência Reuters e de Ricardo Figueira, da EuroNews.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111166 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]