Prefeitura de São Gonçalo dos Campos realiza Expo Lavagem

Expo Lavagem é realizada em São Gonçalo dos Campos.
Expo Lavagem é realizada em São Gonçalo dos Campos.

Recordar é tornar viva as tradições. Nessa quinta-feira (14/01/2021), dia em que seria a tradicional Lavagem do Padroeiro, a Prefeitura de São Gonçalo dos Campos, através da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, realizou a “Expo Lavagem”, no Coreto da Praça da Matriz, mostrando as tradições populares do município. Por conta da pandemia, a festa de rua não pode ocorrer neste ano.

O público que compareceu ao local da exposição teve a oportunidade de banhar-se com a água de cheiro, mistura da água que vem da Fonte da Gameleira e a alfazema, para não quebrar a tradição. Muitos aproveitaram para tirar fotos com as baianas e os personagens de blocos, além de ficarem emocionados ao se reconhecerem nos painéis fotográficos.

A integrante do Bloco das Baianas há 09 anos, Celeste Ribeiro, lembra que, caso não tivesse a pandemia, o povo estaria alegre percorrendo as ruas da cidade ao som da Filarmônica Lira Sangonçalense. “Tinha um ponto de encontro na Escola Municipal Arthur Magalhães, chamada Ruivinha. Todas as baianas se reuniam ali, com o vaso de barro, a água de cheiro, as angélicas, flores brancas, a gente ia contagiando naquela alegria e o povo ia se aproximando, aderindo ao bloco”, relembrou.

A moradora, Ana Carolina Falcão, conta que ficou emocionada com a exposição porque nasceu no período da Lavagem e curte a festa desde a barriga da mãe. “Nasci no mês em que a festa de São Gonçalo estava bombando que é fevereiro. Na época, a festa variava entre janeiro e fevereiro. Se não fosse a pandemia, eu ia curtir a lavagem, sempre marcava com alguns amigos, tomava banho de água de cheiro, do carro-pipa quando tinha o carro-pipa. Era aquela alegria, aquela folia. O dia que eu mais gosto era quinta-feira, dia da lavagem, e sábado, dia dos blocos. Eu acho sensacional.”, argumentou.

Segundo a idealizadora da ação, Ana Cristina Martins, a cidade pode ser resumida em fé e festa. “Quando as pessoas falam que a festa de São Gonçalo tem a parte profana, eu discordo, porque o que a gente vê aqui é festa popular. É o popular se encontrando com a fé”, pontuou.

Martins destaca que é amante da história do município e questionava o porquê aprendia a história de tantos outros lugares no período da escola e não conhecia a do seu próprio município. “A ideia é relembrar, de forma segura, a tradição popular da cidade. Olhando as fotos, as pessoas estão expressando, de forma verbal, o sentimento de fé e devoção que carregam dentro de si”, relatou.

Sobre Carlos Augusto 9707 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).